Ligue 1

Em meio à ‘crise Mbappé’, PSG segue cumprindo tabela na Ligue 1

PSG volta a jogar pela Ligue 1, competição da qual é virtual campeão, contra o cabisbaixo Rennes, eliminado no meio da semana da Liga Europa em casa

Poucas coisas importam menos para o PSG atualmente do que jogos da Ligue 1. Líder disparado, com 13 pontos de vantagem sobre o segundo colocado Brest, o Paris tem voltado suas atenções para duas coisas: a primeira, e mais importante ao que parece, é a novela envolvendo a saída de Kylian Mbappé que, dizem, já está formalmente comunicada; a segunda é a disputa da Champions League, na qual saiu na frente da Real Sociedad no jogo de ida das oitavas de final. Em meio a isso tudo, neste domingo (25), os parisienses entram em campo novamente pelo Campeonato Francês, para enfrentar o bom, mas não tão regular, time do Rennes.

O Paris Saint Germain vive uma fase tão boa dentro de campo que não sabe o que é perder desde 7 de novembro do ano passado, quando foi derrotado pelo Milan, em jogo válido pela fase de grupo da Champions League. Pela Ligue 1 o desempenho é ainda mais absurdo e, desde 15 de setembro de 2023 o PSG está invicto, sendo a derrota para o Nice a sua única no Campeonato Francês. Não a toa, o título de campeão da França está totalmente nas mãos do Paris, que o perderia apenas em caso daquele tipo de milagre que é tão raro que podemos dizer que não vai acontecer.

Assim como o rival desta tarde, o Rennes também vem de uma sequência extremamente boa dentro da França. São sete jogos consecutivos sem perder na Ligue 1, desempenho que, no entanto, não se refletiu na Liga Europa, competição na qual o time foi eliminado pelo Milan após perder no jogo de ida por 3 a 0 e, na última quinta-feira (22), ter vencido por 3 a 2, o que causou a desclassificação por conta do placar agregado. Sendo assim, o time rubro-negro terá em seu duelo de hoje contra o PSG que lutar contra a ressaca da eliminação para mirar um retorno à Europa na próxima temporada via Campeonato Francês.

Como o PSG chega para o jogo contra o Rennes

Mesmo com toda a reformulação pela qual passou após as saídas de Messi e Neymar no mercado de verão, o PSG simplesmente não tomou conhecimento de seus adversários na Ligue 1 e, com uma campanha extremamente segura, praticamente assegurou o título ainda na virada do primeiro turno. Muito por conta de como o time está bem, é claro, mas também pelo fato de que do segundo ao quinto lugar há uma troca constante de posições entre as equipes, o que significa que nenhuma delas realmente conseguiu fazer frente por muito tempo ao Paris Saint Germain.

Acontece que o grande diferencial do PSG no momento é apenas Kylian Mbappé e, depois de ele ter supostamente dito à diretoria do time que vai deixar Paris de graça ao final da temporada, o técnico Luis Enrique já o deixou no banco, por exemplo, na vitória contra o Nantes — ele entrou e marcou um gol de pênalti. Não que isso seja um fator de risco para o Paris Saint Germain, mas é, ao menos, um alento para os adversários que, como o Rennes, buscam por algo mais na Ligue 1: Paris, neste momento, é um clube de incertezas e que, apesar dos ótimos resultados recentes, claramente vive uma crise interna.

Se optar por manter a mesma formação que entrou em campo na vitória contra o Nantes, Randal Kolo Muani deverá ser o comandante do ataque pelo meio, no lugar de Mbappé. Ao que tudo indica, no entanto, a opção na última partida aconteceu mais pelo fato de o PSG ter feito, naquela semana, a partida diante da Real Sociedad pela Champions League, do que pelo fato de o astro francês estar em rota de colisão internamente. A partida contra o Rennes, inclusive, será uma resposta a isso: quanto espaço Kylian Mbappé terá no Paris Saint Germain após anunciar que deixará a equipe?

Como o Rennes chega para o jogo contra o PSG

Eliminação para o Milan à parte, o Rennes vem fazendo um ótimo 2024 depois de um começo de temporada bastante irregular. A equipe vem sendo com frequência representante da França em campeonatos europeus e isso é reflexo direto do bom trabalho interno que vem sendo feito lá há anos, principalmente no que abarca todo o processo com categorias de base. Agora, com apenas Ligue 1 e Copa da França em mente, os Rouge et Noir focam principalmente em estar nas competições europeias na próxima temporada.

Para isso, não contam exatamente com destaques individuais muito absurdos, como foi com Jerémy Doku até o comecinho desta temporada, quando ele foi para o Manchester City. Pelo contrário, os gols, por exemplo, estão bastante divididos na Ligue 1 até o momento: Benjamin Bourigeaud é o principal artilheiro do time na competição com seis gols, apenas um a mais do que Martin Terrier e Arnaud Kalimuendo. Este último, inclusive, pode ser a esperança contra o PSG para os mais supersticiosos.

Afinal, Arnaud Kalimuendo está no Rennes desde agosto de 2022, quando foi comprado por 20 milhões de euros do próprio Paris Saint Germain, clube no qual foi formado, mas, como quase todos os jovens que passaram pelas categorias de base da equipe nos últimos anos, acabou sendo desprezado e vendido. Agora, tem a chance de mostrar ao seu ex o quanto poderia estar ajudando neste momento de despedida de Mbappé.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme CalvanoRedator

Jornalista pela UNESA, nascido e criado no Rio de Janeiro. Cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na Trivela, é redator e escreve sobre futebol brasileiro e internacional.
Botão Voltar ao topo