Eurocopa FemininaInglaterra

Inglaterra dá show, goleia a Suécia e se garante em Wembley para tentar seu primeiro título da Euro

As donas da casa fizeram 4 a 0 sobre a tradicional Suécia e contarão com o apoio de 90 mil pessoas no próximo domingo contra Alemanha ou França

A seleção inglesa chegou pela terceira vez à final da Eurocopa Feminina e terá um Estádio de Wembley abarrotado de gente no próximo domingo para tentar o seu primeiro título, após vencer a Suécia sem dramas nesta terça-feira no Bramall Lane, de Sheffield, por 4 a 0, com direito a mais um gol de Bethany Mead, artilheira da competição, e uma pintura de Alessia Russo. Enfrentará Alemanha ou França, que disputam a outra semifinal nesta quarta.

País sede, a Inglaterra fez valer o mando de campo durante toda a Eurocopa. Passou voando pela fase de grupos, com três vitórias e duas goleadas, e teve seu único momento de tensão nas quartas de final contra a Espanha, quando teve de empatar, aos 39 minutos do segundo tempo, e arrancar a vitória por 2 a 1 com um golaço de Georgia Stanway na prorrogação.

A Suécia também teve um duelo nervoso nas quartas de final, vencido com um gol chorado nos acréscimos da etapa final. Embora tenha mais tradição na Eurocopa, com nove semifinais, quatro decisões e um título, não era a principal favorita, mas começou a partida causando uma série de sustos às donas da casa.

O técnico Peter Gerhardsson fez duas mudanças no seu time titular, com Hanna Glas na lateral esquerda no lugar de Amanda Nildén e Sofia Jakobsson completando o trio de ataque ao lado de Stina Blackstenius e Fridolina Rolfö. Técnica campeã da última edição da Euro, Sarina Wiegman repetiu a escalação que derrotou as espanholas.

No primeiro minuto, Blackstenius deu um ótimo passe para Sofia Jakobsson, que entrou na área pela esquerda e bateu rasteiro de perna esquerda. A goleira Mary Earps fez a defesa com os pés. Logo depois, a Suécia recuperou no meio-campo, e Blackstenius atacou o espaço para chegar à entrada da área. Mas bateu para o chão, a bola perdeu força, e Earps espalmou para escanteio. Após a cobrança, Blackstenius acertou a trave.

Período mais perigoso do jogo para a Inglaterra. Mas os ânimos foram se acalmando, e as anfitriãs começaram a impor o seu futebol. Com mais posse de bola, mas também acelerando. Aos 34 minutos, Laura Hemp cruzou da esquerda, e a bola passou por todo mundo. A excelente Lucy Bronze emendou um cruzamento perfeito, de primeira, para encontrar Mead no meio da área. A artilheira da Euro dominou, girou e bateu forte para marcar seu sexto gol no torneio.

O que quer que Gerhardsson tenha falado para suas comandadas saiu pelo ralo logo no segundo minuto da etapa final quando Lucy Bronze cabeceou cruzado a cobrança de escanteio de Mead. A bola quicou no chão, passou por todo mundo, inclusive entre as pernas de Ellen White, e também pela goleira Hedvig Lindahl, e morreu no fundo das redes.

Introduzida em todos os jogos da Euro no lugar de White, Russo fez uma grande jogada em seu primeiro toque na bola. Arrancou pela direita e cruzou nas costas da defesa para encontrar Hemp na segunda trave. Na boca do gol, ela chegou chapando e acertou o travessão. Por alguns minutos, até pareceu que faria falta porque a Suécia pressionou e exigiu uma fenomenal defesa de Earps, se esticando todo para espalmar por cima do travessão a finalização de Blackstenius que a encobria.

Mas Russo está muito determinada a convencer Wiegman a escalá-la no lugar de White desde o começo. Marcou um golaço aos 22 minutos. Keira Walsh enfiou na esquerda para Kirby, que cruzou para trás. Russo chegou batendo de primeira, para ótima defesa de Lindahl. A atacante do Manchester United correu atrás do rebote e, entre duas marcadoras, muito próximas, emendou um toque de calcanhar entre as pernas de Lindahl para deixar o país sede muito mais tranquilo e confirmá-lo na grande final.

 

Batida, a Suécia não conseguiu evitar que a vitória virasse goleada. Aos 31 minutos, Mead emendou uma cobrança de lateral da direita para acionar Fran Kirby, que bateu de fora da área. Não foi muito forte, mas foi alto. Lindahl se esticou para tentar defender, pegou apenas com a ponta dos dedos e acabou espalmando contra a sua própria meta.

Foto de Bruno Bonsanti

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.
Botão Voltar ao topo