Liga Europa
Tendência

Resumão da Liga Europa: Saint-Gilloise dá uma sapatada no Union Berlim, e Roma segura a Real Sociedad

As oitavas de final também tiveram as classificações do Sevilla (claro), Juventus, Manchester United e Bayer Leverkusen, além de goleada do Feyenoord e pênaltis em Arsenal x Sporting

É claro que o Sevilla chegou mais uma vez às quartas de final da Liga Europa, embora tenha ficado longe de brilhar na derrota por 1 a 0 para o Fenerbahçe. Ao seu lado, estarão Juventus e Manchester United, que apenas carimbaram as suas vagas. A Roma foi excepcionalmente pragmática para segurar o 0 a 0 contra a Real Sociedad, e o Bayer Leverkusen não teve problemas para vencer o Ferencváros novamente. O principal destaque foi a goleada por 7 a 1 do Feyenoord sobre o Shakhtar Donetsk e, logo em seguida, a enfática vitória da Union Saint-Gilloise por 3 a 0 sobre o Union Berlim. No norte de Londres, Arsenal e Sporting tiveram que disputar prorrogação e pênaltis para definir um vencedor.

Arsenal 1 (3) x (5) 1 Sporting

Gabriel Jesus fez seu primeiro jogo como titular do Arsenal desde a Copa do Mundo, mas disputou apenas o primeiro tempo, dominado pelo time da casa. Gabriel Martinelli foi muito bem. Forçou o rebote que terminou com o gol de Granit Xhaka e pouco depois exigiu outra defesa de Antonio Adán, que já pintava como o grande destaque. O Sporting pouco ameaçou, mas reagiu depois do intervalo. Mais agressivo, com mais posse de bola, e com um golaço: do meio-campo, Pedro Gonçalves conseguiu encobrir Aaron Ramsdale para empatar. O goleiro inglês defendeu com o rosto a batida à queima-roupa de Marcus Edwards para evitar a virada. Na prorrogação, o Arsenal recuperou as rédeas, e Adán fez duas grandes defesas: cara a cara com Leandro Trossard e depois em cabeçada firme de Gabriel Magalhães. Nos pênalti, também brilhou. Barrou a cobrança de Martinelli e colocou os Leões nas quartas de final.

Freiburg 0 x 2 Juventus

Autor do gol da vitória no jogo de ida, Ángel Di María ficou no banco de reservas, com problemas musculares, e o Freiburg começou animado. Teve um contra-ataque perigoso e exigiu uma linda defesa de Szczesny em cobrança de escanteio. No entanto, a Juventus foi melhorando. Chegou a marcar um gol anulado por impedimento com Vlahovic, Mark Flekken frustrou Moise Kean, e Ginter tirou uma bola em cima da linha. Nesse último lance, a batida de Federico Gatti foi bloqueada pelo braço de Manuel Gulde, que recebeu o segundo cartão amarelo. Vlahovic converteu o pênalti para dobrar a vantagem italiana. Com um a menos, o Freiburg foi valente no segundo tempo, mas não conseguiu ameaçar a defesa da Velha Senhora, que ainda ampliou para 2 a 0, com Chiesa, nos acréscimos.

Betis 0 x 1 Manchester United

A missão do Betis era muito difícil e se provou mesmo impossível. Facundo Pellistri foi titular do Manchester United, que apenas administrou a vantagem de 4 a 1 construída em Old Trafford. Talvez o duelo ganhasse alguma emoção se o Betis tivesse marcado em sua primeira chance, aos nove minutos. O chute de Juamni passou perto, mas saiu. O camisa 7 teve outra chance no primeiro tempo, quando apareceu em liberdade nas costas da defesa. De Gea adiantou-se para abafar. No fim, o United ainda acertou a trave antes do intervalo, com Pellistri, pegando a sobra de uma falta jogada na área. Rui Silva também teve que dar um tapa em cima da linha para evitar o gol. O Betis até exigiu uma grande defesa de De Gea com desvio de Ayoze Pérez no começo do segundo tempo, mas Marcus Rashford sepultou qualquer esperança com um lindo e venenoso chute de fora da área que morreu na lateral da rede e fechou a classificação dos Red Devils.

Real Sociedad 0 x 0 Roma

Se você conhece José Mourinho, provavelmente vai acertar como foi um jogo de volta de mata-mata em que o time dele estava em vantagem. Pouca coisa aconteceu no Anoeta. A Real Sociedad até teve alguns momentos de perigo e chegou a acertar a trave, mas a pressão nunca chegou a ser avassaladora. Os números às vezes não dizem nada, às vezes dizem bastante: a Roma teve apenas 24% de posse de bola e deu três finalizações, nenhuma no alvo. Basicamente defendeu-se com excelência para avançar à próxima fase, e a Real Sociedad não conseguiu atrapalhá-la.

Union Saint-Gilloise 3 x 0 Union Berlim

O sonho do Union Berlim chegou ao fim. A equipe alemã, que briga por vaga na Champions League na Bundesliga, havia conseguido buscar o empate por 3 a 3 em casa, até com contornos heroicos, mas sucumbiu na Bélgica. Até começou um pouco melhor, mas a Saint-Gilloise aproveitou erro na saída de bola adversária para abrir o placar com Teddy Teuma. Correr atrás do resultado não é a melhor característica da equipe alemã, que teve dificuldades para reagir. Os belgas ampliaram aos 18 minutos do segundo tempo com Jean Amani, e a expulsão de Janik Haberer encerrou qualquer esperança dos visitantes. Nos acréscimos, em novo contra-ataque, Loic Lapeoussin deu números mais contundentes para a grande vitória da Saint-Gilloise.

Feyenoord 7 x 1 Shakhtar Donetsk

O Feyenoord lamentou ter saído apenas com o empate no jogo de ida, apesar de ter dominado. Bom… dessa vez entrou tudo. Sete das dez finalizações ao alvo encontraram o fundo das redes, começando aos nove minutos, com Santiago Giménez, que marcou após um bom drible na entrada da área. Sufocando a saída de bola, os holandeses ampliaram com uma batida cruzada de Orkun Kökçü, que também fez o terceiro, convertendo pênalti, ainda no primeiro tempo. A goleada começou a ser construída com o bonito chute colocado de Oussama Idrissi à média distância. A porteira abriu, e o Feyenoord passou por ela mais três vezes em um intervalo de sete minutos, entre os 15 e os 21: Idrissi fez o quinto, com outra finalização plástica, Alireza ampliou de fora da área, e Danilo marcou o sétimo. O Shakhtar Donetsk descontou nos minutos finais, com Kevin Kesly tocando na saída do goleiro.

Ferencváros 0 x 2 Bayer Leverkusen

Como no jogo de ida na Alemanha, o Bayer Leverkusen não precisou nem brilhar para vencer com tranquilidade. E ajudou ter aberto o placar tão cedo. Logo aos três minutos, Moussa Diaby disparou pela ponta direita, deixou o marcador comendo poeira, entrou na área e tocou no canto para fazer 1 a 0. O Ferencváros tentou reagir. Exigiu defesa de Hrádecky em um chute desviado e acertou a trave com Adama Traoré. O Leverkusen voltou com sangue nos olhos depois do intervalo. Teve um gol anulado por impedimento, e o goleiro Dénes Dibusz teve que fazer defesa à queima-roupa. Diaby também balançou o poste, antes de Amine Adli fechar a conta, aos 36 minutos, em um contra-ataque.

Fenerbahçe 1 x 0 Sevilla

O rei da Liga Europa segue em frente, após suportar a pressão do Fenerbahçe. Trazia vantagem de 2 a 0 do jogo de ida e passou mesmo com a derrota. Um toque de mão de Alex Telles, aos 41 minutos, deu a Enner Valencia a oportunidade de recolocar o Fenerbahçe na disputa cobrando pênalti. O brasileiro, pouco depois, evitou que o equatoriano marcasse o segundo, e o Sevilla chegou ao intervalo um pouco assustado. No segundo tempo, um objeto atirado pelas arquibancadas acertou a cabeça de Marko Dmitrovic, que precisou de atendimento médico. O Sevilla defendia e tentava fazer o relógio passar com mais rapidez, sem levar perigo a Altay Bayindir. As entradas de Lucas Ocampos e Suso deram aos espanhóis um pouco mais de poder de fogo, mas Diego Rossi não marcou por alguns centímetros. E o time de Jorge Sampaoli conseguiu se segurar.

Foto de Bruno Bonsanti

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.
Botão Voltar ao topo