InglaterraMundial de ClubesMundoPremier League

Europeu está pouco se lixando para o Mundial? Tente dizer isso para Ryan Giggs

Barcelona e River Plate enfrentam-se na final do Mundial de Clubes neste domingo com duas perspectivas diferentes. Para os catalães, seria legal adicionar mais um título à extensa galeria, enquanto para os argentinos a vitória seria fonte de orgulho incomparável. Não é segredo para ninguém que os sul-americanos dão muito mais valor ao torneio do que os europeus, mas uma figura importante do futebol do Velho Continente, em particular, vê bastante grandeza na competição e gostaria que ela fosse mais valorizada entre seus colegas. Ryan Giggs é um defensor das credenciais que uma conquista no Mundial dá aos vencedores.

VEJA TAMBÉM: Barcelona volta à final do Mundial para encontrar um clube que já lhe serviu de escola

Em entrevista ao site oficial da Fifa, Giggs reconheceu que os europeus dão mais valor à Champions League do que ao Mundial, mas argumentou que a caminhada necessária para se chegar à disputa intercontinental pode tornar a competição maior do que a Liga dos Campeões. “Embora seja chamado de Mundial de Clubes, os jogadores europeus parecem ver a final da Champions League como maior. Mas é mesmo? Para vencê-lo (o Mundial), você tem que fazer tanta coisa. E você enfrenta um time, normalmente da América do Sul, que definitivamente quer vencer. Eles percebem o quão grande é e que é sua chance de vencer os campeões da Europa. Então, é um desafio enorme”, explicou.

Tomando como exemplo sua conquista em 1999, pelo Manchester United, derrotando o Palmeiras na decisão, o galês contou que os próprios atletas dos Red Devils não tinham dimensão da importância do Mundial. Até que uma conversa com o lendário técnico Alex Ferguson mudou a visão de todos. “Para nós, acho que mesmo os jogadores não estavam conscientes do quão grande era antes (de disputarmos). Quando chegamos lá, o Sir Alex colocou isso em nossa cabeça. Disse-nos que o United nunca havia vencido e que poderíamos ser os primeiros (britânicos a vencer). Se os rapazes ainda não sabiam o quão importante o jogo era, ele garantiu que todo mundo soubesse”, revelou o ex-jogador.

“Naquela ocasião, o Sir Alex definitivamente nos deixou mais focados sobre o quão importante isso era não apenas para o Manchester United, mas também para o futebol inglês. Ele ressaltou a necessidade de sermos campeões do mundo dizendo: ‘Não há muitos times que tiveram essa chance. Você pode não conseguir essa chance novamente, então certifique-se de vencer’”, completou.

Como os palmeirenses gostam de lembrar, apesar da amargura da derrota, Giggs recordou da final com os brasileiros dizendo que, em vários momentos do jogo, o time comandado por Felipão foi superior aos Red Devils. Falou também do sentimento de vencer pela segunda vez o Mundial, contra a LDU, definindo como um prazer semelhante ao de vencer a Champions.

“Contra o Palmeiras, em 1999, por grande parte do jogo eles foram o melhor time. Eles definitivamente foram melhores antes de Roy Keane marcar. Depois daquele gol, dominamos e poderíamos ter feito mais dois. Eu fui escolhido como o melhor em campo, mas não acho que eu tenha merecido. O Mark Bosnich nos salvou em duas ocasiões. Depois que vencemos a LDU em 2008, pude aproveitar muito mais. De muitas maneiras, dá para comparar com o prazer que senti depois de vencer a Champions League pela segunda vez. Diverti-me muito vendo a euforia dos outros jogadores. Havia uma percepção maior do que havíamos conquistado. Foi uma sensação inacreditável.”

O desinteresse particular dos ingleses no Mundial, na opinião de Giggs, acontece pelas participações escassas dos times do país na competição. O galês acredita que seria uma questão de costume, que poderia mudar com o passar do tempo. E cita um ex-companheiro de time como exemplo de como um inglês pode apreciar a conquista. “Se os times ingleses vencerem mais, talvez os torcedores daqui conheçam mais sobre o torneio. Mas se os times não vencerem tanto, é ainda mais especial e destacado quando alguns conseguem. Acho que o Rio Ferdinand deu uma entrevista dizendo que era o sucesso de que ele mais tinha orgulho, pelo que ele fez para conseguir. Eu definitivamente assinaria embaixo disso. É uma conquista enorme”, opinou o antigo camisa 11 do United.

Embora a percepção que os europeus têm do Mundial dificilmente mude nos próximos anos, é interessante ver a opinião de um dos maiores jogadores da história do continente em defesa da importância do torneio. É verdade que não é como se Giggs tivesse deliberadamente ido a público, por iniciativa própria, em defesa da competição. Essas suas falas existiram pelo fato de o site da Fifa entrevistá-lo, em meio à disputa do Mundial, como forma de promover o torneio. Ainda assim, as respostas do galês parecem sinceras demais para serem ignoradas.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo