Copa da França

A Copa da França proporcionou um dérbi inesquecível ao Lens: empate com o Lille no último minuto e vitória nos pênaltis

O Lens era melhor, mas tomou dois gols do Lille e precisou de uma reação dramática antes da vitória nos pênaltis

Lens e Lille protagonizam o Derby du Nord, um dos principais clássicos do futebol francês. Nesta terça, a rivalidade ganhou um jogo memorável para a sua história pelos 16-avos de final da Copa da França. Empurrado pela torcida no Estádio Felix Bollaert, o Lens teria o gosto de eliminar os rivais numa emocionante reação. Desde o primeiro tempo, os aurirrubros já eram superiores, mas a eficiência dos Dogues rendeu dois gols num intervalo de quatro minutos. Em meio à pressão na segunda etapa, enfim, o Lens arrancou o agonizante empate por 2 a 2 no quinto e último minuto dos acréscimos. Já nos pênaltis, a vitória por 4 a 3 premiaria o esforço dos anfitriões, despachando o Lille num momento bem mais badalado. O capitão Seko Fofana, com dois gols e o pênalti decisivo convertido, ganha ainda mais a idolatria de sua torcida.

O Derby du Nord tinha acontecido em sete edições anteriores da Copa da França. O Lille levava a melhor com quatro classificações e a vitória na ocasião mais importante, a final de 1948, num período dourado dos Dogues. Mesmo a fase recente não conspirava ao Lens, que até começou bem na Ligue 1, mas vinha de seis rodadas sem vitórias e terminou o primeiro turno ultrapassado por um Lille em recuperação. Em campo, ao menos, os muitos desfalques nos atuais campeões franceses indicavam a possibilidade de um duelo parelho.

O Lens saiu em busca do resultado desde os primeiros minutos. Os aurirrubros ficavam no campo de ataque e marcavam o Lille em cima, assim como controlavam mais a bola. Porém, os Dogues precisaram de apenas uma investida para mostrar sua capacidade, quando Yusuf Yazici recebeu em ótimas condições na área e acertou o travessão, depois de um levíssimo desvio salvador do goleiro Wuilker Faríñez. E se de um lado o gol dos anfitriões não vinha, do outro o Lille ratificou sua eficiência. Amadou Onana foi o pesadelo do Lens.

O primeiro gol surgiu aos 28 minutos, num avanço pela direita. A zaga não conseguiu afastar o cruzamento de Tiago Djaló e Onana apareceu livre para definir com tranquilidade, de cabeça. Quatro minutos depois, Onana marcou mais um. Em outro avanço em velocidade, desta vez pela esquerda, Jonathan Bamba rolou para a entrada livre de seu companheiro, sem problemas para vencer Faríñez. Na reta final do primeiro tempo, então, o Lens provocou uma blitz para recobrar o prejuízo. Não teve sucesso, diante da atuação inspirada do goleiro Ivo Grbic.

O segundo tempo viu um domínio igualmente enorme do Lens, com mais posse de bola e muito mais ímpeto nas finalizações. De novo estava difícil de passar por Grbic, que salvava o Lille. Mas não que os Dogues fossem apenas encurralados ao redor de sua área. Nas poucas escapadas, os visitantes conseguiram arranjar bons ataques e poderiam ter anotado o terceiro. Faríñez parou Gabriel Gudmundsson, enquanto Sven Botman errou o alvo numa boa cabeçada.

Num jogo intenso, o Lens merecia diminuir o prejuízo. E a reação teve início aos 22 minutos, numa jogada de Seko Fofana. O meio-campista iniciou a construção do avanço e apareceu na área para concluir. Só que, apesar do domínio dos aurirrubros, não dava para se descuidar. Yazici não estava em sua noite mais calibrada e, aos 39, mais uma vez carimbou a trave pelo Lille. Do outro lado, com o contínuo abafa dos anfitriões, Botman faria um desarme espetacular contra Ibrahima Baldé, que também esbarrou no travessão já aos 45.

Apesar do drama, o Lens não deixou de acreditar. O empate saiu a menos de um minuto do apito final, aos 50, quando Fariñez já estava na área adversária para tentar a cabeçada. Numa bola que parecia morta após escanteio, na lateral da área, Fofana de novo foi brilhante. O volante deu duas fintas de corpo seguidas para limpar a marcação e chutou cruzado. Não foi um arremate tão forte, mas seria certeiro, ao sair do alcance do estático Grbic e beijar a trave antes de entrar. A explosão no Felix Bollaert era imensa.

O Lens chegou motivado para os pênaltis e contou com a sorte na segunda cobrança do Lille. José Fonte pegou de tornozelo na bola e mandou para fora. Os Dogues chegaram a criar esperanças no quarto tiro dos aurirrubros, quando Grbic defendeu o chute de Jonathan Clauss. Porém, Faríñez também seria herói e espalmou a batida de Renato Sanches, a quinta dos visitantes. A quinta batida do Lens seria exatamente de Fofana. O capitão repetiu a precisão, resvalando na trave, e correu para o abraço com a vitória por 4 a 3.

O Lens foi o décimo time da Ligue 1 a se confirmar nas oitavas de final da Copa da França e pegará o Monaco na próxima fase – na qual o destaque fica especialmente ao PSG x Nice. Também estarão presentes quatro equipes da Ligue 2 e mais duas da quarta divisão. Pela maneira como os aurirrubros avançam, se provam um time de respeito nos mata-matas. Quem sabe para buscar o título que escapou três vezes em finais – a mais recente em 1998, ano do único título na Ligue 1.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo