Inglaterra

Precoce no sucesso e no declínio, Jack Wilshere anuncia aposentadoria aos 30 anos: “Vivi meu sonho”

Ex-jogador do Arsenal estava jogando na Dinamarca e decidiu encerrar a carreira. Ele será técnico do time sub-18 do Arsenal

O ex-jogador do Arsenal Jack Wilshere anunciou a sua aposentadoria do futebol profissional nesta sexta-feira, aos 30 anos. Com uma carreira bastante precoce e com muitas lesões, o jogador viveu o auge, com o Arsenal e com a Inglaterra em uma Copa do Mundo, e também viveu a baixa, caindo de produção, jogando no Bournemouth sem convencer e tendo seu último clube profissional na Dinamarca, o Aarhus.

LEIA TAMBÉM: Wilshere além das lesões: o drama familiar em segredo que dificultou sua recuperação

“Hoje estou anunciando minha aposentadoria do futebol profissional. Foi uma jornada incrível cheia de muitos momentos incríveis e me sinto privilegiado em ter vivido tudo que vivi durante a minha carreira. Desde pequeno chutando uma bola pelo jardim até capitanear meu amado Arsenal e jogar pelo meu país em uma Copa do Mundo. Vivi meu sonho”.

“Na verdade, tem sido difícil para aceitar que minha carreira estava decaindo nos últimos tempos por motivos fora do meu controle, enquanto sentia que ainda tinha muito a dar. Tendo jogado no mais alto nível, sempre tive ambições enormes no jogo e, para ser sincero, não imaginava chegar nessa posição às vezes”, declarou Wilshere.

“Contudo, com tempo para refletir e falar com aqueles mais próximos a mim, sei que é o momento certo e, apesar dos momentos difíceis, olho para trás na minha carreira com grande orgulho pelo que conquistei”, continuou o agora ex-jogador.

Jack Wilshere no ano da sua estreia, em 2008 (Shaun Botterill/Getty Images)

Wilshere foi um jogador muito precoce. Se tornou o mais jovem a atuar pelo Arsenal ao estrear com 16 anos e 256 dias em 2008. Conquistou dois títulos pelo clube, a Copa da Inglaterra em 2014 e 2015. Em 2018, deixou o clube rumo ao West Ham, uma transferência que ele se arrependeu. “Naquele momento senti que era o certo, e provavelmente olhando em retrospectiva, não era, mas é o que é”, afirmou em entrevista ao Guardian, em 2021.

Com muita habilidade, o jogador sempre pareceu uma grande promessa do futebol inglês. Depois de surgir no Arsenal, foi emprestado ao Bolton por uma temporada para ganhar experiência, na segunda metade da temporada 2009/10. Depois, retornou ao clube e se tornou parte regular do Arsenal, recebendo até a camisa 10 a partir da temporada 2012/13.

Desde cedo, porém, ele viveu algo que o atrapalharia ao longo da carreira: muitas lesões. Chegou a perder quase uma temporada toda em 2015/16, quando teve uma grave fratura na perna. Também teve muitas lesões no tornozelo ao longo da carreira, além do joelho.

Wilshere pela seleção inglesa contra a Itália, na Copa 2014 (Adam Pretty/Getty Images)

Foram 197 jogos pelo Arsenal no total, com 14 gols e 30 assistências. Foi no Emirates que viveu o seu auge como jogador, atuando também na seleção inglesa de 2010 até 2016, na Eurocopa daquele ano. Foram 34 jogos com a camisa da Inglaterra, com dois gols marcados.

Esteve no elenco dos Three Lions que foram ao Brasil, em 2014. Jogou duas partidas, contra Itália e Costa Rica. Os ingleses acabaram eliminados ainda na fase de grupos. Jogou também na Euro 2016, participando de três dos quatro jogos da equipe, inclusive na eliminação para a Islândia, nas oitavas de final. Aquele foi o seu último jogo com a camisa da Inglaterra.

No West Ham, para onde se transferiu rem 2017, não conseguiu ter a continuidade que se esperava. Foram apenas 18 jogos com a camisa dos Hammers de julho de 2018 até ser dispensado em outubro de 2020. Assinaria com o Bournemouth novamente em janeiro de 2021 e ficou até o fim da temporada. O time brigou pelo acesso, mas viu do banco de reservas a equipe perder a disputa para o Brentford, que foi quem subiu. Acabaria dispensado ao final da temporada.

Wilshere em atuação pelo Aarhus em abril de 2022 (CLAUS BECH/Ritzau Scanpix/AFP via Getty Images)

Sua última tentativa foi em fevereiro deste ano, quando assinou com o Aarhus. Foram 14 jogos pelo clube dinamarquês, nenhum gol marcado e três assistências. Seu último jogo foi no dia 21 de maio, pelo Campeonato Dinamarquês, contra o Nordsjaelland. Um empate por 2 a 2 que ele entrou no segundo tempo e jogou 29 minutos.

“As palavras nunca farão justiça ao amor e agradecimento que tenho pelo chefe, Arsène Wenger, Pat Rice e Boro Primorac. Sem a sua confiança, apoio e orientação desde o primeiro dia que nos conhecemos, eu não seria capaz de fazer parte da família do Arsenal. Sou eternamente grato a todos vocês”, disse Wilshere.

Wilshere deixa o futebol depois de ter impressionado na primeira metade da sua carreira e vivido um declínio rápido e brutal na segunda metade. Se aposenta aos 30 anos, o que é muito cedo para um jogador, mas a sensação é que o seu auge passou há muitos anos. De qualquer forma, pode se gabar de ser o mais jovem a estrear pelo Arsenal até hoje, ter jogado uma Copa do Mundo e ter atingindo o alto nível, ainda que um auge que não tenha chegado ao nível que se esperava e nem tenha durado tanto tempo assim.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo