Champions LeagueEuropa

Conquistando novos territórios

Ainda é cedo para fazer qualquer avaliação da Liga dos Campeões. Afinal, após apenas duas rodadas, fica difícil fazer prognósticos sobre o que vai acontecer até o final da fase de grupos. Restam dois terços das partidas a serem disputadas e muita coisa pode acontecer. Mas não se pode deixar de exaltar que, apesar da precocidade da análise, APOEL e Trabzonspor surpreendem ao fecharem a semana na liderança de suas chaves.

No Guia da Liga dos Campeões preparado pela redação da Trivela, ambos estavam longe de assumir o favoritismo. Pelo contrário, eram considerados a quarta força de seus respectivos grupos. E não tiro muito a razão dessas análises. Os turcos, diante de Inter, CSKA Moscou e Lille, assim como os cipriotas, ao lado Porto, Shakhtar e Zenit, estavam longe de qualquer protagonismo. Teriam pela frente adversários com elencos mais estrelados e mais tradição nos torneios continentais.

O Trabzonspor, por exemplo, participa pela sétima vez da Champions. Nas cinco primeiras, quando a competição ainda possuía seu antigo formato de Copa, a Karadeniz Firtinasi só passou por uma fase eliminatória uma vez, na estreia, em 1977. Já na única vez que participou no formato de liga, o clube parou ainda nas fases de qualificação.

Apesar de um pouco mais frequente na Champions, com onze aparições, o APOEL não possui um retrospecto tão bom assim. Também não teve mais que duas vitórias nas fases eliminatórias na época da Copa dos Campeões. E só chegou à fase de grupos da Liga uma vez, em 2010, quando foi o lanterna no grupo de Chelsea, Porto e Atlético de Madrid, deixando a disputa sem uma vitória sequer.

No entanto, quem acompanhou a trajetória do Trabzonspor na Süper Lig (ainda que alguma parte daquilo tenha sido armada), sabia do potencial da equipe. A começar do velho mito em torno do técnico Senol Günes dentro do clube. A presença do treinador na beira do campo parece potencializar as forças do time, que costuma fazer nada além de campanhas medianas sem ele. Com Günes, sempre disputa títulos. Não que dê para esperar algo tão grandioso assim do clube na Champions, mas, com a largada surpreendente, não seria loucura esperar pela classificação às oitavas.

Um dos motivos que colocavam em xeque a capacidade da Karadeniz Firtinasi era justamente o modo como conquistaram a vaga, eliminados por Benfica, mas resgatados após a desqualificação do Fenerbahçe. Além disso, o elenco vinha com algumas mudanças significativas para esta temporada, depois da venda de jogadores como Egemen Korkmaz, Selcuk Inan e Umut Bulut.

As novas peças, porém, parecem ter se encaixado bem no esquema do time. Nomes como Cech, Celutska, Zokora e Halil Altintop já cavam seu espaço de titulares. E sem um início tão bom assim na Süper Lig 2011/12, com a equipe acumulando apenas uma vitória nas quatro primeiras rodadas, as forças devem permanecer concentradas na disputa continental, bem mais vantajosa para dar visibilidade ao clube – e para acrescentar milhões na conta, a depender dos resultados.

O grande feito dos turcos foi bater a Internazionale na estreia. O time demonstrou solidez defensiva e foi capaz de mandar para as redes a principal – senão única – chance de gol que teve. Já contra o Lille, o Trabzonspor não foi tão bem assim, equilibrando o jogo apenas a partir da metade do primeiro tempo. Ao menos conseguiu buscar o empate no fim da partida. Pontos que ao menos podem impulsionar o clube para o terceiro posto, passando à segunda fase da Liga Europa – o que já seria algo sem precedentes na história do clube em torneios continentais.

O APOEL, por sua vez, deve se contentar caso também consiga um espaço na Liga Europa. O atual campeão do Chipre deixou para trás o Wisla Cracóvia para chegar à fase de grupos. E, nas duas primeiras rodadas do Grupo G, o clube deixou claro o binômio bem simples que pode ajudar nos próximos confrontos: força em casa e equilíbrio na defesa. Com a primeira virtude, a equipe conseguiu superar o Zenit, jogando em Nicósia, se soltando bastante para buscar a virada. Já a segunda foi útil para brecar o Shakhtar em Donetsk, depois de um bom tempo de pressão exercida pelos ucranianos.

O responsável por comandar o APOEL é Ivan Jovanovic, velho conhecido da torcida. O técnico, no clube de 2008, é idolatrado no clube, três vezes campeão nacional e responsável pela classificação para a fase de grupos da Champions 2009/10. O sérvio possui um elenco com bons recursos em suas mãos, composto por jogadores de diversas nacionalidades – como de costume entre os clubes cipriotas.

A equipe possui diversas caras conhecidas, especialmente no ataque, como o argentino Estaban Solari (artilheiro nos tempos de Pumas) e os brasileiros Gustavo Manduca (ex-AEK Atenas) e Aílton (cria da base do Atlético Mineiro que fez sucesso com a camisa do Kobenhavn). O grande ídolo do time, todavia, é uma estrela do futebol local: o camisa 10 e capitão Constantinos Charalambidis, responsável pelas melhores jogadas ofensivas do APOEL. O mais capaz de fazer os torcedores cipriotas continuarem sonhando com uma classificação inédita.

Nem tão bem assim

Outro clube da região na Champions, o Olympiacos está longe da liderança do Grupo F – mais especificamente, na lanterna, ainda sem somar pontos. A Thrylos, porém, não fez tão feio quanto as duas derrotas consecutivas possam sugerir. Contra o Olympique, o time não aproveitou o fator campo, deixando os franceses dominarem parte do jogo e fazerem 1 a 0. Já ante o Arsenal no Emirates, ainda que tenha saído perdendo por 2 a 0, os gregos equilibraram o encontro e só não alcançaram o empate graças a boa atuação de Szczesny.

Sem tantas esperanças na Champions, a tábua de salvação que resta é a Liga Europa. Para tanto, o clube de Pireu precisa aproveitar suas próximas duas partidas, ambas contra o Dortmund, que também esteve longe de um começo esplendoroso no torneio. Qualidade em campo o Olympiacos tem, mas precisa aproveitar melhor as oportunidades de gol que aparecem – que convenhamos, não são tão numerosas quanto no Campeonato Grego. Com o investimento que fez, as disputas nacionais parecem fáceis demais para o potencial do time.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo