Holanda

Vem aí outro novo Kluivert: Aos nove anos, Shane já assina contrato com a Nike

Patrick Kluivert surgiu como um fenômeno ao futebol. Não à toa, segue como o jogador mais jovem a marcar um gol em finais de Liga dos Campeões – quando, aos 18 anos, decidiu o título ao Ajax em 1994/95. Foi bastante precoce em toda a sua carreira, a ponto de mal parecer que, hoje, o veterano tem apenas 41 anos recém-completados. A pressa, aliás, parece mais uma característica de família e também se nota em alguns de seus filhos. Justin não demorou a seguir seus passos e desponta, aos 18 anos, como uma das grandes promessas do próprio Ajax. Já nesta semana, Shane foi ainda mais temporão. Dois meses antes de completar 10 anos, já assinou o primeiro contrato com a Nike, para calçar as chuteiras da marca.

VEJA TAMBÉM: O filho de Kluivert estreou no profissional do Ajax, e é bom não perder o garoto de vista

Filho do segundo casamento de Kluivert, Shane atua nas categorias de base do Paris Saint-Germain, onde Patrick trabalhou como diretor de futebol até algumas semanas atrás. E, não só isso, costuma também dar show com os profissionais dos parisienses. O bate-bola com Lucas Moura, em outubro do ano passado, mostra bem as qualidades do menino. Ainda assim, soa um tanto quanto prematura a sua assinatura com uma empresa tão grande. Nada que a relação com o pai não possa ajudar.

Afinal, Kluivert logo se tornou um dos principais garotos-propaganda da Nike assim que a marca americana ingressou no futebol, em meados dos anos 1990. O adolescente estrelou alguns dos famosos comerciais da empresa, ao lado de Ronaldo, Cantona e outros craques. Relação esta que, de certa forma, abre portas para Shane. O menino precisará lidar com as expectativas, especialmente por ser filho de quem é. Bola nos pés ele já mostra, como seu meio-irmão Justin, além de contar com 120 mil seguidores no Instagram. Até se tornar profissional, porém, tem muita vida pela frente.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo