Inglaterra
Tendência

Chris Wilder será o 16º técnico do Watford em menos de 11 anos de família Pozzo

Ninguém troca de treinador depois de dois meses de resultados ruins que nem os italianos que compraram o clube em junho de 2012

Desde que a família Pozzo comprou o Watford, em junho de 2012, quase duas dezenas de técnicos passaram pelo banco de reservas, e o mais recente será Chris Wilder, que teve uma boa passagem pelo Sheffield United que incluiu um nono lugar na Premier League. Ele foi contratado alguns minutos depois da demissão de Slaven Bilic, que cometeu o pecado mortal em Vicarage Road: teve uma oscilação de resultados, embora continue brigando por vaga nos playoffs de acesso.

Em pouco menos de 11 anos, o Watford foi treinado, sem contar interinos, por Gianfranco Zola, Giuseppe Sannino, Óscar García Junyent, Slavisa Jokanovic, Quique Sánchez Flores, Walter Mazzari, Marco Silva, Javi Gracia, Nigel Pearson, Vladimir Ivic, Xisco Muñoz, Claudio Ranieri, Roy Hodgson, Rob Edwards, Bilic e agora Wilder. São 16 nomes e 17 contratações porque Sánchez Flores teve duas passagens pelo clube do coração de Elton John.

Vale uma ponderação: Oscar García renunciou em menos de um mês por problemas de saúde e foi substituído pelo seu assistente, Billy McKinlay, que comandou apenas duas partidas antes de chegar um novo técnico de fora, Jokanovic. Foi efetivamente interino, embora não tenha sido considerado um quando foi promovido. O número bruto ainda é muito impressionante.

Nenhum desses 16 se aproximou de 100 partidas no comando. O mais longevo foi Zola, o primeiro da era Pozzo, com 75. Desde Gracia, que passou mais de um ano no Watford, entre janeiro de 2018 e setembro de 2019, o Watford teve nove treinadores diferentes – em menos de quatro temporadas. Nenhum chegou a 40 partidas.

O Watford começou essa temporada sob o comando de Rob Edwards. Ele foi anunciado em maio, pouco depois de conseguir o acesso à terceira divisão com o Forest Green Rovers. Foi demitido em setembro, com apenas três vitórias nas primeiras dez rodadas da Championship, e substituído por Bilic. O croata teve uma ótima experiência com o West Ham e conseguiu levar o West Brom à Premier League recentemente. Ficou um ano sem emprego desde que deixou o Beijing Guoan, da Superliga Chinesa.

Bilic conseguiu ganhar com mais frequência e chegou ao terceiro lugar da tabela, mas, desde então, empatou cinco vezes, perdeu duas e ganhou apenas uma partida. Dois meses de oscilação são suficientes para esgotar a paciência da diretoria do Watford – que ainda está na briga, em décimo lugar, mas a apenas quatro pontos da zona de playoffs, com 11 rodadas pela frente.

Depois de seu ótimo trabalho com o Sheffield United, Wilder assumiu o Middlesbrough no meio da temporada 2021/22. Terminou em sétimo lugar na segunda divisão, a cinco pontos dos playoffs. Caiu no começo da campanha seguinte, após um começo ruim porque demissões impulsivas não são raras nas divisões inferiores da Inglaterra, mas nenhum clube a transformou em uma arte como o Watford.

Foto de Bruno Bonsanti

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.
Botão Voltar ao topo