Eliminatórias da Eurocopa

Hungria busca empate no último minuto contra Bulgária para confimar classificação à Euro 2024

Empate que deu a vaga para Hungria na Eurocopa do ano que vem só veio aos 51 minutos do segundo tempo

Vazio por risco de “desordem pública” pelos problemas no país búlgaro, o Estádio Nacional Vasil Levski foi palco de um jogaço com duas expulsões, quatro gols e emoção até o fim nesta quinta-feira (16). A visitante Hungria, perdendo até os 51 minutos do segundo tempo, buscou o empate em 2 x 2 contra a lanterna Bulgária com gol contra do zagueiro Alex Petrov, resultado que garantiu a vaga dos húngaros para Eurocopa 2024 na nona rodada das Eliminatórias.

Martin Ádám cravou o gol de abertura do marcador para seleção visitante em momento que dominava o jogo, mas Spas Delev empatou e Kiril Despadov virou o placar, antes de ser igualado em gol contra.

Agora, a classificação do grupo G das Eliminatórias para Euro tem a líder e classificada Hungria com 15 pontos, dois a mais que a vice Sérvia, ainda não garantida na competição europeia de seleções porque Montenegro, a terceira, tem mais duas partidas a disputar. Mesmo com o empate, a Bulgária permaneceu na lanterna da chave, com apenas três de pontuação, metade do que tem a Lituânia.

Bulgária se recupera após sofrer gol, empata, mas sofre expulsão

Como esperado, em um jogo do líder contra o lanterna, a Hungria tomou conta desde o início das ações ofensivas. A equipe se portava de forma muito para frente, deixando apenas dois zagueiros mais um lateral ou volante para saída de bola e todo mundo no campo de ataque. Nos raros momentos quando não tinha a bola, apostava na pressão incessante contra a Bulgária, que forçava o jogo pelo chão e se dava mal.

Em uma dessas roubadas no ataque, o atacante Kevin Csoboth deu um lindo toque de calcanhar que deixou Callum Styles de frente para Daniel Naumov. Porém, o meio-campista finalizou cruzado e a bola foi para fora. Pouco depois, jogada ensaiada no escanteio teve participação do Dominik Szoboszlai e Syles cruzou para Ádám cabecear para fora – o centroavante seria recompensado logo depois.

A superioridade húngara foi confirmada aos nove minutos. Em meio à pressão adversária, o zagueiro búlgaro Valentin Antov tentou proteger e deu uma cotovelada em Szoboslai, falta marcada e cartão amarelo para o defensor. Na cobrança, bem na lateral direita, o capitão mandou na pequena área e Adam antecipou o goleiro, desatento no lance, para marcar o primeiro.

A Bulgária ameaçou pressionar após sofrer o gol e rodar um pouco mais a bola – e colheu bons frutos por isso. Finalmente conseguindo sair da pressão, a dona da casa marcou um golaço com Spas Delev, que recebeu na área, deu um lindo toque para tirar Szoboszlai da jogada e bateu colocado com um desvio que tirou as chances de Dénes Dibusz. Mas a alegria búlgara durou pouco: 12 minutos depois, aos 36, Antov sofreu o segundo cartão amarelo e foi expulso.

A partir disso, o momento que era bom dos donos da casa, se virou completamente. A Hungria, melhor tecnicamente e agora com um a mais, dominou o restante do primeiro tempo e quase deixou o adversário com dois atletas a menos. Aos 38 minutos, Endre Botka ia invadir a área após belo “drible da vaca” e caiu quando Ilia Gruev se aproximou. No campo, o árbitro entendeu que volante destruiu uma chance clara, mostrando o cartão vermelho direto. Porém, em consulta ao VAR, tudo se inverteu, a expulsão foi anulada e a falta revertida por simulação de Botka, que sofreu cartão amarelo.

Antes do fim, o técnico búlgaro Ilian Iliev, para recompor a defesa, substituiu o meio-campista Ivajlo Chochev pelo zagueiro Zhivko Atanasov.

Hungria x Bulgária
Hungria é melhor no primeiro tempo, mas Bulgária se recuperou e buscou empate (Foto: Divulgação/Hungria)

Outra expulsão, agora para Hungria, muda rumos do jogo, mas visitante busca classificação no fim

Sem mudanças nos times, o começo da etapa final teve, novamente, a Bulgária forçando a saída de bola pelo chão e o time visitante se aproveitando disso para pressionar e criar boas oportunidades. Assim veio o primeiro chute perigoso, quando uma falta na entrada da área foi marcada e Szoboszlai finalizou no canto do goleiro, errando a direção do gol. Depois, novamente a partir de roubada de bola no ataque, Attila Szalai cruzou rasteiro e Styles, na pequena área, bateu cruzado e não conseguiu marcar.

O cenário que era perfeito para Hungria desempatar mudou aos 13 minutos. Milos Kerkez, punido com cartão amarelo na etapa inicial por simulação, foi driblando e costurando a defesa adversária, mas perdeu o controle da bola e dividiu com um carrinho em Alex Petkov, sofrendo o segundo amarelo da noite e sendo expulso, deixando o gol 10 contra 10. Por isso, a Hungria substituiu o atacante Csoboth pelo lateral-esquerdo Zsolt Nagy.

Taticamente, as seleções se espelharam e ambas atuavam no 4-4-1. Intenso nos minutos anteriores, o jogo perdeu isso com o cansaço dos jogadores – e a recomposição ficou falha. Szoboszlai quase fez um gol de placar ao deixar dois para trás e bater colocado, sem direção. A resposta búlgara foi à altura: Delev dominou bem um cruzamento e virou um voleio, mas pegou mal na bola.

Para superar esse cansaço, o mandante trocou Martín Minchev por Aleksandar Kolev, enquanto os húngaros tiraram o autor do gol Ádám para entrada de András Németh.

Sem o mesmo ímpeto de antes, os visitantes davam mais espaço para Bulgária trocar passes e isso foi letal com pouco mais de meia hora da etapa final. Boa jogada, de pé em pé da defesa ao ataque, chegou no capitão Kiril Despodov, que foi limpando todo mundo que via pela frente pela ponta esquerda. Ele deixou quatro defensores para trás ao invadir a área e o último, Szalai, deixou o corpo no meio do caminho, e o árbitro marcou a penalidade. O autor da jogadaça, Despodov, foi para cobrança e bateu perfeito – Dibusz até acertou o lado, mas não chegou.

Com isso, o cenário da partida virou o ataque da Hungria contra a defesa adversária quase pelo restante do segundo tempo. Szoboszlai levou mais perigo em três tentativas perigosas. Duas delas foram em faltas cobradas – uma defendida por Numav e outra para fora – e na terceira, já nos acréscimos, o jogador do Liverpool ficou de cara com o goleiro adversário e chutou em cima dele, desperdiçando a chance de igualar o placar. Mas ainda teria tempo para o grande craque dessa geração húngara decidir ao cobrar, literalmente no último minuto, uma falta na entrada da pequena área, o zagueiro Petrov desviar contra a própria meta e encobrir o colega Naumov.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo