Copa da Inglaterra

Como o Manchester United conseguiu vencer o Liverpool na Copa da Inglaterra?

Por mais que o sistema de Erik ten Hag pareça uma bagunça, o Manchester United tem méritos por bater o Liverpool na Copa da Inglaterra

No clássico de gigantes, quem se deu melhor nas quartas de final da Copa da Inglaterra foi o Manchester United, que venceu o Liverpool por 4 x 3 no último domingo (17), na prorrogação, em Old Trafford. O placar dá uma ideia do quão animada foi a partida, que rendeu emoção até o último minuto (literalmente). E quem olha as temporadas contrastantes de Red Devils e Reds se pergunta como o resultado foi esse.

De saída do Liverpool após quase uma década, Jürgen Klopp está na briga pelos títulos da Premier League e da Liga Europa. Por outro lado, o contestado Erik ten Hag vive altos e baixos em seus 18 meses de Manchester United, eliminado na fase de grupos da Champions League e ainda tenta entrar na zona de classificação a competições europeias. Então, como os Red Devils conseguiram vencer os Reds na FA Cup?

Assistir aos jogos do Manchester United em 2023/24 traz uma sensação de que o sistema adotado pelo treinador neerlandês pareça uma bagunça completa. Entretanto, essa ideia de ten Hag não é completamente doida, tanto que se inspira no próprio Liverpool de Klopp. Por mais que os jogadores não assumam o papel esperado dentro de campo, as orientações coletivas baseiam a filosofia dos Red Devils.

Como o Manchester United conseguiu vencer o Liverpool na Copa da Inglaterra?

De acordo com a ferramenta Opta Analyst, o Manchester United não se portou como num esquema 4-2-3-1 com a bola diante do Liverpool. Na verdade, Erik ten Hag montou uma saída de três atletas à frente de Onana, com Lindelof pelo meio, Varane mais à esquerda e Dalot mais à direita. Wan-Bissaka, lateral-direito de origem, ocupou a faixa pela esquerda, se apresentando para o passe logo atrás dos meio-campistas.

Aliás, Mainoo encabeçou o triângulo ajustado com McTominay e Bruno Fernandes. O camisa 8 dos Red Devils, inclusive, apresentou um papel mais construtor, percorrendo áreas perto do círculo central. Na frente, o trio de ataque não tinha um centroavante fixo, já que Rashford, Garnacho e Hojlund trocavam frequentemente de posição entre si. O intuito era confundir a marcação de Jürgen Klopp.

Com isso, como podemos resumir a estratégia dos Red Devils para surpreenderem os Reds? O técnico neerlandês aplicou um modelo rápido e direto. Ou seja, quando o Manchester United estivesse com a posse, a ordem era realizar a transição ofensiva com agilidade e passes verticais (para frente). Supostamente, a ideia era também jogar com intensidade diante do time do treinador alemão.

Justiça seja feita, o Manchester United bebeu da fonte do Liverpool, mas não com a mesma maestria do rival. Contudo, se Erik ten Hag ataca de maneira parecida com os Reds, o mesmo não pode ser dito em relação à defesa. Os Red Devils voltaram a apresentar buracos no meio-campo – algo que não acontece sob o comando de Jürgen Klopp -, o que ajuda a explicar os apuros sofridos na Copa da Inglaterra.

Foto: (Reprodução/homecrowd) - Estrutura de passes do Manchester United contra o Liverpool pelas quartas de final da Copa da Inglaterra
Foto: (Reprodução/homecrowd) – Estrutura de passes do Manchester United contra o Liverpool pelas quartas de final da Copa da Inglaterra

Ousadia mesmo com a chance do perigo iminente

No início das quartas de final da FA Cup, o Manchester United partiu para cima do Liverpool e, não à toa, rapidamente chegou ao gol com McTominay. Entretanto, dali até o empate com Antony (quase no fim do tempo regulamentar), o técnico neerlandês não conseguiu manter a mesma pressão no ataque sobre a equipe do treinador alemão.

Os Red Devils deram um exemplo de ousadia ao aplicar o famoso perde-pressiona. A partir do momento que ficava sem a bola no seu último terço, ten Hag mandava seus seis jogadores de frente a encurralarem os Reds. O problema é que os Reds escapavam com frequência dessa armadilha, o que gerava uma senhora lacuna no meio-campo. Ou seja, um perigo iminente de subida rápida de Klopp contra os quatro defensores.

Apesar disso, o Manchester United parece ter aprendido com seus erros, pois não repetiu o que fez contra o Manchester City. Contra os Citizens, os Red Devils fizeram o gol e recuaram todas suas linhas em bloco baixo para defender sua área. Um convite e tanto para Pep Guardiola, que gosta de jogar com a posse de bola, sua principal arma para furar bloqueios dos rivais – vencendo o técnico neerlandês na Premier League.

Na Copa da Inglaterra, Erik ten Hag soube aproveitar os contra-ataques para castigar Jürgen Klopp e companhia, principalmente na prorrogação. Agora, o Manchester United precisa mostrar mais consistência nesta reta final de temporada. Quem os Red Devils querem ser: o time que pressionou o Liverpool nos minutos iniciais das quartas de final da FA Cup, ou a equipe amassada pelo Manchester City na Premier League?

Foto de Matheus Cristianini

Matheus Cristianini

Formado em Jornalismo pela Unesp, é apaixonado por esportes, acima de tudo futebol. Ama escrever sobre o que acontece dentro e fora de campo. Após passar por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia, se juntou à equipe da Trivela com muita vontade de continuar crescendo.
Botão Voltar ao topo