FrançaLigue 1

Desta vez o ataque salvou, mas o PSG sofre mais com a defesa do que o dinheiro gasto sugere

Outra vez, o Paris Saint-Germain tomou sufoco na Ligue 1. Mas pelo menos neste domingo os desleixos do time de Laurent Blanc não custaram pontos na tabela. O Evian saiu em vantagem no placar e conseguiu empatar o jogo no segundo tempo, dentro do Parc des Princes. A sorte dos parisienses é que, desta vez, o ataque funcionou o suficiente para buscar a vitória por 4 a 2, alcançando a terceira colocação na tabela. Ainda assim, uma interrogação enorme continua em Paris: como uma defesa tão cara consegue falhar tanto?

Olhando os números frios, a situação nem parece tão feia assim. O PSG sofreu 19 gols em 21 rodadas do Francesão. Entretanto, a marca espanta quando se pensa que o setor foi a grande virtude da equipe no bicampeonato nacional. Sob as ordens de Carlo Ancelotti, os parisienses sofreram apenas 23 tentos na temporada inteira de 2012/13, número repetido na campanha seguinte, já sob as ordens de Laurent Blanc. Somente nos últimos seis jogos foram nove gols tomados, incluindo os quatro na virada incrível do Bastia no final de semana passado.

O desleixo ficou evidente nos dois tentos do Evian. O primeiro nasceu de uma cobrança de lateral, na qual Thiago Silva estava fora de posição e Barbosa teve mais espaço do que deveria para arrematar. Já o segundo veio de uma infelicidade de Van der Wiel, que cabeceou contra a própria meta e Sirigu não segurou.

Obviamente, há um problema da defesa. David Luiz, que marcou o seu primeiro gol pelo clube neste domingo, está muito longe de justificar os € 50 milhões pagos em sua contratação. Os erros de posicionamento evidente complicam o setor, assim como a falta do tempo de bola. Thiago Silva também está muito longe de seu melhor e, Marquinhos, que jogou demais em 2013/14, amarga o banco só por falta de badalação. Para piorar, a ida de Serge Aurier para a Copa Africana de Nações deu espaço a Van der Wiel, em péssimo momento. E, como a culpa não é somente da linha de zaga, o meio-campo não tem mostrado a pegada de outros tempos.

Para sorte do PSG, o ataque conseguiu ser efetivo, algo que não tem sido tão frequente assim nos últimos jogos. Além do gol de David Luiz, também marcaram Verratti, Pastore (com assistência de Lucas) e Cavani. O problema é que Ibrahimovic mais uma vez apareceu longe de seu melhor ritmo, apesar de ter participação em dois tentos. E, sem o grande alvo de suas jogadas, os parisienses têm dificuldades de dividir o protagonismo.

No cenário mais razoável, a vitória saiu. Mas, dentro de casa, contra o antepenúltimo colocado, o placar é enganoso pelas dificuldades que o Paris Saint-Germain encontrou. Deixa mais uma vez dúvidas sobre o potencial do time em conquistar o tricampeonato francês, por mais que a superioridade de seu elenco o leve ao topo praticamente por inércia.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo