Champions League

Real Madrid ‘copiou’ Arsenal para eliminar Manchester City na Champions

A classificação do Real Madrid sobre o Manchester City nas quartas de final da Champions League teve uma 'ajudinha' do Arsenal

Foi no sufoco, mas o Real Madrid eliminou o Manchester City nas quartas de final da Champions League na última quarta-feira (17), nos pênaltis, no Etihad Stadium, após empate por 1 a 1 no tempo regulamentar. Quem assistiu à partida, viu que os Merengues abriram o placar e tomaram uma decisão ousada: recuar completamente suas linhas. Com isso, os Citizens se atiraram ao ataque.

Quem não pôde assistir ao jogaço, talvez possa ser convencido por algumas estatísticas. O Manchester City teve 67% de posse de bola, enquanto o Real Madrid teve apenas 33%. A equipe de Guardiola finalizou 33 vezes, sendo que nove foram no gol. Já o time de Carlo Ancelotti chutou oito vezes, sendo que apenas três foram no alvo. Por fim, 18 escanteios para os Citizens, e somente um para os Blancos.

Apesar de tudo isso, essa foi uma estratégia pensada pelo Real Madrid. O treinador italiano sabia o que precisava fazer para anular o técnico espanhol, atual campeão da Liga dos Campeões. E o segredo do sucesso defensivo sobre os Citizens passa por um rival de Premier League. Isso porque os Merengues ‘copiaram’ o Arsenal de Mikel Arteta na decisão por uma vaga na semifinal da competição.

Segundo o jornal espanhol Marca, Davide Ancelotti e Francesco Mauri, membros da comissão técnica de Ancelotti, estudaram cada detalhe do empate sem gols do Manchester City com o Arsenal no dia 31 de março, no Etihad Stadium, pela 30ª rodada da Premier League. O Real Madrid aprendeu com os feitos dos Gunners para anular os Citizens na Champions. E a Trivela te explica como.

Como Arsenal ajudou o Real Madrid contra o Manchester City?

Enfrentar Guardiola nunca é uma tarefa fácil. Talvez, um dos nomes que saibam anular esse Manchester City seja Arteta, que trabalhou diretamente com o espanhol antes de chegar ao Arsenal. No último embate entre os dois, os Gunners mostraram um comprometimento tático e um nível de concentração tão altos, que o empate sem gols foi um resultado justo. O Real Madrid percebeu isso e se adaptou para a Champions League.

Então, para avançar à semifinal do torneio, os Blancos contaram com uma ‘ajudinha’ do Arsenal. Com ajustes pontuais, Ancelotti montou uma verdadeira barreira a frente de seu gol. Valverde e Carvajal internalizaram trocas de posições. Vinicius Júnior e Rodrygo ajudaram na recomposição pelas pontas. Nacho marcou individualmente Haaland. Bellingham grudou no centroavante do Manchester City nas bolas paradas. Mendy anulou Bernardo Silva.

Toda essa retranca foi armada para impedir os Citizens de aplicarem seu jogo, marcado pelo alto poderio ofensivo e posse de bola perigosa no último terço. Os Merengues abdicaram da bola, mas o fizeram para se resguardar lá atrás. Literalmente o mesmo plano do Arsenal para segurar o ímpeto do Manchester City na Premier League, já que os dois brigam pelo título inglês.

E semelhanças não faltam. Mikel Arteta teve menos posse de bola e menos finalizações, assim como Carlo Ancelotti. Arsenal trocou menos passes do que o Manchester City. O mesmo aconteceu com o Real Madrid. Após sobreviver os 120 minutos no Etihad, os Blancos foram para os pênaltis com o mental fortalecido. Então, brilhou a estrela dos batedores e do goleiro Lunin, que deram um ponto final na história de Pep Guardiola na atuação edição da Liga dos Campeões.

Foto de Matheus Cristianini

Matheus Cristianini

Formado em Jornalismo pela Unesp, é apaixonado por esportes, acima de tudo futebol. Ama escrever sobre o que acontece dentro e fora de campo. Após passar por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia, se juntou à equipe da Trivela com muita vontade de continuar crescendo.
Botão Voltar ao topo