Inglaterra

Banks deu ótimos conselhos a um jovem goleiro, filho do jornalista que o entrevistava

Gordon Banks, além de excelente goleiro, era conhecido por ser um cara gente boa. A história de um jornalista chamado Lee Marlow, que trabalhava no Leicester Mercury, veículo da cidade em que ele atuou entre 1959 e 1967, exemplifica esse lado da sua personalidade.

LEIA MAIS: Alô, dona Fifa, você bem que poderia criar o ‘Prêmio Banks’ à melhor defesa do ano

Marlow contou, em seu Twitter, que disse a Banks, enquanto o entrevistava, que tinha um filho que jogava como goleiro e queria alguns conselhos. O campeão do mundo com a Inglaterra foi além de dizer generalidades e se esforçou para ajudar o garoto, com muitas dicas e incentivo.

O jornalista transcreveu as declarações de Banks e deu ao filho, que pendura o papel na parede do seu quarto até hoje.

“Olá Lucas, seu pai me disse que você quer ser um goleiro? Bom rapaz. Sempre precisamos de bons goleiros.

Aqui vão alguns conselhos…

Primeiro de tudo, você tem que trabalhar duro. Ser goleiro não é fácil. Quanto mais você jogar, quanto mais treinar, mais fácil fica.

Quanto mais você jogar, melhor seus olhos ficarão para identificar os ângulos. Você começa a saber para onde a bola irá. Isso se chama antecipação – grandes goleiros são bons na antecipação.

Os olhos identificam a direção da bola, como ela flutua no ar, e enviam mensagens para o seu cérebro e, depois, para suas mãos. Continue treinando e você ficará cada vez melhor nisso.

Sempre saiba onde você está debaixo das traves, feche os ângulos, torne o mais difícil possível para o atacante marcar.

Jogue com uma bola menor. Jogar com uma bola maior ficará muito mais fácil se você estiver acostumado a jogar com uma bola menor.

Pratique jogos como tênis de mesa – ajudará a afiar seus reflexos e coordenação entre o olho e a mão. Jogue uma bola de tênis contra a parede e a agarre.

E seja corajoso – você deve ser corajoso para sair do gol em cruzamentos ou se jogar nos pés do atacante que está tentando marcar em você.

E seja corajoso, também, se perder ou cometer um erro. Todos os cometemos – eu cometi alguns erros -, mas eu nunca deixei ninguém ver que eu estava chateado.

Boa sorte, Lucas”

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo