Champions LeagueEuropa

Uefa aprova penas mais duras contra racismo, violência e doping

Às vésperas da decisão da Liga dos Campeões, a Uefa aproveita a ocasião para tomar decisões importantes sobre os rumos do futebol europeu. Nesta quinta-feira, o Comitê Executivo da entidade aprovou penas mais duras contra o racismo, a violência nos estádios e a dopagem no futebol. Atitude contundente para problemas, infelizmente, cada vez mais recorrentes dentro do esporte.

As maiores atenções se voltaram para as punições sobre o racismo. Jogadores ou técnicos que discriminarem companheiros serão penalizados com, pelo menos, 10 partidas de suspensão. Já para casos envolvendo torcedores, a Uefa cobrará multa de € 50 mil, fechando parcialmente o estádio na primeira infração e totalmente em caso de reincidência.

“Uma associação pode adotar as mesmas medidas ou similares. A Uefa sempre tem agido de maneira a tentar convencer mais as pessoas. Eu não acredito que uma simples sanção seja suficiente para combater o racismo. Não importa se a pena durará mais ou menos dias. Todos têm que fazer o possível neste campo”, declarou Gianni Infantino, secretário-geral da Uefa.

A entidade também endurecerá contra agressões. Insultos à arbitragem passarão a render de duas a três partidas de suspensão, enquanto violência física renderá o mínimo de 15 jogos de gancho. Mais importante, a Uefa poderá aplicar penas mais pesadas se não concordar com as decisões das federações, “especialmente em casos de manipulação de resultados, corrupção e dopagem”.

Sobre o doping, a Uefa promete aumentar o controle em suas competições, incluindo exames de sangue ao lado dos usuais, de urina. Também fará uma investigação entre os jogadores, traçando o perfil biológico para identificar possíveis usos de esteroides nos torneios a partir de 2008 – em um estudo que, no entanto, não implicará em punições.

As sanções para combater o racismo, a violência e o doping são mais do que necessárias, mas não podem parar por aí.  A entidade também deve promover campanhas e ações específicas. E, sobretudo, não se privar de posturas ainda mais duras, como punições desportivas aos próprios clubes, dependendo da gravidade da questão.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo