Inglaterra

Sir Jim Ratcliffe compra o Manchester United — mas apenas 25% do clube, que segue sendo dos Glazers

Sir Jim Ratcliffe concluiu nesta véspera de Natal um acordo para comprar participação minoritária de 25% do Manchester United

O Manchester United agora pertence também ao bilionário inglês sir Jim Ratcliffe. Ele concluiu neste domingo (24) a compra de 25{62c8655f4c639e3fda489f5d8fe68d7c075824c49f0ccb35bdb79e0b9bb418db} das ações do clibe inglês por cerca de um bilhão de libras esterlinas e passa a ter o controle das operações de futebol do time. A notícia, esperada há meses pelos Red Devils, foi bastante comemorada pela torcida. Isso porque ele afirma que investirá pelo menos 237 milhões de libras em melhorias futebolísticas — ou seja, em uma esperada reformulação de plantel.

O futuro do Manchester United não deve demorar para começar a ser lapidado. De acordo com o The Guardian, a permanência do técnico holandês Erik ten Hag está nas mãos de Ratcliffe. Os resultados na temporada são frustrantes, com a equipe atualmente figurando no meio da tabela da Premier League e tendo ficado em última em seu grupo na Champions League. Já são, no momento, quatro jogos sem marcar gols para os Red Devils, que vivem um momento historicamente péssimo.

— Como um garoto de Manchester e torcedor do clube por toda a minha visa, estou satisfeito por chegar a um acordo com o conselho do Manchester United que nos delega a responsabilidade de gestão das operações de futebol do time. Embora o sucesso comercial do Manchester United tenha garantido que sempre houvesse fundos disponíveis para ganhar troféus do mais alto nível, este potencial não foi totalmente aproveitado nos últimos tempos. Traremos conhecimento global, experiência e talento do grupo Ineos Sport para ajudar a impulsionar novas melhorias no clube, ao mesmo tempo que forneceremos fundos destinados a permitir investimentos futuros em Old Trafford — afirmou Ratcliffe via comunicado.

Final feliz para um namoro que começou há mais de um ano

Já se vai quase um ano desde que sir Jim Ratcliffe demonstrou interesse real em comprar o Manchester United. Seu objetivo inicial era de comprar a participação majoritária do United, que hoje pertence à família Glazer, dos Estados Unidos. O acordo, que foi financiado sem dívidas, ainda está sujeito à aprovação da Premier League para ser totalmente concluído, o que deve acontecer nos próximos dias.

Ainda no final do ano passado, os Glazers demonstraram interesse de ‘iniciar um processo para explorar alternativas estratégicas' com o Manchester United, o que para muitos seria vender integralmente o clube, o que acabou não acontecendo no negócio envolvendo sir Jim Ratcliffe. Também por meio de comunicado, Avram e Joel Glazer, co-presidentes executivos do United, demonstraram satisfação com a venda.

— Sir Jim e Ineos trazem uma vasta experiência comercial, bem como um compromisso financeiro significativo para o clube. E, através da Ineos Sport, o Manchester United terá acesso a profissionais experientes de alto desempenho, com experiência na criação e liderança de equipes de elite dentro e fora do jogo. O Manchester United tem pessoas talentosas em todo o clube e nosso desejo é sempre melhorar em todos os níveis para ajudar a trazer mais sucesso aos nossos grandes torcedores no futuro — afirma o documento divulgado à imprensa.

Venda anima torcida, mas não era o que fãs do Manchester United verdadeiramente queriam

Se a entrada de sir Jim Ratcliffe dá esperanças de melhora aos torcedores do Manchester United, deixa também um gosto amargo por não ser esse o destino que os fãs julgavam o ideal para o clube quando começou a circular o papo de que os Red Devils seriam vendidos. Isso porque, no começo de tudo, a venda poderia ter acontecido para um bilionário xeque do Catar.

O xeque Jassim bin Hammad al-Thani retirou sua proposta de compra do clube recentemente, frustrando torcedores que se imaginavam como ficaram os do Paris Saint Germain, por exemplo. A oferta dele foi de cinco bilhões de libras, mas acabou não indo para frente e abriu espaço para a entrada de sir Jim Ratcliffe na história. Agora, espera a torcida, um novo futuro está pela frente, mesmo que não seja recheado de petrodólares.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius AmorimRedator

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo