Inglaterra

Chelsea cogita se mudar (temporariamente) para a casa do rúgbi da Inglaterra

Cada vez mais preocupado com as possíveis sanções do Fair Play Financeiro, principalmente depois da Uefa punir Paris Saint-Germain e Manchester City, o Chelsea quer reformar o Stamford Bridge para aumentar a receita dos dias de jogos. Pretende aumentar a capacidade do estádio, atualmente de quase 42 mil pessoas, para 60 mil. Só que a obra exigiria que o clube ficasse desalojado por pelo menos uma temporada, e um dos planos do clube é se mudar para o estádio Twickenham, casa do rúgbi inglês.

LEIA MAIS: Chelsea mostra como Brasil não precisava ser Neymar-dependente na Copa

As conversas ainda são preliminares. A federação inglesa do rúgbi confirmou que o clube fez uma consulta e que é normal receber “várias consultas, de uma variedade de organizações”. E o Chelsea disse que “considera vários cenários” antes de começar a discutir qual seria o mais favorável. Se isso for levado em frente, só pode acontecer na temporada 2016/17, porque o estádio vai receber 10 partidas da Copa do Mundo de rúgbi em setembro e outubro do ano que vem.

O Twickenham tem capacidade para 82 mil pessoas e também fica ao oeste de Londres, muito mais afastado que o Stamford Bridge. A distância entre os dois estádios é de aproximadamente 15 quilômetros. Pode não ser a localização ideal, mas não existe exatamente uma abundância de grandes arenas vazias em Londres. O principal problema é que ele não gosta de se misturar com o futebol: nunca recebeu uma partida oficial com 11 pessoas de cada lado chutando bola e se recusou a fazer parte da candidatura inglesa à Copa do Mundo de 2018.

Já há algum tempo o Chelsea pensa em alguma forma de melhorar o seu estádio, pequeno para o padrão de um grande clube europeu. Uma das ideias mais fortes era se mudar, para a Usina Battersea (Aquela que foi sobrevoada pelo porco do Pink Floyd, lembra?), mas ela já foi descartada. A casa dos Blues vai continuar sendo próximo à estação de Fulham Road, em um bairro nobre do oeste de Londres.

A verdade é que o Chelsea, depois do investimento inicial de Abramovich, está trabalhando muito bem para se estabilizar como um clube que banca as próprias contas. Tenta revelar jogadores (muitas vezes comprando jovens das categorias de base de outros clubes), e nesta temporada, por exemplo, recebeu mais dinheiro com vendas do que gastou com reforços. E conseguir aumentar as receitas do estádio, como o Arsenal fez com o Emirates, é parte importante desse processo.

 

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo