Premier League

Solskjaer: “Não posso dizer que já senti algo pior do que isso. Este é o ponto mais baixo que já estive”

Derrota pesada por 5 a 0 desanimou o técnico do Manchester United, Solskjaer, mas ele diz que confia no que pode fazer e que é preciso superar esse momento

Para quem vive de competir, derrotas são sempre pesadas. No caso do Manchester United, este dia 24 de outubro de 2021 será para sempre um dia marcado pela tristeza. O time perdeu por 5 a 0 para o Liverpool em pleno Old Trafford e tomando um baile. O técnico Ole Gunnar Solskjaer sentiu muito a derrota e as críticas aumentaram ainda mais.

“Não é fácil dizer alguma coisa, além de que foi o pior dia que já tive liderando esses jogadores. Não fomos suficientemente bons individualmente ou como time. Você não pode dar a um time como o Liverpool essas chances e infelizmente nós demos”, afirmou o treinador.

“Toda o desempenho não foi o suficiente, isso certamente. Criamos chances, eles tiveram oportunidades, eles foram precisos e não aproveitamos nossas chances no começo. Então o terceiro gol foi o que decidiu o jogo”, continuou Solskjaer.

“A responsabilidade pela derrota é minha. É isso. A comissão técnica é brilhante e escolhi a oportunidade do jogo e hoje não fomos precisos o suficiente indo ao ataque. Houve espaços para os dois times e quando você dá espaço a bons jogadores, eles marcam”, disse o técnico.

“Você pode olhar na temporada passada que perdemos por 6 a 1 para os Spurs – este foi muito pior. O adversário também, isso torna muito pior para mim como alguém do Manchester United e temos que superar o mais rápido que pudermos e seguir adiante”.

Solskjaer foi perguntado na coletiva se ele ainda sentia que era a pessoa certa para liderar o time. “Viemos muito longe como grupo e estamos muito perto para desistir agora”, afirmou o treinador. “Não ouvi nada [sobre demissão] e ainda estou pensando no trabalho de amanhã, é claro. Estamos todos tristes. Não posso dizer que já senti algo pior do que isso. Este é o ponto mais baixo que já estive. Mas como eu disse, aceito a responsabilidade e ela é minha hoje. É minha seguindo adiante’.

“Acredito em mim mesmo, acredito que estou chegando perto do que quero com o clube, acho que o que nós fizemos, o que vimos, o desenvolvimento, é claro, os resultados ultimamente não têm sido bons o bastante. Mas eu tenho que me manter forte e fazer o que acredito que temos feito, a comissão técnica e os jogadores”.

“O único jeito que conheço em abordar a vida é acordar amanhã de manhã, olhar para frente, é claro que avaliar o que aconteceu e fazer o meu melhor, ser determinado e passar por esses momentos difíceis”, continuou o treinador.

“Esta é a pior sensação, você se sente no fundo do poço, depois que a sensação que tivemos de que estamos chegando aonde queremos chegar, mas nas últimas semanas batemos em uma parede. Os resultados não chegaram, o as exibições não vieram e sofremos muitos gols fáceis, o que é uma preocupação. Mas o momento é agora. O Manchester United teve momentos difíceis antes e sempre voltamos, sempre encaramos os desafios”.

“Na temporada passada, fomos os segundos, nesta temporada começamos muito mal. Batemos em uma parede. É preciso superar isso. É preciso começar a melhorar o desempenho, os resultados e não tomarmos gols e ver onde podemos chegar com isso”, afirmou ainda o treinador.

O Manchester United parece ter convicção no trabalho de Soskjaer, tanto que renovou o contrato do treinador em julho. O clube sabe que trocar por trocar não trará os resultados que o time quer. Resta saber, então, se Solskjaer terá capacidade de entregar o que se espera dele. O que dá a impressão é que o time se reforçou e piorou, o que é algo que cai na conta do técnico. Indiscutivelmente, o elenco do Manchester United melhorou, mas o desempenho não tem sido nem perto do que se espera.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo