Eliminatórias da Eurocopa

Szczesny vira herói nos pênaltis e coloca Polônia na Eurocopa ao eliminar Gales

Após 120 minutos sem gols, goleiro Szczesny defendeu cobrança de Daniel James, e Polônia é a última classificada à Eurocopa 2024

Nem todo apoio no Cardiff City Stadium completamente lotado foi capaz de impedir a classificação da Polônia para Eurocopa 2024. O País de Gales foi quem mais se aproximou de marcar nos 120 minutos, mas parou em Wojciech Szczsny, que voltaria a brilhar nas disputas de pênaltis ao defender a cobrança de Daniel James. Agora, a seleção polonesa se junta a Áustria, França e Holanda no Grupo D da Euro (confira todas as chaves aqui).

Etapa inicial é marcada por equilíbrio e poucas chances

Igualdade é uma boa forma para definir o que foram os primeiros 45 minutos. Um bom número para ilustrar isso é a posse de bola: 50% x 50% no primeiro tempo. E foi realmente isso. Foram diferentes momentos, com leve domínio de cada lado. Talvez as formações, ambas com cinco defensores no momento defensivo, pesaram para esse equilíbrio – ainda que, ofensivamente, os donos da casa usavam um centroavante e dois meias por trás, enquanto os poloneses apostaram em uma dupla de ataque.

O País de Gales era quem mostrava mais paciência para manter a pelota pelo chão, sempre rodando e procurando espaço a partir do trio de zagueiros. Porém, não funcionou para criar chances, tanto que só conseguiu levar perigo quando fez cruzamentos na área a partir de bola parada. No início, em escanteio, o capitão Ben Davies subiu mais que a defesa adversária e testou para fora. Já nos acréscimos, após lateral cobrado curto, um levantamento encontrou Kieffer Moore, que escorou para Davies, impedido, mandar para o fundo da rede.

Por outro lado, mais direta e rápida, a Polônia não mostrava tanta paciência para ter posses longas. Preferia mesmo dar lançamentos, outra estratégia que se mostrou frustrada. No fim, só chegou por meio de jogadas pelos lados do campo. Em uma, Przemysław Frankowski mandou na área e Karol Świderski por pouco não deu um toque que daria trabalho para Danny Ward.

País de Gales e Polônia ostentam equilíbrio no jogo (Foto: Icon Sport)

No 2º tempo, Gales volta melhor e cria grande chance do jogo

O time galês pareceu entender a urgência da partida no início da etapa final. Voltou mais ligado, consciente que precisava vencer para ir para Euro. Com três minutos, novamente em bola levantada, Wojciech Szczesny interviu na melhor chance da partida. Após falta cobrada no meio da área, Moore usou bem, de novo, seus 1,96m para cabecear na gaveta e o goleiro da Juventus se esticar todo para dar um tapinha para linha de fundo. Os detalhes do segundo tempo poderiam parar por aqui porque, pelo restante, nada de muito relevante aconteceu.

A Polônia até soube reter a bola e buscar espaços, como não tinha mostrado até ali, mas a criação era bem falha. Robert Lewandowski quase não foi acionado por todo o jogo. Quando chegou, o centroavante, de frente para o gol, foi atrapalhado por Davies e cabeceou por cima do gol após escanteio. Depois, em jogada individual, tentou de fora e a bola passou perto da trave em chute rasteiro. Basicamente foi isso e a prorrogação foi o único caminho.

Nada muda nos 30 finais

O início da prorrogação foi incrivelmente intenso. Os dois lados pareciam querer, finalmente, a vitória. Em uma rara subida à linha de fundo, Davies cruzou rasteiro, Szczesny espalmou para o meio da área e por pouco Daniel James não alcançou o rebote. Logo na sequência, um contra-ataque puxado em velocidade terminou em perigosíssima finalização de Jakub Piotrowski, quase indo ao ângulo de Ward. Pouco depois, o mesmo meia polonês que quase marcou deu um presente para Moore na entrada da área, que invadiu a área e foi cercado, batendo em cima da marcação. Tudo isso no 1º tempo.

Nos derradeiros 15 minutos finais, o ritmo não voltou ao visto antes, apesar de uma Polônia bem superior. Deu tempo ainda do zagueiro galês Chris Mepham ser expulso ao tomar o segundo cartã amarelo após uma forte entrada em Krzysztof Piatek, mas, de qualquer forma, o placar terminou zerado.

Szczesny brilha na última cobrança

A primeira cobrança perfeita de Lewandowski deu a tônica do que viria pela frente. Praticamente todos os cobradores foram muito bem e converteram muito bem. Um a um, Davies, Sebastian Szymański, Moore (este, com emoção e vendo a bola bater no travessão duas vezes), Frankowski, Harry Wilson, Nicola Zalewski, Neco Williams e Piatek. Eis que na décima cobrança, James sentiu o peso do estádio e mandou à meia altura, para Szczesny se consagrar.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo