Premier League

Tottenham de Nuno Espírito Santo faz jogo de xadrez e supera o Manchester City

Em tarde decidida na genialidade de Son, os Spurs neutralizaram a ameaça dos Citizens

O público presente no Tottenham Hotspur Stadium, em Londres, queria muito ter visto mais um duelo estelar envolvendo Harry Kane e Kevin De Bruyne, pela Premier League. Mas não foram eles os protagonistas de uma vitória suada, mas muito bem executada pelos Spurs contra o Manchester City nessa estreia pela liga. A vitória de 1 a 0 premiou o foco dos comandados de Nuno Espírito Santo.

LEIA MAIS: Clube a clube, este é o Guia Trivela da Premier League 2021-22

Competitivo e defensivamente impecável, o Tottenham começou estudando a proposta do City e tirando espaço dos adversários, além de tentar repetidamente quebrar o ritmo da partida, que tinha tudo para ser um belo espetáculo.

Sem Kane, poupado por problemas físicos que não ficaram tão claros, Nuno precisou escorar suas ações ofensivas em Heung-Min Son. E contou também com o apoio de Lucas Moura, que fez um belíssimo jogo, sem falar em Dele Alli, que acordou para a vida e deu 120% de si.

Pelo lado de Pep Guardiola, chamava a atenção a presença de Jack Grealish, reforço milionário chegado nesta janela. A tendência é que ele não seja o único, mas a cada dia que passa, é um dia a menos que Kane terá para decidir se vai ou se fica. Pep também preferiu poupar De Bruyne, que entrou apenas nos últimos e críticos 10 minutos finais.

Parecia óbvio que o belga mudaria completamente o estilo do City de chegar na área, e foi o que aconteceu. A bola ficou mais redonda a partir do momento em que De Bruyne entrou em campo. Mas não nos apressemos até o fim dessa história.

Equilíbrio e margem mínima para erros

O jogo demorou a esquentar de fato. Na primeira etapa foram poucos acontecimentos, mas em compensação, os 45 minutos finais trouxeram o que o público queria ver. Ação, boas defesas de ambos os goleiros e lances de perigo.

O momento capital veio aos nove minutos da etapa complementar. Em descida rápida, Lucas acionou Steven Bergwijn, que carregou até o terço final e jogou em Son. O sul-coreano se preparou para um rápido duelo com Nathan Aké, que vinha cercando sem dar o bote ou dar muito espaço.

O craque mostrou aptidão para os grandes momentos, optou por um corte inesperado e, em pouquíssimo tempo armou o chute, pegando Aké desprevenido. A finalização foi no cantinho da meta de Ederson e morreu suave no barbante. O talento de Son permitiu que ele tirasse da cartola um gol, mesmo que Aké estivesse colado nele para evitar. Um belíssimo presente do camisa 7 para a sua torcida.

Invocado, City reage

A partir do gol, o jogo foi todo do City, que rodou, rodou e rodou para tentar empatar. Dependente de Ilkay Gündogan, Riyad Mahrez e Grealish para gerar chances a Ferran Torres, o time de Guardiola sofreu para transpor a barreira defensiva dos Spurs. Excelente dia para os defensores Eric Dier e Davinson Sánchez, apoiados pelo jovem volante Oliver Skipp, que juntos, tiraram sempre o City da zona de conforto.

Quando a bola passou da defesa, e uma hora haveria de passar, foi o capitão Hugo Lloris que fez milagres. Salvou chutes difíceis no terço final da partida e frustrou a ofensiva celeste. Quando De Bruyne entrou e começou a distribuir melhor a bola perto e dentro da área rival é que ficou evidente a falta de um goleador. Raheem Sterling claramente não é esse jogador e hoje o ponta foi bastante discreto e deu apenas um chute a gol. Em seu lugar, entrou Gabriel Jesus, que sequer povoou a área e não chegou a finalizar. Kane resolve esse problema?

A armadilha do Tottenham funcionou muito bem, tanto que a equipe sequer precisou ter a bola ou entrar tanto na área do City para marcar. A eficiência e o foco dos titulares foi um ponto de destaque na tarde de hoje, em que se sabia que erros não seriam perdoados. No frigir dos ovos, levou quem esteve mais atento e sob efeito da adrenalina de um grande duelo. Palmas para Nuno Espírito Santo em seu primeiro desafio real no comando dos Spurs.

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é editor-chefe da Revista Relvado, zagueiro ocasional, ex-jornalista, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo