InglaterraPremier League

Alguns centésimos bastam para Petr Cech mostrar que ainda é um monstro

Ser considerado um dos melhores goleiros do mundo não é das missões mais simples. Não apenas pelo trabalho árduo que defender uma meta é, por si. Mas também pela concorrência. Há um grupo de eleitos que se mantém no topo há anos. E, por mais que um novato consiga se aproximar, nem sempre é possível desbancar um dos velhos senadores. É exatamente o que acontece no Chelsea. Courtois é um arqueiro excepcional e tende a crescer ainda mais nos próximos anos. Mas o dono da camisa 1 é ninguém menos do que Petr Cech. O maior goleiro da história do clube, protagonista do principal título dos Blues e um dos melhores de sua posição há pelo menos uma década.

LEIA MAIS: Quem você escolheria, Cech ou Courtois?

A grandeza de Cech, no entanto, não se concentra apenas em seu vulto. Está no trabalho do dia a dia. Na forma como, humildemente, acolheu o seu sucessor e passou a ajudá-lo a se desenvolver ainda mais nos treinos. E também na diferença que consegue fazer durante os 90 minutos. Se Courtois perdeu um pouco de espaço no time titular, não foi exatamente por seus deméritos. O belga realmente teve uma atuação ruim na derrota por 5 a 3 contra o Tottenham em 1º de janeiro, mas já refez seu moral com duas partidaças contra o Liverpool nas semifinais da Copa da Liga. O problema é que ele tem um monstro a sua sombra. E tornar Cech um goleiro prescindível é muito mais difícil do que passar 10 jogos sem sofrer gols.

O vexame contra o Bradford City na Copa da Inglaterra voltou a abrir espaço para Courtois no time, titular nas duas rodadas seguintes da Premier League. A rodada deste meio de semana, porém, garantiu uma nova chance a Cech no 11 inicial. Para relembrar novamente que é um gigante em Stamford Bridge. O gol de Willian, aos 44 minutos do segundo tempo, certamente pesou demais na vitória por 1 a 0 sobre o Everton. Do outro lado, Tim Howard acumulava os seus milagres, segurando a pressão dos Blues. Mas a vitória não viria se não fosse o tcheco. Uma defesa antológica quando o placar ainda estava zerado. Uma das maiores de sua carreira.

HISTÓRIA: Este mapa mostra como as bombas da Segunda Guerra atacaram o futebol em Londres

Cech não tinha muito tempo para reagir. Lukaku recebeu o passe na pequena área, a poucos centímetros da linha fatal. Não quis dar muito tempo para o goleiro pensar, tentando tirar do adversário em um chute de primeira. Porém, alguns centésimos são suficientes para um camisa 1 excepcional como o tcheco. O veterano conseguiu se deslocar para parar a bola com os pés, em uma bola que estava longe de seu alcance. Merece ser tão cumprimentado quanto Willian, que acertou um chute no canto para determinar a vitória e teve uma excelente atuação – o único a superar o goleiro como melhor em campo.

O Chelsea não apresenta o mesmo domínio na Premier League de outros momentos da campanha. Mesmo assim, segue nadando de braçada. A vitória fundamental sobre o Everton segura a vantagem de sete pontos em relação ao Manchester City, que goleou o Stoke City por 4 a 1. Mesmo em leve declínio, os Blues têm forças para buscar uma dobradinha com a Champions nesta temporada. Sobretudo, porque contam com dois dos melhores goleiros do mundo na atualidade. E, se Courtois evoluiu a este ponto nas últimas temporadas, Cech se mantém no topo, de onde não sai há muitos anos. Uma das melhores disputas entre goleiros já vistas no futebol, e que, se não continuar no Chelsea, deixará outro clube muito bem servido em 2015/16.’

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo