França

John Textor contrata mais um brasileiro e reforça laço vitorioso entre Lyon e Brasil

Ex-Athletico se juntará a três compatriotas na equipe francesa, cuja fase de mais títulos teve grande influência brasileira

Apenas detalhes separam o lateral-esquerdo Abner Vinícius, ex-Athletico-PR, do Lyon, segundo o jornalista Fabrizio Romano. Desta forma, o brasileiro, atualmente no Betis, deve se tornar jogador do clube francês em 1º de julho – data em que se abre a próxima janela de transferências do mercado europeu.

O defensor encontrará três compatriotas no elenco do Lyon, clube que, desde 2023, tem como principal proprietário o norte-americano John Textor, dono também do Botafogo.

Além de Abner, o Lyon conta com ex-jogador do Vasco Henrique Silva (este, uma aquisição anterior a Textor), Adryelson e Lucas Perri, contratados junto ao Botafogo ao fim da última temporada do futebol brasileiro. Jeffinho também pertence ao clube francês, mas está emprestado aos cariocas até dezembro desse ano.

Brasileiros no elenco atual do Lyon (FRA)

  • Lucas Perri – goleiro
  • Adryelson – zagueiro
  • Henrique Silva – lateral-esquerdo
  • Abner* – lateral-esquerdo
  • Jeffinho – atacante (emprestado ao Botafogo)

*Pendente o anúncio oficial do clube

A equipe treinada por Pierre Sage ainda pode ter Luiz Henrique no meio do ano porque o atacante, maior contratação da história do Glorioso, possui uma cláusula que permite a transferência ao clube-irmão na próxima janela de transferências 2024/25. Seria o sexto brasileiro no Lyon.

Não é uma coincidência a presença tão forte de brasileiros no heptacampeão francês. Textor costuma a olhar com carinho o mercado do Brasil ao reforçar seus clubes estrangeiros. A ligação entre o talento verde amarelo e o Lyon, porém, tem fortes raízes fortes e anteriores ao empresário norte-americano.

A presença brasileira no esquadrão imortal do Lyon de 2001 a 2008

Na fase mais vencedora do OL, com os oito títulos da Ligue 1 consecutivos entre 2001/02 a 2007/08 – até hoje um feito inédito no futebol local -, os atletas vindo do Brasil desempenharam papel essencial.

O mais famoso deles, obviamente, Juninho Pernambucano, presente em todas as taças e dono de regularidade impressionante. Mas antes mesmo do meia, maior ídolo da história do clube, quem abriu as portas foi o atacante Sonny Anderson, contratado junto ao Barcelona em 1999, um ano antes da chegada do Reizinho.

— Foi a partir do Sonny Anderson que tudo começou. O Lyon viu que precisava reforçar o time em relação à qualidade e o Anderson estava no Barcelona. Foi uma oportunidade de mercado, mesmo sendo o jogador mais caro da história do Lyon até então. Depois, trouxeram o Edmílson, o Caçapa, eu.

— O time contava com brasileiros em todos os setores. Junto com as outras lideranças, isso deu um equilíbrio maior à equipe. E, a partir de então, a gente abriu portas. É o que eu digo: jogador brasileiro fecha ou abre portas quando vai à Europa. Quando ele vai para um clube e não quer nada, bota a culpa no treinador, ele fecha a porta totalmente para os outros brasileiros. Mas quando você vai, se impõe e joga, conquista o respeito de todo mundo no clube – detalhou Juninho Pernambucano em entrevista à Trivela em 2017.

Juninho Pernambucano fez história com a camisa do Lyon
Juninho Pernambucano fez história com a camisa do Lyon (Foto: IconSport)

Na mesma entrevista, o histórico camisa 8 dos Gones detalhou que a presença brasileira era o que faltava para equipe ser campeã, principalmente pelo espirito vencedor dos atletas. Vale citar que antes das sete taças seguidas, o Lyon já vinha em uma crescente, terminando em segundo na edição de 2000/01 e terceiro duas vezes consecutivas antes.

– O Lyon tinha uma base que vinha jogando junta fazia um tempo. Vinha de boas campanhas e se reforçou com mais alguns jogadores. Quando cheguei, peguei um time em crescimento. Posso dizer que a única coisa que faltava ao Lyon, aquilo que não tinha para ser campeão, era o espírito vencedor. O ambiente geral era muito família. Vitória, derrota e empate significavam o mesmo. Então, os brasileiros do elenco levaram esse espírito de campeão para lá, e eu me orgulho muito disso – concluiu.

Obviamente, isso deixou resquícios para geração seguinte. Mais outros 12 jogadores do Brasil defenderam o Lyon no pós-2008, com destaque para Bruno Guimarães e Lucas Paquetá.

Todos os brasileiros da era vencedora do Lyon

  • Sonny Anderson (1999-2003)
  • Juninho Pernambucano (2000-2009)
  • Edmílson (2000-2004)
  • Cláudio Caçapa (2001-2007)
  • Giovane Élber (2003-2005)
  • Nilmar (2004-2005)
  • Cris (2004-2012)
  • Fred (2005-2009)
  • Fábio Santos (2006-2009)
  • Anderson (2007-2010)

John Textor e o olhar para o Brasil

O magnata de 58 anos parece ser um grande fã do “pé-de-obra” brasileiro. Além do Lyon, o Molenbeek, da Bélgica, também faz parte do conglomerado de clubes Eagle Football Holdings e conta com vários atletas vindo do Brasil – boa parte deles com passagens pelo Botafogo.

Desde 2022, quando o time belga foi adquirido, foram oito brasileiros diferentes contratados, além do técnico Cláudio Caçapa, que passou pelo clube carioca entre agosto do ano passado e março desse ano.

Crystal Palace, da Premier League, é outro clube do qual John Textor é acionista – este desde agosto de 2021. E em janeiro de 2023, Matheus França, contratado junto ao Flamengo em 2023, se tornou apenas o quarto brasileiro a vestir a camisa do clube de Londres na história.

Os brasileiros contratados por Molenbeek e Crystal Palace na gestão Textor

  • Igor de Camargo* (2022) – Molenbeek – contratado junto ao Mechelen (BEL)
  • Rikelmi (2022) – Molenbeek – contratado junto ao Botafogo
  • William Klaus (2023) – Molenbeek – contratado junto ao Botafogo
  • Philipe Sampaio (2023) – Molenbeek – contratado junto ao Botafogo
  • Felipe Abner (2023) – Molenbeek – contratado junto ao Farense (POR)
  • Romildo Del Piage (2023) – Molenbeek – contratado junto ao Botafogo
  • David Sousa (2024) – Molenbeek – contratado junto ao Botafogo
  • Carlos Alberto (2024) – Molenbeek – contratado junto ao Botafogo
  • Matheus França (2024) – Crystal Palace – contratado junto ao Flamengo

*Após uma temporada, se aposentou aos 39 anos e se tornou auxiliar técnico do Molenbeek

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo