Europa

Loucura pura: O Lyn fez 10×1 na rodada final, mas perdeu o acesso por um gol de saldo

O Lyn precisava tirar cinco gols de diferença no saldo durante a rodada final da terceirona norueguesa e goleou por 10x1, mas o Egersund subiu no limite ao fazer 5x0 em sua partida

A terceira divisão do Campeonato Norueguês definitivamente não está no roteiro de final de semana mesmo daqueles mais aficionados por futebol. No entanto, a definição do acesso neste sábado garantiu uma das disputas mais insanas do futebol mundial nos últimos tempos. Egersund e Lyn chegaram à rodada final com chances de subir. Apenas o campeão do grupo regional seria promovido diretamente, com o vice restrito aos playoffs. As duas equipes somavam a mesma pontuação, mas com uma vantagem de cinco gols no saldo para o Egersund. Então, rolou uma troca paralela de goleadas na rodada. O Egersund buscou uma situação mais confortável com os 5 a 0 contra o Vard Haugesund. Já o Lyn conseguiu aplicar um incrível 10 a 1 sobre o Fram Larvik. Pois esse gol sofrido pelo Lyn custou caríssimo, com o acesso do Egersund com um tento a mais no saldo, +52 a +51. Lembra até a história da incrível rodada final da Bundesliga de 1977/78, em que os 12 a 0 do Borussia Mönchengladbach sobre o Dortmund foram insuficientes com os 5 a 0 do Colônia contra o St. Pauli.

Foi uma disputa inacreditavelmente igualada na terceirona do Campeonato Norueguês. Os dois times ficaram com a mesma pontuação quando ainda faltavam oito rodadas para o final, de 26 no total. Desde então, Egersund e Lyn venceram seis partidas e empataram duas. Curiosamente, mesmo os empates aconteceram em rodadas concomitantes. E, neste sprint final, os times vinham de três triunfos consecutivos antes do compromisso derradeiro. Cada um precisava fazer sua parte, mas a situação do Egersund era naturalmente mais tranquila.

Os dois candidatos ao título (e ao acesso) pegavam adversários ameaçados pelo rebaixamento. O Vard Haugesund estava melhor na tabela e até escapou, mesmo tomando os 5 a 0 do Egersund. Foram três gols no primeiro tempo e outros dois no segundo, que pareciam tornar a missão dos líderes completa. Porém, o Lyn rebaixou o Fram e surrou os oponentes de forma impiedosa, com seus 10 a 1. Os três primeiros gols do Lyn também saíram no primeiro tempo. O Fram descontou no início do segundo, o que fez a porteira se abrir depois.

Em busca da promoção, o Lyn anotou cinco gols entre os 12 e os 32 do segundo tempo. A esta altura, vencia por 8 a 1 quando o Egersund anotou seus 5 a 0 na partida paralela. Os vice-líderes precisariam de mais três gols para uma reviravolta na tabela. Assinalaram o nono somente aos 44 do segundo tempo e o décimo aos 49. Faltou tempo para o gol salvador, e o Lyn até se queixou com a arbitragem pela falta de generosidade nos acréscimos. Caso os dois concorrentes empatassem no saldo, o Lyn levaria a melhor sobre o Egersund pelo número de tentos anotados na competição – também com aperto, 74 a 73.

O Lyn agora terá uma pequena jornada em busca do acesso. Como vice-campeão de seu grupo regional na terceirona, disputará um mata-mata contra o vice-campeão do outro grupo regional, o Tromsdalen. Quem vencer tentará conquistar o acesso contra o 14° colocado da segunda divisão. O Lyn é um clube tradicional da Noruega, que conquistou dois títulos da liga e oito da copa. Entretanto, a equipe entrou em processo falimentar e recomeçou na sexta divisão em 2010. Desde então, oscilou principalmente entre a terceira e a quarta divisão.

Já o Egersund é um clube que chegou a disputar a primeira divisão norueguesa antes da Segunda Guerra Mundial, mas ao longo de sua história se limitou quase sempre às divisões de acesso. Ao longo deste século, costumou variar entre a terceira e a quarta divisão. Foram 12 participações consecutivas na terceirona até que o acesso se consumasse neste sábado. O outro time promovido à segundona nesta temporada foi o Levanger, mas sem o mesmo nível de emoção.

Loucura também no Sueco Feminino

O mais incrível é que a terceirona do Campeonato Norueguês não foi a única competição definida pelo saldo de gols neste sábado. A mesma coisa aconteceu no Campeonato Sueco Feminino. O Hammarby conquistou a Damallsvenskan porque terminou a competição com um gol de saldo a mais que o Häcken, o vice-campeão. Os dois times fecharam a campanha com 59 pontos, mas com +44 a +43 no saldo favorável às alviverdes. Foi uma taça muito comemorada, já que o Hammarby não era campeão sueco entre as mulheres desde 1985.

O mais legal na definição do Campeonato Sueco Feminino é que o Hammarby conseguiu uma baita reviravolta na reta final. O confronto direto com o Häcken aconteceu na penúltima rodada. Diante de sua torcida, as alviverdes ganharam por 3 a 2 e tomaram o topo da tabela no saldo. Já na rodada final, o Häcken até goleou o Pitea por 4 a 0, mas o resultado se tornou insuficiente porque o Hammarby fez 2 a 0 sobre o Norrköping e manteve a vantagem de um gol no saldo. Caso o saldo empatasse, porém, as alviverdes também levariam a melhor pelo número de gols marcados.

Ao apito final, uma invasão de campo aconteceu no estádio do Norrköping para comemorar o título, com presença massiva dos torcedores do Hammarby fora de casa. Os alviverdes contam com umas torcidas mais apaixonadas da Suécia, mesmo passando longe de ser o clube mais vitorioso. É uma agremiação arraigada nas camadas populares de Estocolmo, que mantém médias de público expressivas. O time masculino conquistou o Campeonato Sueco apenas uma vez, em 2001, embora recentemente tenha celebrado a Copa da Suécia em 2021. Agora é o time feminino que provoca orgulho, com o fim do jejum que durou 38 anos.

O detalhe é que a rodada final do Campeonato Sueco Masculino também deve garantir fortes emoções neste domingo. O Elfsborg lidera com 64 pontos, contra 61 pontos do Malmö na segunda colocação. E a rodada final contempla exatamente o confronto direto, em Malmö. Como o saldo de gols dos times está igualado, uma vitória simples bastará para os celestes recobrarem a hegemonia local. Já o Elfsborg tentará recuperar um troféu que não é seu desde 2012.

O rebaixamento na terceirona sueca

Pensa que acabou? A terceira divisão do Campeonato Sueco concentrou sua emoção na luta contra o rebaixamento. Foram três confrontos diretos, entre os seis times que acabaram nas seis últimas colocações. O Oskarshamn escapou ao vencer o Ahlafors por 2 a 0 fora de casa. O empate por 0 a 0 se tornou suficiente para salvar Torn e Ängelholm. Já os 3 a 2 do Vänersborgs contra o Atvidabergs, de virada, fez ambos morrerem abraçados. Outro ameaçado, o Ljungskile fugiu ao ganhar do Tvaaker por 2 a 0.

Olho para a tabela. Ljungskile e Oskarshamn ficaram com 34 pontos. O Torn escapou com 33 pontos. Já o Ängelholm respirou com 32 pontos. Os três rebaixados (Vänersborgs, Atvidabergs e Ahlafors) terminaram com 31 pontos. A queda do Atvidabergs é a que chama mais atenção: o clube possui dois títulos do Campeonato Sueco e dois da Copa da Suécia em seu auge nos anos 1970, quando chegou a eliminar até um forte Chelsea da Recopa Europeia e deu muito trabalho ao Bayern de Munique, futuro tricampeão continental, na Champions. No entanto, a equipe vem em queda livre e não disputa a elite desde 2015.

A maluquice também nos países bálticos

Além dos campeonatos dos países escandinavos, as nações banhadas pelo Mar Báltico também encerram suas temporadas neste momento do ano. E boas histórias também rolaram por lá neste final de semana. No Campeonato Letão, o RFS Riga se coroou exatamente na última rodada. A equipe venceu o Metta por 1 a 0 e contou com o empate por 1 a 1 do vizinho Riga FC com o Valmiera. Graças a isso, o RFS fechou a liga com 89 pontos, contra 88 do Riga FC, em ultrapassagem no último instante. O sprint final fez a diferença para os campeões, com oito vitórias consecutivas nas oito rodadas finais.

O RFS é um clube recente, fundado apenas em 2005, a partir de uma cisão nas categorias de base do tradicional Skonto Riga. O novo time ascendeu principalmente a partir da última década, com boas campanhas na primeira divisão. Esse é o segundo título do RFS, que tinha se coroado como campeão inédito em 2021, além de ter faturado a Copa da Letônia em 2019 e 2021. A equipe também bate cartão nas copas europeias, com seu ponto alto na classificação à fase de grupos da Conference League em 2022/23 – quando arrancou empates de Fiorentina e Istambul Basaksehir.

Já o Campeonato Estoniano foi resolvido também na rodada final. Curiosamente, com dois tropeços dos concorrentes ao título. O Flora Tallinn ficou no 0 a 0 com o Nõmme Kalju, mas agradeceu ao empate por 2 a 2 do Levadia Tallinn contra o Paide Linnameeskond. Com isso, o Flora ficou com dois pontos a mais que o Levadia e chegou a 15 títulos na liga nacional. Os alviverdes emendam um bicampeonato e chegam a cinco taças a mais que seus maiores rivais, o próprio Levadia.

O curioso é que o empate do Paide por 2 a 2 se tornou péssimo às suas próprias pretensões. A equipe perdeu a terceira colocação, ultrapassada pelo Tallinna Kalev. Os dois times ficaram com 53 pontos, mas o Kalev levou a melhor no confronto direto, principal critério de desempate no país. O Kalev não teve problemas para fazer 5 a 0 no Narva Trans nesta rodada final. Já o Paide vencia até os 50 do segundo tempo, quando cedeu a igualdade para o Levadia Tallinn. Graças ao terceiro lugar, o Kalev disputará a Conference League e estreará nas competições europeias. O clube fundado em 1909 possui dois títulos da liga nacional em seus primórdios, mas ficou inativo de 1940 a 2002. Nunca tinha ido além do sexto lugar no Campeonato Estoniano desde o recomeço.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo