Liga das Nações
Tendência

Rodri: “A Espanha precisa vencer a Nations e criar uma cultura ganhadora para os próximos torneios”

Referência atual da seleção espanhola, Rodri falou sobre o desafio de sua equipe na final da Liga das Nações

Rodri sobra como principal jogador da seleção espanhola na atualidade. O meio-campista vem de uma temporada esplêndida pelo Manchester City. Não apenas foi um dos principais motores do time na Tríplice Coroa, como também teve o gosto de marcar o gol do título na Champions League. Diante da ótima fase, o volante se firma ainda mais como referência da Roja rumo à decisão da Liga das Nações, neste domingo, contra a Croácia. Para ele, será importante retomar uma cultura vencedora na equipe nacional. O cabeça de área ressaltou como apenas os veteranos Jordi Alba e Jesús Navas já ganharam algo com a seleção no atual elenco.

“Creio que estou em meu melhor momento. A nível de futebol e de títulos. Agora é pensar em ganhar mais um troféu. Todos devemos ter claro que o importante é ganhar este título para crescer em outros campeonatos. Só dois jogadores deste elenco conquistaram um título. É preciso criar uma cultura ganhadora para os próximos torneios. Já vivemos esta final há dois anos contra a França e temos outra oportunidade. Temos que voltar a levar a Espanha ao mais alto”, apontou.

Na Espanha, tentam levantar a bola de Rodri inclusive como um potencial candidato à Bola de Ouro. O volante, entretanto, prefere manter os pés no chão. Declarou como os títulos com seus times é que são importantes e que o resto será apenas consequência.

“Tento fazer tudo com a maior naturalidade possível. É preciso saber lidar com os elogios. Eu me concentro mais no nível coletivo e em somar títulos. O individual é importante e fico lisonjeado, mas quero ganhar títulos. Joguei praticamente tudo e cheguei ao final da temporada melhor do que pensava, porque acumulei esforço. Agora é mais um título que podemos conquistar”, salientou Rodri. “Não penso em prêmio individuais, só em coletivos. Há muitos bons jogadores no mundo. Eu me importo com os êxitos da equipe”.

Rodri dedicou elogios especiais ao meio-campo da Croácia. Sabe como será difícil encarar o trio formado por Luka Modric, Mateo Kovacic e Marcelo Brozovic. Para o espanhol, os adversários na final da Nations League estão acostumados a esse nível de desafio.

“A maior virtude da Croácia é sempre estar aí. Isso eles demonstram a cada partida. Eles lutam sempre e não se pode considerá-los mortos. Têm competitividade e muito talento. Aproveitam qualquer detalhe. Devemos ter solidez e estar concentrados em toda a partida”, analisou. “O meio-campo da Croácia se concentra bem e tem muita qualidade. São anárquicos, atípicos. Eles se desordenam, surpreendem e te levam a perder o lugar. Você precisa saber em que zonas aparecem para tapar os buracos”.

Por fim, Rodri falou sobre as comparações com Sergio Busquets e o fato de ser seu ‘herdeiro' no meio-campo espanhol. O volante salientou como admira o antigo companheiro, mas quer escrever sua própria história: “Busquets marcou uma época. É o melhor de sua posição em todos os tempos. Quero seguir meu caminho. Aprendi com ele, mas quero ser eu e tentarei isso”.

Espanha e Croácia se enfrentam neste domingo, às 15h45, em Roterdã. A final da Liga das Nações terá transmissão ao vivo na ESPN, no SporTV e no Star+.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo