Bernd Leno fez cruciais com a bola rolando e na disputa de pênaltis na vitória do Arsenal sobre o Liverpool, nos pênaltis, após o 0 a 0 no tempo normal das oitavas de final da Copa da Liga Inglesa. Foi um espelho do duelo entre os dois clubes pela mesma competição na temporada passada, com roteiro e resultados invertidos.

Arsenal e Liverpool empataram por 5 a 5 nessa mesma fase em 2019, mas quem prevaleceu nos pênaltis foram os Reds. Desta vez, também houve empate no tempo normal, mas em um jogo muito mais travado, com poucas chances e nenhum gol marcado. No fim, os Gunners revidaram e aproveitaram duas defesas de Leno a partir da marca do cal para avançarem às quartas de final.

Klopp manteve a promessa de misturar jovens com jogadores mais estabelecidos e escalou Van Dijk e Salah entre os titulares, embora nenhum dos dois tenha terminado o jogo, apesar do impasse no placar, com James Milner na lateral esquerda, Marko Grujic no meio-campo e Diogo Jota e Minamino completando o ataque. O Arsenal foi até mais reserva, com Nicolas Pépé, Edward Nketiah e Joseph Willock no ataque, Bukayo Saka, Granit Xhaka e Dani Ceballos no meio e uma defesa com Cédric Soares, Rob Holding, Gabriel e Dead Kolasinac.

As equipes trocaram boas chances nos primeiros 15 minutos. Pépé escapou pela esquerda e rolou para trás. Willock emendou para Nketiah. Cara a cara com Adrián, o jovem atacante inglês se enrolou todo e permitiu que o goleiro do Liverpool saísse bem para desarmá-lo. Pouco depois, Jota recebeu o passe pela esquerda e cruzou baixo para Grujic chegar batendo. Mandou para fora.

O restante do primeiro tempo foi bem travado até o último minuto, quando Diogo Jota apareceu na segunda trave para completar de cabeça. Leno fez a primeira das suas grandes defesas e, no rebote, com o gol vazio, Minamino bateu no travessão.

Os primeiros 20 minutos da etapa final foram quando Leno realmente brilhou. Defendeu uma batida de Van Dijk da entrada da pequena área, depois um chute de fora da área de Grujic, uma batida de frente de Diogo Jota, que matou bonito a bola no peito, e depois uma testada do volante sérvio. No outro lado, Adrián também mostrou bons reflexos para espalmar uma tentativa de cabeça de Rob Holding.

O Liverpool subiu um pouco o nível no segundo tempo e controlou mais as contra um Arsenal que dependeu demais de contra-ataques para ameaçar Adrián, mas mesmo os donos da casa não foram capazes de criar tantos lances de perigo e, antes do apito final, um chute para fora de Pépé ficou mais ou menos perto de dar a vitória antecipada aos Gunners – mas não muito também.

Os primeiros cinco batedores cobraram bem os seus pênaltis. Milner, Wijnaldum e Minamino para o Liverpool, Lacazette e Cédric para o Arsenal. Elneny foi o primeiro a vacila, com uma batida cruzada à meia-altura que o goleiro adora defender. Origi, porém, copiou o colega de profissão, bateu exatamente igual e parou em Leno. Maitland-Niles empatou para o Arsenal.

Curtis Jones fez 4 a 3 para o Liverpool, e Pépé deslocou Adrián para empatar. Harry , geralmente bom na bola parada, bateu cruzado e rasteiro, mas Leno foi buscar. O pênalti da vitória esteve nos pés de Willock, que não bateu muito bem. A bola, porém, pegou em Adrián e entrou.

O Arsenal perdeu do Liverpool na última segunda-feira, pela Premier League, mas está com um bom retrospecto contra o atual campeão inglês. Derrotou-o pelo segundo turno da última liga nacional, também prevaleceu nos pênaltis na da Inglaterra e, agora, na Copa da Liga Inglesa.

.

.