InglaterraPremier League

Gerrard teve possivelmente seu último grande momento na Premier League contra o Chelsea

Antes do jogo contra o Chelsea que poderia decidir a sobrevivência do Liverpool na briga pela vaga na Champions League, José Mourinho colocou Gerrard em evidência. Exaltou os feitos do camisa 8 e revelou que, por onde passou, sempre quis levar o ídolo dos Reds consigo. Contentou-se em ter o inglês apenas como adversário e, neste domingo, durante o empate em 1 a 1 entre as duas equipes, viu seu reconhecimento ao oponente se espalhar nas arquibancadas do Stamford Bridge, que ficou de pé para aplaudir Stevie G em sua saída de campo. Uma das últimas grandes cenas de Gerrard na Premier League.

VEJA TAMBÉM: Mourinho: “Tentei trazer Gerrard ao Chelsea, à Inter, ao Real. É meu inimigo preferido”

O duelo valia muito mais para o Liverpool do que para o Chelsea. Já campeões, os Blues jogavam apenas pelo duelo em si, para poder se vangloriar de uma vitória contra um adversário tradicional. Para os Reds, que foram a campo sete pontos atrás do quarto colocado Manchester United, valia a continuidade do sonho de alcançar uma vaga para a Liga dos Campeões para a próxima temporada. Apesar da motivação ser muito maior para os comandados de Brendan Rodgers, foram mesmo os de Mourinho que tomaram a dianteira. Em cobrança de escanteio de Fàbregas, Terry subiu mais alto que a defesa do time de Merseyside e, aos cinco minutos de partida, abriu o placar de cabeça.

O Chelsea manteve o domínio do jogo nos 20 minutos seguintes, tocando com paciência a bola à espera de uma brecha na defesa do Liverpool. Ela não veio, e, em vez disso, foram os Reds quem passaram a crescer, avançando no campo e começando a criar chances de gol. A resposta definitiva veio apenas aos 44 minutos, com Gerrard, também de cabeça, igualando o marcador.

Empolgado pelo gol no fim do primeiro tempo, o Liverpool voltou do intervalo com bastante volume de jogo e exercendo uma pressão impressionante sobre o Chelsea nos 15 minutos iniciais da segunda etapa. A mudança no panorama da partida fez até Mourinho levar a campo Matic, para ajudar a conter as ofensivas dos Reds – o time londrino foi a campo inicialmente com uma equipe mista.

Se o primeiro tempo já havia sido interessante, o segundo tempo foi elétrico. Com Coutinho, Lallana e Sterling o Liverpool chegava rápido ao ataque, mas em contrapartida tinha dificuldades para parar as subidas de Hazard e, principalmente, Willian, que em diversas oportunidades levou a melhor sobre a marcação de Glen Johnson, improvisado na lateral esquerda. O grande volume de jogo e as diversas chances criadas acabaram não se convertendo em gols, e o placar do primeiro tempo foi mesmo o resultado final. Talvez o mais próximo a que o Liverpool chegou de, de fato, conseguir a virada foi um chute fraco de Coutinho, desviado por Cahill, que quase enganou Courtois.

A grande história do jogo poderia ter sido sobre como os Reds conseguiram acabar com a invencibilidade do Chelsea em casa nesta Premier League, sobre como bateram os já campeões ingleses para manter vivo o ainda difícil sonho da vaga na Champions. Nada disso se concretizou, e a grande cena do duelo ficou em torno de Gerrard mesmo. Além de ter feito o gol do Liverpool, o capitão foi aplaudido de pé pelo Stamford Bridge quando, aos 34 do segundo tempo, retirou a braçadeira, a entregou a seu sucessor Henderson e deixou o campo para a entrada de Lucas Leiva.

Se durante todo o jogo a torcida dos Blues não perdeu a oportunidade de tirar sarro do ídolo do Liverpool pelo emblemático lance do escorregão da temporada passada, na hora em que o camisa 8 encerrava sua participação no duelo, o que se viu foi respeito. Respeito a quem já fez muito pelo futebol inglês, a quem diretamente contribuiu com a seleção e com a imagem da Premier League, a representando muito bem em 2005, por exemplo, na conquista da Champions League. Se o que Mourinho objetivava com suas declarações durante a semana era criar uma atmosfera familiar para Gerrard no Stamford Bridge, a torcida do Chelsea entendeu bem seu recado. Gerrard partirá para os Estados Unidos ao fim da temporada, deixando uma legião de fãs entre os torcedores do Liverpool e uma boa porção de admiradores entre os rivais.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo