Inglaterra

Porcos voltaram a voar no empate com o Charlton que rebaixou o Coventry

As torcidas de Charlton e Coventry City juntaram forças no duelo entre as equipes no primeiro turno da League One, terceira divisão da Inglaterra, para protestar contra os seus respectivos donos. Atiraram três mil porcos ao gramado na vitória por 3 a 0 dos Addicks. As equipes voltaram a se encontrar nesta sexta-feira e empataram por 1 a 1. E os porcos voltaram a voar.

LEIA MAIS: Sheffield United levará um pouco mais de tradição e paixão à segundona inglesa

Porque, afinal, a situação mudou muito pouco desde o começo da temporada. O Charlton, cujo dono é o empresário Ronald Duchätelet, proprietário de outros quatro clubes ao redor da Europa, fez mais uma campanha medíocre e está em 15º lugar da League One, a três rodadas do fim. O Coventry City foi ainda pior: o empate confirmou seu retorno à quarta divisão pela primeira vez em 58 anos. Dista dez pontos da saída da zona de rebaixamento. Restam nove a serem disputados.

O começo da partida atrasou por causa das centenas de porcos de plástico que tomaram conta do gramado, enquanto parte do estádio cantava “Queremos SISU (empresa dona do Otium Entertainment Group, que controla o Coventry) fora”, e a outra bradava “Queremos Roland fora”.

Os itens foram retirados do campo, o árbitro chamou os jogadores para começar a partida e, com 16 segundos de bola rolando, mais porcos foram jogados das arquibancadas. O jogo foi paralisado para uma segunda limpeza e, no total, atrasou aproximadamente dez minutos.

Quando ele finalmente começou, George Thomas colocou os donos da casa em vantagem, aos 28 minutos do primeiro tempo, mas esperanças de salvação desapareceram quando Patrick Bauer empatou, aos 9 da segunda etapa.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo