InglaterraPremier League

Everton dará o melhor presente de Natal a menino que já passou por 15 cirurgias no cérebro

Denver Fay tem apenas nove anos, mas já enfrentou batalhas duríssimas ao longo de sua curta vida. O garoto passou por 15 cirurgias no cérebro desde o nascimento, por sofrer de hidrocefalia e da síndrome de Arnold-Chiari – doenças que causam a compressão de seu sistema nervoso. Mas, apesar das dificuldades, o menino não vai para a mesa de operações há dois anos. E recebeu neste Natal um grande presente para seguir em frente. Entrega especial do Everton, clube pelo qual o inglesinho torce.

VEJA TAMBÉM: Benfica distribuiu chuteiras a meninos carentes e gerou uma das cenas mais tocantes deste Natal

Denver ganhou uma carta ao lado do irmão Kyle, de 10 anos – também fanático pelos Toffees, e o grande companheiro do caçula em sua caminhada. Ambos mal puderam conter as lágrimas ao descobrir o que viverão. Ambos foram convidados pelo Everton para acompanhar o próximo jogo do clube pela Copa da Inglaterra, contra o Dagenham and Redbridge. Além de assistirem à partida em lugar especial no Goodison Park, os garotos também irão se encontrar com alguns dos protagonistas da equipe: Lukaku, Baines e Jagielka.

“Querido Kyle, é tempo para um pouco da magia do Natal. Por tudo o que você é e por tudo o que você faz, esse presente é especial para um fantástico azul. Você tomou conta de seu irmão nos dias mais escuros, você o fez gargalhar e sorrir com seu jeito especial. Você é um menino muito especial e generoso, sua mãe e seu pai são muito orgulhosos de você”, dizia o conteúdo, escrito pela família. “Denver, por tudo o que você tem atravessado, você tem sempre mantido um sorriso, você faz os nossos corações se sentirem felizes, assim como você nos empurrou neste caminho – você não tem tido uma estrada fácil, mas luta por cada passo com força e orgulho”. Ao final, a surpresa. Que deverá render cenas ainda mais bonitas na visita ao estádio.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo