Premier League

Palace assustou, mas show de Sánchez deu importante vitória ao Arsenal

Esqueça aquele Crystal Palace do começo da temporada que passou as sete primeiras rodadas sem marcar um gol. Este novo time comandado por Roy Hodgson é muito mais difícil de ser batido, como o Arsenal experimentou nesta quinta-feira. A equipe de Arsène Wenger passou por alguns apuros, e viu o adversário encostar nos minutos finais, mas conseguiu uma importante vitória por 3 a 2, com uma bela apresentação de Alexis Sánchez.

LEIA MAIS: Arsenal 3 x 3 Liverpool: um thriller cheio de erros que não ficou bom para ninguém

Aproximando-se da janela de inverno, crescem as especulações em torno de Sánchez, cujo contrato termina no próximo mês de junho. O chileno respondeu com uma bela exibição de futebol. Depois de Mustafi abrir o placar com uma boa finalização, Sánchez descolou um lindo passe para deixar Özil na cara do gol. O desvio quase ampliou o placar, em um primeiro tempo totalmente dominado pelo Arsenal.

O Palace voltou com tudo do intervalo e pressionou. Conseguiu o empate com Townsend, completando jogada de Zaha. Mas, em cinco minutos, Sánchez resolveu a parada. Lacazette rolou para o chileno bater de primeira, no canto de Speroni. O renascido Jack Wilshere, em seu quarto jogo seguido atuando os 90 minutos pelo Arsenal, o que não acontecia há quatro anos, deu um lindo lançamento para Sánchez, que matou na coxa e tocou na saída do goleiro.

Aos 44 minutos do segundo tempo, Tomkins empatou em escanteio, e o Palace esboçou uma busca pelo empate. O Arsenal, porém, resistiu. E depois de três empates e uma derrota em cinco rodadas da Premier League, ganhou de um adversário em ascensão. Está em sexto lugar, a um ponto do Liverpool, o quarto colocado e último classificado à próxima Champions League.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo