Europa

Parece inacreditável, mas o Aberdeen se tornou uma ameaça ao reinado do Celtic

Por Bruno Cassali*

Não é das situações mais comuns falar de futebol na Escócia e não ter Rangers ou Celtic no centro das atenções – ainda mais num domingo onde o Celtic fez seis a zero jogando em casa contra o Dundee. Mas a temporada 2015/16 reúne duas boas histórias paralelas a esses gigantes. E elas ficaram frente à frente na capital do país nessa tarde de domingo.

LEIA TAMBÉM: Campeonato Escocês volta à TV brasileira com gosto de futebol dos anos 1990

O palco para Hearts x Aberdeen foi Tynecastle, histórico estádio de 1896, um dos símbolos da Edimburgo do final do século XIX. Não havia mais ingresso para a partida há 20 dias e a expectativa de grande público se confirmou: 16.702 presentes (ou seja, 96% de ocupação dos 17.420 lugares do estádio) fizeram do jogo o recorde de público dos Jambos na atual temporada.

A relação Hearts e torcida ganhou uma homenagem do clube nessa semana, com a terceira camisa do time trazendo 8000 nomes de torcedores que ajudaram os Jambos a não falir em 2013. Em mais um evento pra reforçar esse vínculo, quatro crianças da escola que fica ao lado do estádio foram recebidas pelos jogadores em campo e tiraram fotos com cada um dos 18 relacionados pelo Hearts. Para elas (e para o clube), os aplausos de todos nas arquibancadas.

O setor da “linha do trem” foi dividido ao meio para o confronto de domingo. Separados por 10m, torcedores dos Jambos e do Dons respeitaram-se durante todo o espetáculo.

Um espetáculo regido por um maestro. Niall McGinn, camisa 10 do Aberdeen, chamou a responsabilidade do jogo no primeiro tempo e decidiu o confronto em três atos. Logo aos oito minutos, foi ele que bateu escanteio pro primeiro gol de David Goodwillie no ano: 1 a 0 para os visitantes.

Na metade da primeira etapa, McGinn executou seu espetáculo solo. Ao receber lançamento na esquerda da área, driblou o zagueiro Augustyn ao dominar a bola e rumou em direção ao gol. Gingou e passou como quis por Ozturk antes de bater colocado, no ângulo de Alexander: Dons 2 a 0.

No desespero dos donos da casa em descontar, McGinn foi cirúrgico no contra-ataque. Aos 44 minutos, ele arrancou pela direita, deu uma meia-lua em Miguel Pallardó e apenas rolou para Goodwillie fazer seu segundo gol na partida. Uma atuação de gala do Aberdeen no primeiro tempo – e sem contar com seu artilheiro, Adam Rooney, poupado pelo técnico Derek McInnes.

A história da segunda etapa pode ser contada por muitos dos futebolistas brasileiros. Na pressão para descontar o placar, o Hearts achou um gol após confusão na área dos visitantes. O nome do autor: Igor Rossi.

Zagueiro de origem, bom porte físico e canhoto, Igor tem sido uma peça defensiva fundamental para o time de Robbie Neilson. O camisa 18 se mostra polivalente ao fazer com a mesma qualidade tanto a zaga quanto a lateral esquerda. Nesse domingo, com a suspensão do nigeriano Juwon Oshaniwa, Rossi jogou no lado do campo e passou trabalho pra conter o atrevido David Goodwillie.

O brasileiro, que fez carreira no Marítimo de Portugal antes de desembarcar em Tynecastle, fez seu primeiro gol com a camisa dos Jambos. A data perde um pouco de força histórica pela derrota dos donos da casa. Mas pode servir como pretexto pra manter Rossi entre os titulares quando o elenco defensivo do Hearts estiver completo no decorrer da temporada.

Pra um time que veio da segunda divisão, o início de cinco vitórias consecutivas era acima das expectativas. Por isso, a manutenção do 3º lugar ainda é o máximo que o Hearts pode fazer nessa edição do Campeonato Escocês. Não há motivos para se fazer terra arrasada por causa de três resultados negativos consecutivos. E a torcida dos Jambos sabe muito bem disso.

Já o Aberdeen supera o ritmo dos atuais tetracampeões na Scottish Premier League nesse início. São oito jogos e oito vitórias, transformando 2015/16 na melhor abertura de campeonato da história do Dons. O desempenho de hoje, ganhando num dos campos mais difíceis do torneio de forma convincente, demonstra que o Aberdeen vai lutar pra impedir o tão provável pentacampeonato do Celtic. A disputa pela SPL é a mais aberta possível. Resta torcer que siga assim até o final.

*Bruno Cassali (@brunocassali) é jornalista esportivo desde 2008 e atuou em coberturas esportivas no Rio Grande do Sul até novembro de 2014. Desde janeiro de 2015, mora em Edimburgo, capital da Escócia.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo