Inglaterra

‘Mudryk não tem valor, é uma causa perdida’: Ídolo do Chelsea detona atacante ucraniano

Frank Leboeuf, zagueiro campeão pelo clube inglês nos anos 90, não vê retorno no atacante ucraniano, contratado por 70 milhões de euros em 2023

Desde 2003, quando foi comprado por Roman Abramovich, o Chelsea se tornou um time que gasta muito nas janelas de transferências. Isso não mudou sob comando de Todd Boehly, dono dos Blues há mais de dois anos.

Um estudo de fevereiro deste ano divulgado pelo Observatório do Futebol (CIES Football Observatory), mostrou que o clube inglês investiu 2,5 bilhões de euros em contratações nos últimos 5 anos, o líder no quesito.

Um desses reforços, considerados polêmicos pelo alto valor e (ainda) não tanto retorno, é o ucraniano Mykhaylo Mudryk.

Contratado em janeiro de 2023 após leilão com o rival Arsenal, o ponta esquerda ainda não engrenou com a camisa azul de Londres e agora foi detonado por Frank Leboeuf, ex-jogador do Chelsea, em entrevista à casa de apostas BoyleSports.

Leboeuf diz que não pagaria nem 1 milhão por Mudryk e aponta prejuízo do Chelsea

O zagueiro Frank Leboeuf, então no Chelsea, com a taça da Recopa Europeia de 1998, competição da Uefa já extinta
O zagueiro Frank Leboeuf, então no Chelsea, com a taça da Recopa Europeia de 1998, competição da Uefa já extinta (Foto: Icon Sport)

Ex-zagueiro com passagem de cinco anos em um Chelsea ainda não tão badalado nos anos 90, Leboeuf fez parte do elenco bicampeão da Copa da Inglaterra e uma vez Taça da Liga Inglesa e da extinta Recopa Europeia.

Ou seja, é um jogador vencedor e com certo lugar de fala pela representatividade na história da equipe londrina. Segundo o francês, Mudryk, mesmo já há um ano no clube, pouco evoluiu e deve ser um prejuízo aos Blues.

Mudryk já não tem valor nenhum. É uma causa perdida, e o Chelsea não fará dinheiro nenhum com ele. Está muito maduro e não tem melhorado com vários treinadores. Quem é que vai querer comprar? Neste momento, não o compraria por dez milhões de euros. Aliás, nem por um milhão de euros o compraria. Por que alguém iria querer gastar dinheiro num jogador que não é, de forma alguma, produtivo?- disparou Leboeuf.

Frank ainda criticou o valor investido no jovem, comparando ao que foi pago nele em 1996, apesar de ponderar que o ucraniano vê seu país sendo invadido pela Rússia em uma guerra que se estende desde 2022.

– Ele está no clube há 18 meses e sei que tem sido difícil para ele, dadas as circunstâncias na sua casa na Ucrânia, mas, julgando pelo que tenho visto, seriamente me preocupa que o Chelsea tenha contratado um fracasso em Mudryk, devem substituí-lo. Eu fui comprado por dois milhões em 1996 e na altura achei que era muito! Ele foi comprado por 70 milhões de euros ou algo assim, é de loucos – completou.

Por que Mudryk (ainda) não deu certo no Chelsea?

Há muitas causas por trás do insucesso de Mudryk até aqui nos Blues.

Obviamente que a grande promessa da Ucrânia nos últimos não esqueceu de jogar bola. Ainda é o ponta que impressionou pela velocidade, drible e qualidade técnica, capaz de ter alta participação em gols.

Porém, o contexto do Chelsea não é dos melhores. Nesse um ano e meio, o atacante teve três técnicos diferentes (Graham Potter, Frank Lampard e Mauricio Pochettino) e irá para o quarto em 2024/25 (Enzo Maresca).

Pela falta de continuidade de uma ideia de jogo, o Chelsea terminou a Premier League 22/23 em 12ª colocação e, apesar da melhora na temporada passada (6º lugar), a gestão optou por interromper o trabalho de Pochettino.

Tudo isso, além do contexto da Ucrânia citado por Leboeuf, obviamente atrapalharam a adaptação do jovem, chegando em um país novo logo após completar 22 anos.

Números de Mudryk pelo Chelsea:

  • 58 jogos (31 como titular), 7 gols e 4 assistências

Com contrato inacreditável até 2031 (firmado como uma manobra para amortizar o alto valor investido), não há muita opção para o Chelsea a não ser tentar resgatar Mudryk.

Por isso, ainda é cedo para abrir mão de um jovem promissor, também considerando que o clube provavelmente perderia muito do dinheiro se tentasse vender agora, em baixa.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo