Copa da Inglaterra

O City transforma um jogo complicado contra o Southampton em goleada e avança na FA Cup

O Southampton deu trabalho em boa parte do jogo, mas as entradas de Foden e Mahrez mudaram a cara do duelo no segundo tempo

O Southampton teve sua dose de valentia, mas não deu. Os Saints peitaram o Manchester City no Estádio St. Mary’s e criaram complicações no duelo pelas quartas de final da Copa da Inglaterra, o que não impediu os visitantes de aplicarem uma goleada. Os Citizens marcaram gols em momentos de dificuldade e, no segundo tempo, contaram com os destaques em seu banco para emplacar os 4 a 1 no marcador. A escalação mista de Pep Guardiola não se saiu mal, mas a diferença que nomes como Phil Foden e Riyad Mahrez fizeram a partir de suas entradas foi expressa. A vaga nas semifinais reforça o favoritismo dos mancunianos.

O Southampton começou a partida buscando os espaços. Tanto é que poderia ter aberto o placar numa bobeira da defesa adversária, aos dez minutos. Adam Armstrong saiu de frente para Zack Steffen e deu um toque leve na saída do goleiro, vendo a bola caprichosamente bater na trave. Dois minutos depois, quando respondeu, o City abriu o placar. A troca de passes fluiu pela direita, até Gabriel Jesus pegar uma sobra e servir a definição de Raheem Sterling. Os Citizens tomaram as rédeas nesse momento, apesar de algumas escapadas dos Saints. Ainda assim, Ilkay Gündogan esteve perto do segundo ao carimbar a trave aos 27.

O City se desligou um pouco mais na reta final do primeiro tempo, quando o Southampton passou a encaixar seus ataques em velocidade e criou algumas jogadas de perigo. O empate saiu aos 47, num lance em que Mohamed Elyounoussi escapou pela direita. Zack Steffen saiu mal do gol e, com o arqueiro fora de posição, o norueguês tentou o passe rasteiro. A bola bateu nas pernas de Aymeric Laporte e entrou contra a própria meta. O jogo perigoso aos celestes expressava isso no placar.

O Southampton começou o segundo tempo acreditando. A equipe adiantava a sua marcação e conseguia travar o Manchester City, com algumas chegadas. Contudo, os celestes ganhariam a chance do segundo aos 17, num pênalti sobre Gabriel Jesus. Kevin de Bruyne assumiu a cobrança e mandou no cantinho, sem que Fraser Forster alcançasse, mesmo acertando o lado. E a escalação dos mancunianos ficaria mais forte, com as entradas de Phil Foden e Riyad Mahrez. Assim, por mais que os Saints não se entregassem, havia mais qualidade do outro lado. A melhor chance do empate veio aos 28, numa batida firme de Che Adams que parou em defesa de Zack Steffen.

A vitória do Manchester City se consolidou aos 31 minutos. Foden assinou a pintura, num ótimo tiro da entrada da área que morreu no canto de Steffen. E a força dos Citizens acabou sublinhada três minutos depois, com o quarto gol. Seria uma jogada construída com muita qualidade, a começar com o cruzamento de trivela de João Cancelo. Gündogan agasalhou no peito e rolou para Mahrez, solto pela direita. O argelino limpou o chute e bateu com esmero no canto. O duelo ficou resolvido, mas ainda com chances do quinto ao City.

Além do Manchester City, outro time classificado neste domingo foi o Crystal Palace. Os londrinos também aplicaram uma goleada, com os 4 a 0 sobre o Everton em Selhurst Park. Marc Guéhi e Jean-Philippe Mateta abriram a contagem no primeiro tempo. Já no fim da segunda etapa, as Águias dobraram a conta com Wilfried Zaha e Will Hughes. No sábado, o Chelsea tinha passado pelo Middlesbrough. Chelsea e Palace se enfrentam em uma das semifinais. Na outa, o City aguarda o vencedor de Nottingham Forest x Liverpool.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo