Champions League

‘Não nos ajudou’: Luis Enrique rechaça importância da “Remontada” de 6 a 1 no PSG pelo Barcelona

Técnico daquele Barcelona da remontada, Luis Enrique, hoje no PSG, disse que não foi o jogo mais importante da carreira

Ao puxar na memória as mais espetaculares viradas da história recente do futebol, é quase impossível não lembrar daquela eliminatória entre Barcelona e Paris Saint-Germain, pela Champions League de 2016/17. Na ida das oitavas de final, o clube francês venceu por 4 a 0 e muita gente deu o confronto como liquidado. Eis que no Camp Nou a equipe culé efetuou uma “Remontada” (termo que se popularizou a partir disso) com um 6 a 1 sensacional. No entanto, mesmo com todo esse roteiro de cinema, o então técnico do Barça, Luis Enrique, hoje no PSG, não trata como o jogo mais importante de sua carreira.

Em entrevista à TV do clube francês, o espanhol justificou que, na verdade, a vitória histórica de nada adiantou para o Barça porque o time não venceu aquela Champions. Após passar pelo PSG, o Barcelona caiu para a Juventus, perdendo por 3 a 0 na Itália e ficando no zero em casa.

– Não [é o jogo mais importante da carreira], porque não adiantou. A remontada não nos ajudou a vencer a Liga dos Campeões. A Juventus nos eliminou [na sequência]. É verdade que foi um jogo especial, [mas] não o jogo mais importante da minha carreira como treinador. Todos se lembram da volta, mas antes disso o PSG venceu por 4 a 0. Me lembro do 4 a 0 e 6 a 1. Isso faz parte da história e tenho muito orgulho disso. Eu não mudaria nada na minha carreira. Eu provavelmente poderia ter feito muito melhor, mas dei tudo de mim.

Quis o destino que o clube azul-grená e Luis Enrique se reencontrassem nas quartas da Champions League desta temporada. Barcelona e PSG jogam em 10 de abril, na França, e seis dias depois no Olímpico de Montjuïc, na Espanha. Quem avançar enfrenta Atlético de Madrid ou Borussia Dortmund na semifinal. Do outro lado da chave estão Manchester City, Real Madrid, Arsenal e Bayern de Munique.

O técnico do Paris se mostra empolgado e ansioso para voltar ao seu país, em especial Barcelona, cidade onde foi vencedor como jogador e técnico.

– Volto para casa, como no Natal (risos). Volto para Barcelona, ​​que é um lugar muito especial. São duas equipes que já compartilharam muitas coisas juntas. Muito bonito. Muito mórbido e muito feliz.

– Tivemos sorte porque regressamos a Espanha. Volto a Barcelona, ​​cidade onde passei grande parte da minha carreira esportiva. Nós, espanhóis, gostamos de voltar ao nosso país. Na cidade onde me senti maravilhoso. Me sinto muito bem. Sabemos que a competição nos compara contra grandes times. [O Barcelona] É uma equipe muito difícil, com qualidade individual de alto nível. As quatro equipes da nossa tabela [Barça, PSG, Atlético e Dortmund] têm chance de estar na final. Isso é bom. Teremos que provar isso em campo. Madrid, City, Bayern e Arsenal, uma das melhores equipes da Premier League, estão do outro lado e é mais difícil. Por outro lado, todas as quatro equipes têm oportunidades.

Considerado parelho, a partida não reúne dois times que brilham na temporada 2023/24, mas estão em crescente. O Barça, desde que Xavi Hernández anunciou que deixará a equipe em junho, melhorou o desempenho, seja coletivo ou individual, e não seria uma zebra se chegasse na final da Champions – ainda mais pelo lado “mais fácil” do chaveamento. Enquanto o PSG segue com um Kylian Mbappé em temporada de melhor mundo, ao mesmo tempo que Luis Enrique tem buscado encaixes táticos para tirar o melhor do time. Na volta das oitavas contra a Real Sociedad, por exemplo, apostou em Ousmane Dembélé de falso nove, algo que pode ser visto contras o Barcelona.

Sobre a preparação para o duelo do início de abril, Enrique disse que não vai inovar. Quer o mesmo dos jogadores e, principalmente, da torcida do clube parisiense.

– Vou preparar como antes. A mesma mensagem do jogo, na semana anterior, durante a semana. A mesma mensagem para que nossos torcedores sejam apaixonados, como em todos os jogos, em todas as ações do jogo. Que eles vivam com a mesma paixão. Vamos continuar transmitindo a mesma mensagem – concluiu.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo