Uma Saga de FM conta a trajetória do nosso colunista Gabriel Dudziak no comando do Instituto no Football Manager. Para ver outros capítulos da série, clique aqui.

O semestre perdido na primeira metade de 2020 escancarava a necessidade de mudarmos outra vez. Além de adições ao staff como preparadores e auxiliares mais capacitados, – de acordo com a estatura que alcançamos – era necessário mudar a forma de o time atuar. Era preciso ser mais consistente. Era necessário mais qualidade. Fomos atrás de um jogador específico:

Alejandro Reboledo.

ENTREVISTA: Conversamos com o diretor do Football Manager e falamos sobre FM 2015
FILME: Fãs de Football Manager, atenção: o jogo virou documentário e aqui está o trailer
JOGO É COISA SÉRIA: O futebol inglês se rendeu ao FM e vai usar a base de dados do jogo para contratar

Aos 23 anos o atacante argentino nascido em Granadero Baigorria já tinha no currículo um título do Mundial Sub-20, um com o Rosario Central e uma passagem rápida pelo Corinthians por empréstimo. A bem da verdade procurávamos ele há algumas temporadas, mas apenas nesta conseguimos o dinheiro necessário. A oferta? 7,5 milhões de euros mais o passe do nosso meia Miguel Valencia. O salário? Se tornou o maior do elenco. Valia o investimento. Foi nossa principal aquisição no mercado, que também contou com a chegada de José Ortigoza (aquele ex-Cruzeiro e Palmeiras) e do jovem ala direito Matias Salinas.

Bom, mas já tínhamos Leandro Acciari como nosso centroavante. Como proceder com Reboledo? Mudando o esquema!

cap25_02

Três zagueiros, um volante, dois alas, um meia armador, um ponta aberto pela esquerda, um centroavante e um segundo atacante ao lado dele.

– No início da temporada 2020/21, porém, Reboledo chegou em marcha lenta. Desempenhos muito discretos deixaram nosso novo atleta no banco de reservas nas vitórias por 4 a 2 contra o Lanús, 4 a 0 contra o San Lorenzo e no empate por 1 a 1 com o Colón.

O time estava escalado com Sergi; Bogado, Sarulyte, Valentini; Caro (Pavone), Viotti e Sánchez; Mastrángelo; Acciari, Rabello e Capobianco.

– Na oscilação natural do início de um novo esquema, vencemos o Arsenal por 4 a 0, perdemos para o por 3 a 0 e batemos o All Boys por 1 a 0.

– Veio a estreia na , justamente contra nossos grandes rivais; o . Um gol contra e dois de Acciari garantiram um merecido triunfo por 3 a 1.

– De volta ao Argentino, tomamos um 3 a 1 do River Plate, mas vencemos o Racing por 2 a 1 graças a um gol de Reboledo, que veio do banco pra marcar! Foi o primeiro dele com a camisa 10 do Instituto.

– No confronto da volta contra o Belgrano nova vitória, desta vez por 2 a 0 com gols do jovem Cristian Martín (fruto das nossas categorias de base) e de Mastrángelo.

– No Apertura, Reboledo ganhou a titularidade e passou a formar uma dupla muito perigosa com Acciari. Fizemos 3 a 1 no , emendamos um 4 a 0 no Rosário Central e retornamos à disputa da Sul-Americana em boa fase.

– Diante do Peñarol, no entanto, foi necessário Facundo Ferreyra sair do exílio dos reservas para determinar o empate por 1 a 1 no . Na volta, porém, emendamos um inapelável 5 a 1 com três gols de Sánchez, um de Reboledo e um de Acciari.

– No Apertura vencemos o Atlético Rafaela por 1 a 0, o Estudiantes por 1 a 0 e o Chacarita Juniors também por 1 a 0. Voltamos à Sul-Americana contra o Boca Juniors. Em casa o primeiro jogo das quartas de terminou com vitória do Instituto: 2 a 1 com gols de Sánchez e Mastrángelo. Na volta porém….

cap25_03

– Foi um jogo irreconhecível. O Boca abriu 2 a 0 logo no começo da partida e nós fomos tentar buscar. Pressão, pressão, pressão, erros, erros e erros. Reboledo ainda marcou, mas eles fizeram o terceiro. 3 a 1 e Instituto fora outra vez…

– Ao menos tínhamos o Argentino e fomos à forra justamente contra o Boca. Depois de bater o Godoy Cruz por 2 a 1, emendamos um 4 a 0 contra os xeneizes graças a Reboledo (2x), Sánchez e Capobianco.

– Depois caiu o Belgrano por 4 a 0 e na sequência o Independiente por 3 a 1. Contra o Newells nova vitória e mais um título! Foi o quinto do Apertura, o oitavo no total.

O time melhorou e agora a Libertadores parece mais palpável!

E o ?

Bom, se vocês bem se lembram em 2018 Santiago Milasevan foi vice-campeão mundial com o Chile e logo depois foi convidado para assumir a seleção uruguaia. Ainda estavam lá Cavani, Suárez, Lodeiro, Gastón Ramirez e outros, mas nosso início não foi dos melhores.

Na Copa América de 2019, por exemplo, caímos nos pênaltis para a Colômbia nas semifinais, mesmo sendo favoritos no confronto. Foi, no entanto, um início de trabalho de um time que teve esta cara naquele ano:

Muslera; Godin, Coates e Polenta; Aguirregaray, Arsimendi e Gastón Ramírez (Álvaro Pereira); Mastrángelo (Viudez); Suarez, Cavani e Lamanna

cap25_04

Já em 2020 o desafio foi a classificação para a Copa do Mundo do Catar. E as coisas não estavam nada boas….

cap25_05

A pressão do time não funcionava. Os jogadores de criação não rendiam. Mesmo assim a qualidade individual ia nos salvando… Éramos quartos nas Eliminatórias e ainda estávamos no pelotão de frente.