Inglaterra

Plano de demissão voluntária, veto ao home office… Nova gestão causa choque de realidade no Manchester United

Medida tem como objetivo reduzir custos para organizar as finanças do clube

Funcionários da parte administrativa do Manchester United receberam um e-mail nada agradável nesta terça-feira. Os colaboradores foram comunicados que terão um prazo de até uma semana para definir se continuarão no clube ou não.

Segundo matéria publicada pelo The Athletic, os funcionários que aceitarem a oferta de demissão voluntária até cinco de junho terão direito ao pagamento de seu bônus anual, e deverão cumprir o aviso prévio trabalhando presencialmente.

A medida faz parte da reestruturação financeira implementada por Jim Ratcliffe, novo sócio do clube, que está tentando diminuir os custos operacionais do Manchester United. Outra norma implementada pelo novo acionista é que o trabalho home-office será proibido.

Com isso, todos os funcionários devem retornar aos escritórios em Old Trafford, Londres, ou no Centro de Treinamento, em Carrington, a partir do dia primeiro de junho. Aqueles que não aceitarem os termos propostos pela nova administração, devem anunciar sua intenção de sair do clube.

United visa reduzir custos para aumentar investimento no elenco

Jim Ratcliffe tem como maior objetivo dentro do United devolver o protagonismo do clube no futebol europeu. Para isso, está procurando cortar gastos e conta com o trabalho de uma consultoria especializada, a Interpath Advisory, para revisar os custos operacionais.

A ideia é reduzir o pessoal da parte administrativa, focando em melhorias no futebol, para que esta economia de recursos seja também utilizada na contratação de jogadores para o elenco.

Além disso, o corte de gastos com pessoal visa encaixar as finanças do Manchester United nos padrões financeiros da Uefa e da Premier League, evitando sanções e problemas em contratações de atletas no futuro.

Novo acionista cobra comprometimento de funcionários

Jim Ratcliffe chegou para mudar o United, não só dentro, mas fora de campo. Para ele, tudo deve funcionar bem no clube, e até mesmo a falta de organização em Old Trafford e em Carrington gerou um descontamento.

O novo acionista do Manchester United enviou um e-mail a todos os funcionários, destacando a falta de cuidado com as instalações, descrevendo como “vergonhosa” a ausência de cuidado com o patrimônio da equipe inglesa.

Ratcliffe ainda reiterou que o baixo desempenho das atribuições poderia levar ao cancelamento de algumas regalias como festas de Natal, entre outras bonificações.

As mudanças radicais de Ratcliffe no Manchester United

  • Plano de demissão voluntária para os funcionários do setor administrativo;
  • Os que ficarem, devem adotar o trabalho presencial;
  • O clube pediu um auxílio de 20 libras (R$ 132) a cada funcionário que desejou viajar para ver a final da Copa da Inglaterra;
  • Diferentemente de outros anos, o United não ofereceu refeição a quem quis viajar para ver a decisão da competição em Wembley;
  • Mudanças pretendem diminuir os custos no clube para conseguir investir em contratações na próxima janela de transferências.
Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Lucas de Souza é jornalista formado pela Universidade São Judas em São Paulo. Possui especialização em Marketing Digital pela Digital House, e passagens pelos sites Futebol na Veia e Futebol Interior.
Botão Voltar ao topo