Inglaterra

Ambição de Martínez pode fazer muito bem ao Everton

Recém-anunciado como novo treinador do Everton, o espanhol Roberto Martínez deve ter seu maior desafio da sua trajetória como técnico. Ex-jogador com passagens por Wigan e Swansea, Martínez repetiu esses passos quando migrou para o banco de reservas em 2007, logo após sua aposentadoria.

O trabalho feito no Wigan que culminou com o título da Copa da Inglaterra e um rebaixamento nesta temporada da Premier League chamou a atenção dos Toffees, que precisavam escolher um novo comandante depois de 11 anos, com a saída de David Moyes para o Manchester United. Apesar dos Latics sempre estarem lutando contra o rebaixamento, Roberto era visto como um dos técnicos mais interessantes da Inglaterra e em função disso ganhou uma chance.

Ele será apenas o 14º treinador do Everton em toda a história. É de se esperar que o seu trabalho tenha continuidade e seja duradouro, mas ao mesmo tempo é difícil fazer uma previsão do que será a equipe com esse novo chefe. Ao que depender da vontade de Martínez, os Toffees irão longe, mais longe do que Moyes conseguiu em seus anos.

Na primeira coletiva de Martínez no clube, ele já dá uma mostra do que está disposto a fazer. Determinado a levar o Everton à Liga dos Campeões, o espanhol ganhou um voto de confiança da diretoria, entusiasmada com a segurança do seu novo empregado: “Estar na LC é o meu desafio. Isso é natural quando você ganha o título de treinador do Everton. Sinto que precisamos ter este sonho. Quando comecei no Swansea, sempre disse que precisaríamos trabalhar visando eventualmente colocar o time na Premier League, apesar de parecer obsceno quando estávamos na terceira divisão. Fui para o Wigan e disse que precisávamos estar na Europa. Você precisa ter esse sonho. Se eu tiver as condições financeiras para competir pela Liga dos Campeões, esse será o objetivo inicial. Não é o que encontro aqui. Vejo uma plataforma incrível e preciso seguir este objetivo de voltar à Europa. Sabemos que será difícil e enfrentaremos adversários que tem a mesma ambição e melhores condições orçamentárias”, afirma Roberto.

Um pouco de entusiasmo não faz mal a ninguém

Se por um lado Martínez reconhece que ainda há muito o que trabalhar no clube para torná-lo um verdadeiro concorrente europeu, é de se admirar a vontade dele de conduzir o Everton ao sucesso que não vem desde a década de 1980. O clube certamente quer reviver seus anos dourados e com as peças certas deve ingressar no grupo dos principais times ingleses da atualidade.

A marca do espanhol é a disciplina e a união do grupo, coisa que ele provou com o pequeno e corajoso Wigan. Agora terá à sua disposição um plantel bem mais insinuante e com nomes que permitem este sonho europeu. Como ele mesmo afirmou, é preciso ter o sonho de estar na Liga dos Campeões, e para quem sempre se contentou em estar no meio da tabela lutando por migalhas, o futuro parece promissor para o Everton.

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é zagueiro ocasional, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo