Inglaterra

Renovação de contrato é sinal de confiança do Manchester United no trabalho de Solskjaer (que ainda pode melhorar)

O norueguês assinou um novo acordo que o mantém vinculado ao clube até 2024, mas, com novos reforços, precisará dar um passo à frente na próxima temporada

Não há nada menos confiável na face da terra do que data de término de contrato de treinador de futebol, mas a renovação de Ole Gunnar Solskjaer até 2024, anunciada neste sábado, é um sinal de confiança do Manchester United no trabalho do treinador que assumiu a equipe em 2018 após a demissão de José Mourinho.

Ex-atacante histórico da Era Alex Ferguson, Solskjaer tinha pouco sucesso como treinador e foi contratado para resgatar a cultura do técnico escocês que se aposentou em 2013, após tentativas fracassadas de sucedê-lo com David Moyes, escolhido a dedo, e nomes fortes como Louis van Gaal e Mourinho.

“Todos sabem o sentimento que tenho por este clube e estou contente por ter assinado um novo contrato. É um momento empolgante ao Manchester United. Construímos um time com bom equilíbrio entre juventude e experiência e que está faminto por sucesso”, disse o norueguês de 48 anos.

“Tenho uma comissão técnica fantástica e estamos todos prontos para dar o próximo passo da nossa jornada. O Manchester United quer conquistar os maiores troféus e é por isso que todos lutamos. Melhoramos, dentro e fora de campo, e isso continuará nas próximas temporadas”, completou.

Ele assumiu como interino em dezembro de 2018 e começou muito bem, com uma sequência de vitórias impressionante na Premier League e eliminando o Paris Saint-Germain em condições dramáticas, suficiente para convencer a diretoria do United a confirmá-lo como o técnico principal no fim de março.

Depois dessa decisão, o United venceu apenas duas das últimas sete rodadas da Premier League e terminou em sexto lugar, fora da zona de classificação à Champions League. Os problemas continuaram no começo da temporada seguinte, com duas vitórias nos primeiros nove jogos do Campeonato Inglês, e Solskjaer adquiriu o hábito de arrancar grandes resultados nos momentos em que mais balançou no cargo, além de começar a construir um retrospecto dos mais respeitáveis contra Pep Guardiola.

Bruno Fernandes foi contratado em janeiro, e o Manchester United arrancou com nove vitórias e nenhuma derrota nas últimas 14 rodadas da Premier League (interrompida pela pandemia) e selou o retorno à Champions League no último fim de semana ao vencer o confronto direto contra o Leicester no King Power Stadium.

Parecia que havia finalmente embalado, mas a eliminação ainda na fase de grupos da Champions League da  temporada passada, atrás de RB Leipzig e Paris Saint-Germain, foi preocupante. Recuperou-se e assumiu a liderança em janeiro, a primeira vez que esteve na ponta da tabela após a virada do ano desde a aposentadoria de Ferguson. Não conseguiu acompanhar o Manchester City e terminou em segundo lugar.

Teve uma grande caminhada na Liga Europa, com direito a goleada por 6 a 2 sobre a Roma na semifinais. O título não veio, derrota para o Villarreal nos pênaltis, mas o saldo da temporada foi positivo para o Manchester United, que confirmou a contratação de Jadon Sancho na última sexta-feira e segue de olho no mercado para outros possíveis reforços – como Raphael Varane e Kieran Trippier.

Ao mesmo tempo em que a renovação de contrato é um sinal de confiança, Solskjaer também será pressionado na próxima temporada a pelo menos brigar de verdade pelo título da Premier League, que o Manchester United não conquista desde a aposentadoria de Ferguson, após três anos quase completos de trabalho e com sucessivos mercados com jogadores de mais de £ 70 milhões – Harry Maguire e Jadon Sancho estão entre os cinco reforços mais caros da história da Premier League, ao lado de outros dois do United (Pogba e Lukaku) e Virgil Van Dijk.

Batendo na tecla do preparo físico e de atacar com velocidade desde que assumiu o time, Solskjaer desenvolveu um estilo que brilha quando tem espaço para contra-atacar, o que contribui para vitórias em clássicos e jogos importantes, mas que tem dificuldades na hora de furar defesas fechadas, quando não conta com boas atuações de jogadores como Bruno Fernandes, Pogba, Edinson Cavani e daqui para frente provavelmente Jadon Sancho.

Apresentar uma solução também coletiva para esse obstáculo do Manchester United será a principal missão de Solskjaer na próxima temporada e provavelmente determinante para uma briga verdadeira pelo título inglês – e para seu futuro como técnico do clube.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo