Copa da França

O Nice venceu nos pênaltis e teve o gosto de eliminar o PSG nas oitavas da Copa da França

Depois do empate sem gols ao longo dos 90 minutos, o Nice fez sua parte na marca da cal com a vitória por 6 a 5

Por seu poderio financeiro em relação à concorrência, o Paris Saint-Germain trata as competições domésticas como obrigação. O técnico Christophe Galtier, no entanto, sabe como poucos a receita para frustrar os parisienses. O treinador campeão da Ligue 1 com o Lille em 2020/21, nesta segunda, também se tornou algoz à frente do Nice nas oitavas de final da Copa da França. Esta foi apenas a segunda vez desde 2014/15 que o PSG sofre uma derrota na competição. Depois do empate por 0 a 0 persistir até o fim dos 90 minutos no Parc des Princes, com uma firme marcação dos visitantes, as Águias conquistaram a vitória por 6 a 5 nos pênaltis. Enquanto Gaultier se reafirma como carrasco por um clube diferente, a pressão sobre o trabalho de Mauricio Pochettino ganha mais um episódio.

O PSG escalou uma equipe mista, sem alguns destaques que defendem as suas seleções, mas ainda com vários nomes de peso à disposição. Lionel Messi, Gianluigi Donnarumma, Marco Verratti, Mauro Icardi, Ander Herrera e Nuno Mendes estavam em campo. Kylian Mbappé ficava como opção no banco. O Nice, de qualquer maneira, tinha qualidade para inspirar respeito. O ataque vinha formado por Amine Gouiri e Kasper Dolberg. Dante era o dono da braçadeira de capitão e referência na zaga.

Não seria uma partida com tantas chances de gol assim. O Paris Saint-Germain teve o controle da posse de bola durante o primeiro tempo, mas o Nice começou mais perigoso em seus avanços em velocidade. Os parisienses só assustaram aos 22, num chute cruzado de Verratti que passou ao lado da trave. Porém, os goleiros mal tiveram trabalho. Quando Messi teve sua melhor chance dentro da área, facilitou a defesa de Marcin Bulka. Voltando de COVID-19, o argentino pouco oferecia.

O segundo tempo seria um pouco mais movimentado, a começar por um contragolpe do Nice no primeiro minuto, em que Justin Kluivert exigiu a defesa de Donnarumma. O PSG tinha dificuldades para romper as trincheiras das Águias e só ganhou mais intensidade a partir dos 19 minutos, com a entrada de Mbappé. Apesar da pressão, os parisienses não fizeram muito. Os melhores lances vieram nas bolas paradas, mas Presnel Kimpembe foi travado na pequena área e, já nos acréscimos, Mbappé não pegou em cheio na bola. A definição aconteceu nos pênalti.

O goleiro Bulka começou a fazer a diferença na terceira série de cobranças, quando defendeu o chute de Leandro Paredes. Porém, Donnarumma apareceu logo depois e espalmou o chute de Andy Delort. A série normal terminou empatada, assim como os dois times converteram os primeiros tiros das alternadas. A conclusão veio na sétima série, a segunda de alternadas. Dante, com uma calma imensa, bateu de cavadinha. O garoto Xavi Simons, no entanto, parou na defesa de Bulka. Anedoticamente, o arqueiro polonês de 22 anos pertence ao PSG e está emprestado ao Nice.

O Paris Saint-Germain levou um tempo para conquistar a Copa da França a partir do início da “era catariana”. O primeiro troféu veio apenas em 2014/15. Em compensação, os parisienses só não tinham levado uma taça desde então, quando perderam a final para o Rennes em 2018/19. O Nice interrompe a série e abre o caminho a um campeão fora da obviedade. As Águias terão uma pedreira nas quartas de final, contra o Olympique de Marseille. Outro jogo que chama atenção é Bergerac Périgord x Versailles 78, duas surpresas da quarta divisão. Nantes x Bastia e Monaco x Amiens são os outros duelos, entre uma equipe da elite e outra da segundona. As partidas ocorrerão na próxima semana.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo