Holanda

Experimentações nas regras causam discussão no Holandês

Sabe-se que a Holanda tem um clima pouco recomendável para o desenvolvimento saudável dos gramados em estádios de futebol. Inverno bem rigoroso, com chuva, frio e até neve; verão com temperaturas até amenas, mas clima bastante abafado. Sem contar o caso da Amsterdam Arena, inaugurada em 1996: o teto retrátil do estádio do Ajax até se abria para o sol e a chuva, mas a falta de vento tornava o crescimento da grama irregular (ela chegava a ser trocada por cinco vezes em um ano). Isso só foi solucionado com a instalação de um sistema artificial, com ventiladores gigantes ajudando o sistema de água que rega o gramado.

SOLUÇÃO? Tecnologia pode diminuir erros, mas não é o milagre que vai salvar a arbitragem
FUTURO: Como será a tecnologia usada no futebol em 2060? Uns malucos resolveram imaginar isso
DEU CERTO: A tecnologia no futebol nunca foi tão bem-vinda quanto neste gol de Liverpool x Chelsea

Mas o Ajax é um caso diferente, tem mais dinheiro para investir em manutenção de seu estádio. O problema fica mais grave quando os clubes pequenos da Holanda precisam cuidar dos efeitos naturais sobre suas “casas” – afinal de contas, o dinheiro não lhes sobra para tal luxo. Decidiram, então, apelar para uma alternativa que já começa a ser usada, ainda que parcialmente, em vários estádios mundo afora: a grama sintética. Então, em 2005, o Heracles foi o primeiro clube holandês a ter um estádio com relvado completamente artificial.

Quase dez anos depois, o assunto virou um grande ponto de discussão no futebol holandês. E talvez seja apenas o ponto de partida nas mudanças estruturais por que o esporte deve passar no país. A discordância começou há pouco mais de uma semana. Precisamente em 19 de novembro, quando o diretor esportivo do Feyenoord, Martin van Geel, abriu o jogo: “Nós notamos que há bem mais desvantagens para jogar futebol na grama sintética. Seria ótimo se a Eredivisie escolhesse pela proibição”. A alternativa? Que os clubes menores se unissem e bancassem os próprios gramados coletivamente. Em dois anos, os clubes grandes (claro, Ajax, Feyenoord e PSV) também se disporiam a pagar uma “cota de solidariedade” para ajudar na implantação de grama natural.

Bastou para a discussão começar. Obviamente, alguns clubes pequenos discutiram acidamente a proposta de Van Geel. Ajax e PSV colocaram-se ao lado do rival, desta vez – bem como Heerenveen, AZ e Twente. E o assunto tomou conta das conversas de quem acompanha futebol na Holanda. De um lado, quem apoia a grama artificial dá a justificativa de diminuir os gastos dos clubes pequenos, além de negar que haja diferença tão grande entre grama natural e artificial. Já os opositores alegam que o relvado sintético força os jogadores a uma readaptação, pelo ritmo diferente da bola – além de ser mais propenso a causar contusões.

E afinal de contas, há diferença de desempenhos? Sim, há. Primeiro, porque não é só mais o Heracles a usar grama totalmente artificial em seus estádios. Agora são mais cinco clubes (Dordrecht, Zwolle, Cambuur, ADO Den Haag e Excelsior). Isso para não falar do caso da segunda divisão: dos 18 clubes da Eerste Divisie, sete têm estádios com grama sintética. E um levantamento do jornal “Algemeen Dagblad”, feito ainda no ano passado, não deixou dúvidas: desde 2005/06, a primeira temporada com um estádio de gramado diferente, até 2013/14, o aproveitamento dos times “com” relva artificial superou a média total de pontos das equipes que jogam em seus domínios (69% contra 61%).

A federação holandesa, por sua vez, manteve-se neutra na discussão. Em nota lacônica, apenas reforçou a orientação da Fifa, que deixa aos clubes a opção sobre jogar com grama natural ou artificial em seus estádios. E ainda comentou: “Preferimos uma solução que contemple todos os interesses, entre os quais a opinião de técnicos, jogadores e torcedores”. Hora de citar pesquisa do supracitado “Algemeen Dagblad”, que há duas semanas ouviu 54 pessoas atuantes na Eredivisie – goleiros, capitães e treinadores – e ouviu de 29 deles que haver grama artificial no campeonato desequilibra o jogo. Mas falar em proibição aumenta o equilíbrio: 24 contra, 23 a favor e sete abstenções. Ou seja, a discussão ainda terá alguns capítulos.

Por enquanto, a questão da grama artificial ainda mexe somente com o futebol holandês. A próxima alteração que se pensa no futebol do país já pode influenciar em outros lugares mundo afora: a implantação de ajuda eletrônica na arbitragem. Ela já começou, a bem da verdade. Afinal, na temporada atual o Campeonato Holandês já tem usado o “olho do gavião”, para resolver as bolas que eventualmente (não) passem da linha do gol. Só que o presidente da federação holandesa avisou que deseja ir além.

Na semana passada, Michael van Praag reuniu-se com árbitros da região norte da Holanda. E anunciou: a Eredivisie talvez tenha ajuda eletrônica aos juízes já na temporada 2015/16. Ao jornal “Dagblad van het Noorden”, Van Praag explicou como seria: “O ‘videoárbitro’ ficaria num automóvel fora do estádio, com acesso a várias telas de alta qualidade. E assim como os auxiliares, ele teria ligação direta com o árbitro. Enquanto vê as imagens, pode dizer se uma falta é para cartão amarelo ou vermelho, ou se houve ou não pênalti”.

Não se pode descartar a hipótese de que seja uma mera bravata. Afinal de contas, dentro da Uefa, Van Praag é dos presidentes de federações europeias que mais tem se oposto às palavras e ações de Joseph Blatter. Ou seja, pode ser mais provocação à Fifa do que uma ideia com chances de vingar. Mas se a federação holandesa estiver falando seriamente, na próxima temporada ela deverá se tornar ponta de lança de uma discussão muito importante no futebol atual. Ou melhor, de duas discussões importantes.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo