InglaterraPremier League

Com o brilho de suas promessas, Stoke amplia o jejum e a crise do Manchester United

Mais do que uma data tradicional no esporte, o Boxing Day também marca o evento que dá continuidade à troca de presentes do Natal. Troca. Talvez não haja palavra mais significativa para a torcida do Manchester United neste momento. Cada vez mais, a paciência com Louis van Gaal parece se esgotar. E os Red Devils somaram mais um mau resultado à péssima sequência recente, que inclui a queda de posições na Premier League e a eliminação na Liga dos Campeões. O compromisso deste sábado não era dos mais simples, visitando o Stoke City no Estádio Britannia. Mesmo assim, os Potters ampliam em crise em Old Trafford, graças à vitória por 2 a 0, em grande atuação coletiva.

Em mais uma atuação pouco satisfatória, o Manchester United pagou caro na primeira meia hora de jogo. Foi o momento em que o Stoke City se impôs como mandante e pressionou bastante no ataque. Abriu vantagem graças ao seu talento, mas também com a colaboração dos adversários. Um erro infantil de Memphis Depay deixou o caminho livre para Glen Johnson, que encontrou Bojan Krkic livre na área para inaugurar o placar aos 19 minutos. Já aos 26, após cobrança de falta, Arnautovic ressaltou o seu bom momento ao acertar uma bomba de fora da área, indefensável para David De Gea. Um golaço. O austríaco, principalmente, era quem mais chamava a responsabilidade, embora tenha desperdiçado também algumas chances claras.

Durante o segundo tempo, Van Gaal ainda tentou alterar o comportamento de sua equipe, tirando Wayne Rooney do banco e substituindo Depay. Contudo, a busca pelo ataque não evitou o novo tropeço dos Red Devils. O Stoke conseguia se fechar bem na defesa, ameaçando ainda nos contragolpes. Enquanto isso, o goleiro Jack Butland vivia tarde inspiradíssima, operando três defesas milagrosas. Dá sequência à ótima temporada que faz, entre os melhores da Premier League em sua posição.

Com a vitória, o Stoke City assume provisoriamente a oitava colocação com 26 pontos. Os alvirrubros não têm sido tão regulares em suas atuações, sobretudo no ataque, mas contam com potencial para subir na tabela. Especialmente pelas jovens opções que contam no elenco. Nomes como Bojan, Shawcross e Shaqiri prometiam muito mais em suas carreiras, mas vêm se saindo bem no Estádio Britannia. Destaque na vitória deste sábado, Arnautovic é quem demonstra o maior amadurecimento, após os altos e baixos vividos entre Twente, Internazionale e Werder Bremen. Já Jack Butland, aos 22 anos, permanece em ascensão franca. O goleiro se coloca entre os melhores de sua posição nesta temporada da Premier League e tem qualidade para ascender ainda mais.

A boa atuação do Stoke City, de qualquer maneira, não exime o Manchester United de suas culpas. A falta de criatividade ofensiva impressiona, especialmente para um clube que gastou tanto contratando nomes para os setores de ataque. Neste sábado, as tentativas em vão de Rooney acabaram como insuficiente destaque. Enquanto isso, o clube é apenas o 14º em chutes no alvo da Premier League, o pior desde novembro. Falta de pontaria que se torna uma bola de neve, com pouca efetividade, poucos gols, derrotas e queda na tabela.

O tropeço deste sábado amplia o jejum do United para sete partidas sem vencer – sendo quatro derrotas consecutivas, o que não acontecia desde 1962. O último triunfo da equipe aconteceu há mais de um mês, na visita ao Watford. A recuperação pela queda na Champions é irremediável, embora ainda dê para sonhar com algo em uma Premier League tão equilibrada. Ainda assim, a derrota no Britannia pode derrubar os Red Devils para a sétima posição. O tempo passa, as distâncias aumentam e a tolerância com a falta de resultados de Van Gaal diminui. Em contrapartida, aumenta a pressão sobre o técnico, ainda mais com a disponibilidade de José Mourinho e (em breve) de Pep Guardiola no mercado.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo