Inglaterra

Clube da “Classe de 92” do Manchester United, Salford vence o Portsmouth em Wembley e leva o EFL Trophy

O Salford City costuma receber atenção nas divisões de acesso do Campeonato Inglês, sobretudo dos torcedores do Manchester United. Desde março de 2014, o clube da grande Manchester foi adquirido pela chamada “Classe de 92” – a mais célebre geração surgida nos Red Devils. David Beckham, Ryan Giggs, Paul Scholes, Nicky Butt, Gary Neville e Phil Neville têm 10% das ações cada, enquanto os 40% restantes são de Peter Lim, o polêmico dono do Valencia. Nestes quase sete anos, o Salford conquistou quatro acessos, saindo da oitava divisão para a League Two. E neste sábado, os Ammies ergueram seu mais importante título, em Wembley: derrotaram o Portsmouth nos pênaltis e faturaram o EFL Trophy.

A meta da Classe de 92 é levar o Salford City à Championship em 15 anos, mas talvez consigam antes disso. Os veteranos não estão envolvidos diretamente todos os dias no clube, até por terem outras funções. De qualquer maneira, o resultado do investimento é excelente. Os donos já desembolsaram mais de £5 milhões em estrutura e contratações, conquistando quatro acessos nas cinco primeiras temporadas. Também mudaram as cores do clube para vermelho e branco, numa decisão que não agradou a todos, mas que acabou melhor aceita com o tempo, até pelo impacto do time em campo. Em 2020/21, o Salford disputa a Football League pelo segundo ano consecutivo e faz uma boa campanha na quarta divisão, rondando a zona dos playoffs de acesso.

O EFL Trophy é um tradicional torneio de mata-matas disputado pelas equipes da terceira e da quarta divisão do Campeonato Inglês, além de times sub-21 da elite. Por conta da pandemia, a edição de 2019/20 acabou alongada. E o Salford City fez grande papel em sua primeira aparição no certame. A equipe conquistou a vaga na final ainda em fevereiro de 2020, mas o jogo decisivo acabou postergado em quase um ano por conta da pandemia. Neste sábado, os Ammies puderam erguer o título contra o Portsmouth, um adversário muito mais tradicional e que figura na terceirona. O Pompey havia levado a taça já em 2019, ao derrotar o Sunderland na finalíssima.

Durante o primeiro tempo em Wembley, o Salford City foi amplamente superior e só não abriu o placar porque o goleiro Craig MacGillivray estava inspiradíssimo, com cinco grandes defesas. No segundo tempo, o Portsmouth foi mais perigoso e o arqueiro Václav Hladky também salvou seu time, mas MacGillivray voltou a brilhar num milagre diante de Ashley Eastham. O empate sem gols persistiu na prorrogação, quando os Ammies acertaram a trave, e levou a definição aos pênaltis. Então, Hladky seria mais decisivo, ao pegar o penal de Ronan Curtis e ainda ver o chute para fora de Ryan Williams. O Salford não perdeu uma cobrança sequer e conquistou o triunfo por 4 a 2, que valeu a taça. Giggs, Scholes e Gary Neville estavam nas arquibancadas.

O detalhe curioso no título do Salford City é que o reinado do clube como campeão do EFL Trophy não durará mais do que 24 horas. Neste domingo, a competição já realiza a decisão referente à temporada de 2020/21. Será outro jogo que chama atenção, com o tradicionalíssimo Sunderland tentando um alento à sua torcida contra o Tranmere Rovers.

O EFL Trophy é mais um indicativo de que o Salford City está no caminho certo. Por seu nível de investimento, a escalada nas divisões semiprofissionais naturalmente viria mais rápido, mas os Ammies também causam seu impacto na Football League. Conseguem ganhar um título e se estabelecem na League Two, se afastando do risco de queda. Pela segurança financeira nos bastidores e por contar com donos que entendem do riscado, o Salford parece capaz de subir mais uns degraus em breve. Nada melhor, então, que uma tarde de glória em pleno Wembley – onde já tinham conquistado o acesso à quarta divisão.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo