InglaterraPremier League

A troca dos gandulas em Old Trafford só ressalta o tamanho do perfeccionismo de Mourinho

José Mourinho é um cara chato – e não leve esta afirmação apenas pelo lado negativo da palavra. O português costuma buscar o perfeccionismo nos mínimos detalhes, controlando em diferentes níveis o ambiente do clube no qual trabalha. Foi assim em Porto, Chelsea, Internazionale e Real Madrid, não é diferente no Manchester United. E o ponto de vista meticuloso do técnico afetou até mesmo os gandulas dos Red Devils. Mourinho “despediu” os meninos que trabalhavam à beira do campo em Old Trafford. Mas não pense que isso é apenas implicância do comandante. Há certa razão em sua postura, segundo o Manchester Evening News.

Até então, os gandulas de Old Trafford vinham da fundação do clube. Jovens que recebiam a oportunidade também como um alento além do futebol. Porém, independentemente do trabalho social, Mourinho estava preocupado com as implicações que a reposição teria ao time. E, a partir de agora, os Red Devils contarão com gandulas trazidos das próprias categorias de base. Garotos com uma melhor compreensão do jogo, que saberão o momento certo de acelerar a devolução da bola para ajudar o seu time, assim como de retardar para quebrar o momento do adversário.

O primeiro teste de Mourinho com os novos gandulas aconteceu no final de semana retrasado, durante o clássico contra o Liverpool. Jogadores do time sub-16 do United foram chamados à função. Não dá para saber se o português aprovou a primeira experiência, mas eles devem permanecer trabalhando nos jogos em Old Trafford. Vale lembrar que o próprio Mourinho trabalhou como gandula durante a sua juventude, buscando bolas para o pai, Félix, goleiro do Vitória de Setúbal. A cobrança também é um pouco de conhecimento do ofício.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo