Champions LeagueFrança

Rabiot super sincero: “É fácil fazer oito no Dijon, é nessas partidas que você precisa ser decisivo”

Eventualmente vemos um jogador falar aquilo que muitos torcedores pensam. Foi o caso de Adrien Rabiot nesta quarta-feira, logo depois do jogo entre o time dele, o Paris Saint-Germain, e o Real Madrid, na capital espanhola. Os merengues venceram por 3 a 1 de virada, o que deixou muitos torcedores parisienses descontentes com o time.

LEIA MAIS:
– “Não acabou”: jornais franceses acreditam em virada, mas criticam PSG
– Pelas mãos de Zidane, Real Madrid ressurge nos minutos finais e recobra sua grandeza contra o PSG

“Como de costume, nós tivemos oportunidades, mas não foram chances claras de gol. Quando jogamos contra times como esse, eles têm duas ou três chances e nos punem no final. Nós fizemos o jogo que precisamos, então estou decepcionado”, afirmou o meio-campista, autor do gol que colocou o PSG à frente no placar ainda no primeiro tempo.

“Começamos bem. Levamos os gols no fim. Nós sempre falamos as mesmas coisas, nós estamos sempre no mesmo caminho. É irritante porque acho que fizemos o certo. O problema é que é fácil fazer 8 no Dijon, fazer 4 no campeonato. É nessas partidas que você precisa ser decisivo”, criticou Rabiot. “É claro que tentaremos classificar e ainda há chances para isso, mas será difícil para nós”.

Neymar preferiu dizer que o confronto ainda será decidido em Paris. “O duelo ainda não acabou, ainda falta a segunda partida”, disse o jogador na zona mista, depois do jogo. Questionado sobre o seu futuro e as especulações sobre saída ao final da temporada, ele negou veementemente. “Meu futuro? Eu tenho contrato com o PSG, estou feliz aqui e eu estou totalmente focado, não há discussão”.

Outro ponto que chamou a atenção na entrevista de Neymar foi quando perguntaram a ele o que achou da escalação do time. Unai Emery colocou Lo Celso no meio-campo – e o argentino cometeu um pênalti infantil – e barrou Thiago Silva, colocando Kimpembé no seu lugar. Também foi muito questionada a opção do técnico em tirar Cavani no segundo tempo para colocar o lateral Meunier. Neymar preferiu não comentar, o que, por si, foi um comentário: “Prefiro não comentar isso, ele é o treinador, faz o que ele quiser no time”.

Daniel Alves reforçou o discurso sobre o jogo de volta, além de ter rechaçado o rótulo de favorito. “A imprensa precisa vender jornais, mas a conversa de nós sermos favoritos para vencer o Real Madrid no Bernabéu não é certa”, disse o lateral brasileiro. “É sempre um estádio difícil para qualquer time, mesmo os melhores, e nós não fomos consistentes o bastante durante todo o jogo e acabamos punidos. Você não pode dar nada como certo neste estádio e nós descobrimos isso da forma mais difícil com este resultado”, continuou. “Nós agora temos que garantir que nós faremos tenhamos uma boa atuação em Paris e se certificar que o Real Madrid tenha que estar no seu melhor para avançar”.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo