Copa da Inglaterra

A bola parada salvou o Aston Villa de um empate contra o Middlesbrough na Copa da Inglaterra

Aston Villa visitou o Middlesbrough e quase não foi capaz de furar o bloqueio do time do técnico Michael Carrick

Com alguns reservas, o Aston Villa sofreu muito para furar o bloqueio do Middlesbrough pela 3ª fase da Copa da Inglaterra. A partida no Riverside Stadium, neste sábado (6), ficou só 1 a 0, gol marcado já depois dos 40 do segundo tempo, em jogada ensaiada no escanteio e batida de fora da área de Matty Cash. Apesar da vitória, foi outro desempenho fraco do time de Unai Emery, contrário do que foi visto na primeira parte da temporada.

A vitória derruba uma escrita negativa dos Villans: não venciam pela Copa da Inglaterra desde 2016, caindo há sete edições na terceira fase.

Cheio de lesionados, Emery poupa alguns titulares no Villa

Sem os lesionados Emiliano Buendia, Tyrone Mings, Youri Tielemans, Pau Torres e Lucas Digne, além do convocado Bertrand Traoré pela Burkina Faso para Copa das Nações Africanas, Unai Emery poupou três titulares. Na formação com a bola, a equipe manteve suas características, próximo de um 3-2-5. Os zagueiros Ezri Konsa e Clément Lenglet jogavam ao lado do lateral-direito Matty Cash. A frente deles estava a dupla de volantes Boubacar Kamara e Leander Dendoncker. A linha de ataque contava com Álex Moreno e Leon Bailey dando amplitude pela esquerda e direita, respectivamente, além de Jacob Ramsey, John McGinn e Jhon Durán por dentro. Vale citar algumas trocas de posições, como Kamara se posicionando ao lado da zaga e liberando Cash para atacar.

O Middlesbrough treinado por Michael Carrick, ex-jogador do Manchester United, apostou em uma linha de cinco defensores no momento sem bola para combater os atacantes do Villans. Isaiah Jones era o coringa da formação, pois fechava como ala pela esquerda, mas era um ponta quando a equipe tinha a posse da bola.

Visitante domina a bola, mas sofre para furar bloqueio do Middlesbrough

Dominando a bola nos minutos iniciais, o Villa foi o primeiro a finalizar. Em jogada rápida por dentro, Durán recebeu pela esquerda da área e bateu em cima de Tom Glover, que afastou para escanteio. O Boro, como é conhecida a equipe da casa, conseguia se defender bem e forçava que o visitante jogasse pelos lados do campo, obrigando também uma posse de bola lenta do adversário pela ausência de espaço.

O domínio era tão grande que a dupla de zagueiros do Aston Villa ficava na intermediária ofensiva. Mas, quando tentava passar desse setor, encontrava um batalhão de jogadores de vermelho. Não era só mérito de um bom sistema defensivo montado por Carrick, o visitante basicamente não tinha repertório para atacar e ficava rodando a bola de um lado para o outro.

A partir de meia hora o Villa começou a encontrar alguns espaços. Durán, que havia dado a única finalização certa até ali, mandou uma bomba de fora da área para outra defesa de Glover. Logo após essa chance, o Boro respondeu: se aproveitou de erro adversário, colocou velocidade no contra-ataque e Morgan Rogers, dentro da área, bateu e Emiliano Martínez mandou para escanteio.

O Middlesbrough passou até a ser mais perigoso nos minutos finais, chegando principalmente em ataques pela esquerda, se aproveitando do espaço cedido por Cash. No fim, faltou efetividade para exigir nova defesa de Dibu.

Cash conta com a sorte de um desvio para dar vitória para o Aston Villa

Sem mudanças na equipe, o segundo tempo voltou com Glover fazendo outra grande defesa. Jogada ensaiada no escanteio curto, chegou em McGinn na entrada da área, que bateu colocado de primeira e o goleiro se esticou todo para evitar um golaço, a bola tinha a direção do ângulo.

A bola parada, como quase sempre no Villa, mostraria sua força novamente pouco depois. Escanteio na primeira trave veio em Konsa, desviando e vendo a bola pegar no pé da trave. Na sequência, outro corner, dessa vez cobrado no segundo pau, chegou para Moreno bater de primeira por cima do gol. Os lances seguintes foram de reclamações dos dois lados sobre possíveis pênaltis, mas, vale citar, apenas estádios da Premier League possuem VAR na Copa da Inglaterra.

Carrick identificou a dificuldade do Boro e fez as duas primeiras trocas: o volante e capitão Hayden Hackney e o centroavante Josh Coburn para as entradas do experiente meio-campista Jonathan Howson e do atacante marfinense Emmanuel Latte Lath, respectivamente.

As trocas melhoraram o Middlesbrough, que soube superar aquele sufoco inicial e a partir das substituições se tornou mais perigoso. O Villa trouxe quatro trocas de uma vez para mudar o cenário da partida, colocando Douglas Luiz (por Dendonker), Ollie Watkins, Moussa Diaby e Nicolò Zaniolo.

O time da casa manteve um ímpeto, até chegou a igualar a posse de bola, mas logo passou o controle definitivo do jogo ao Aston Villa. Eles quase marcaram com Zaniolo em tentativa de longe, passando próxima da trave. A chance sobrou para Cash, que na jogada ensaiada de um escanteio curto (mais uma), finalizou de fora da área, a bola desviou e só assim conseguiu, finalmente, superar Glover.

No fim, o Boro tentou pressionar, mas não tinha mais perna para evitar a derrota.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de esports no The Clutch. Como assessor de imprensa, atuou no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo