O ampliou a lista de feitos em sua excepcional temporada, com uma classificação notável na . Os Saints foram capazes de eliminar o , que, se não atravessa meses tão confiáveis assim, vinha em recuperação e era o atual dono da taça na FA Cup. O time de Ralph Hasenhüttl fez uma excelente atuação no Estádio St. Mary’s, sobretudo no primeiro tempo, em que abriu o placar e criou chances para mais. Já na segunda etapa, os Gunners não conseguiriam reagir, com o triunfo por 1 a 0 dos anfitriões. Passam às oitavas de final, encarando o Wolverhampton na próxima fase.

Em dezembro, Southampton e Arsenal haviam empatado pela Premier League. E os treinadores trataram a partida deste sábado de maneiras diferentes. Os Saints mantiveram seus principais destaques entre os titulares, enquanto os Gunners vieram com uma equipe bem mais recheada de reservas. Tais diferenças ficaram evidentes desde os primeiros minutos, com os anfitriões mais perigosos. James Ward-Prowse quase fez um gol olímpico, acertando o travessão, e logo Che Adams exigiu boa defesa de Bernd Leno. Quando o Arsenal poderia ter respondido, numa bola alçada para Gabriel Martinelli, o garoto desperdiçou uma chance enorme.

O Southampton se manteve em cima e abriu o placar aos 24 minutos. Kyle Walker-Peters cruzou da direita e, na tentativa de afastar, Gabriel Magalhães desviou contra as próprias redes. A bola passou por baixo de Leno e morreu no gol. O Southampton se manteve mais intenso na partida mesmo com a vantagem estabelecida. Pressionava o Arsenal e não tinha receio para arriscar a gol. Ward-Prowse comandava as ações, em grande apresentação. Já o Arsenal mal respondia, sem muita qualidade no ataque. Os Gunners erravam demais a construção das jogadas e não testariam muito o goleiro Fraser Forster.

Quem esperava que o Arsenal acordasse na volta do intervalo se enganou. O Southampton permaneceu levando mais perigo e quase ampliou com Danny Ings. O atacante arrancou pela direita e saiu de frente para o gol, mas apenas acertou a trave. Quando os Gunners tentavam algo, a defesa conseguia bloquear. As primeiras alterações de Arteta aconteceram aos 13 minutos, com as entradas de Thomas Partey e Bukayo Saka, que até pareciam mais ligados. Gabriel Martinelli saiu, em tarde apagada.

No entanto, o Arsenal não produziria tanto assim para arrancar o empate. A marcação do Southampton mantinha a segurança e o time da casa parecia capaz de ampliar, através de sua velocidade nos contra-ataques. Raras vezes os londrinos podiam atacar com espaços e, quando Eddie Nketiah saiu de frente para o gol, Forster realizou ótima defesa com o pé. Aos 35, o atacante teria outra chance numa sobra do goleiro, mas Ward-Prowse salvou em cima da linha, em lance depois anulado por impedimento. Nem o abafa no fim funcionou, diante da imprecisão dos Gunners.

A eliminação na Copa da Inglaterra não surpreende pelas escolhas de Arteta ao seu time titular, mas ainda assim foi uma partida bem modorrenta do Arsenal. Agora, a equipe precisará se concentrar mesmo na recuperação dentro da Premier League e na Liga Europa. Já o Southampton vê uma oportunidade de seguir conseguindo reconhecimento, diante da queda de desempenho na Premier League e das dificuldades para se aproximar da zona de classificação às copas europeias. Mesmo em semanas instáveis, ainda segue um time competitivo e com boa mentalidade a jogos importantes.