Copa da Inglaterra

Classificação épica do Coventry City frente ao Wolverhampton na Copa da Inglaterra foi um privilégio aos olhos

Equipe da segunda divisão inglesa, Coventry City venceu o Wolverhampton com dois gols nos acréscimos no Molineux Stadium

O Coventry City, time da segunda divisão inglesa, foi recompensado pela coragem e ousadia contra o Wolverhampton. Neste sábado (16), os Sky Blues enfrentaram os Wolves — e as arquibancadas lotadas do Molineux Stadium –, pelas quartas de final da Copa da Inglaterra, e venceram de virada por 3 a 2, nos acréscimos da partida. O triunfo do Coventry marcou a zebra na semifinal.

A última vez que as equipes haviam se enfrentaram no Molineux foi em outubro de 2013, há mais de uma década. Naquela ocasião, pela 3ª divisão inglesa, Wolves e Blues empataram por 1 a 1. Na temporada 2013-2014, os Wanderers conquistaram o título do campeonato, com uma quantidade recorde de pontos, e deram o pontapé inicial na ascensão rumo à Premier League.

Aquela temporada também foi fundamental para o Coventry, que se agarrou ao status alcançado na temporada. A equipe cresceu muito desde então, chegando perto da promoção à elite. Agora, dez anos depois, garantiram a classificação na Copa da Inglaterra em um confronto épico.

Os cruzamentos da semifinal serão definidos por meio de sorteio.

Virada épica

De forma geral, o Coventry teve mais oportunidades do que o Wolverhampton ao longo dos 90 minutos. Isso porque o time da casa demorou a encontrar espaços, sofreu com a forte marcação dos adversários e ainda pecou muito na troca de passes. Os Sky Blues abriram o placar com Ellis Simms apenas no segundo tempo, numa jogada polêmica, confirmada pelo VAR. No entanto, os Wolves não desistiram e empataram com Rayan Ait-Nouri, já perto do fim da partida.

Por fim, perto dos acréscimos, a loucura começou. Num contra-ataque matador, Hugo Bueno fez o segundo dos donos da casa. E o gol poderia marcar a classificação do Wolverhampton, mas a ousadia da equipe-zebra foi impressionante. Quando o relógio já apontava mais de 90 minutos, Ellis Simms apareceu novamente para deixar tudo igual no placar. Num cruzamento, Bobby Thomas desviou e Simms ficou sozinho no segundo poste para igualar.

Com a prorrogação em jogo, os Wolves sentiram o baque. Foi quando a bola caiu para Haji Wright fora da pequena área, após Maximilian Kilman encontrar um ótimo passe. O camisa 11 tinha apenas uma chance de finalizar (e precisava de muita precisão). A conclusão foi perfeita, sem chances de defesa para José Sá. Uma virada épica.

Treinador do Coventry confiava na “zebra”

Historicamente, o Coventry tem mais vitórias sobre o Wolverhampton. No retrospecto, são 28 vitórias do Sky Blues, 21 dos Wolves e 16 empates. O treinador Mark Robins sabia que o embate seria muito difícil, mas confiava no resultado positivo para sua equipe.

— É uma tarefa difícil, embora os Lobos tenham muitas lesões. Eles têm muita qualidade e só temos que esperar poder jogar bem o suficiente para conseguir um bom resultado para eles e seguir em frente. Sim, é um jogo brilhante. Você tem poucas oportunidades de jogar jogos como esse durante sua carreira, então você tem que tirar o melhor proveito disso e tentar o máximo que puder, como sempre fazemos, para tentar passar — afirmou o técnico em coletiva pré-jogo.

— Esses jogos nos dão a chance de jogar contra adversários da Premier League e sentir sua velocidade e qualidade. Como treinador, isso será brilhante. A competição é mundialmente famosa. Queremos ter um bom desempenho todos os anos e ainda estamos tentando compensar o ano passado.

Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo