Champions League

‘Temos de aprender alguma coisa com isso’: Arteta ficou furioso após derrota do Arsenal

Técnico dos Gunners se irritou com o desempenho da equipe e com o revés para o Porto na Champions League

O Arsenal visitou o Porto no Estádio do Dragão na noite desta quarta-feira (21) e acabou derrotado pelo placar de 1 x 0 em jogo válido pela ida das oitavas de final da Champions League. O gol do jogo foi marcado pelo brasileiro Wenderson Galeno, aos 49 minutos da etapa complementar, o que deixou o técnico Mikel Arteta, do Arsenal, furioso. Seja pela falta de agressividade do time inglês durante ou por não conseguir segurar o empate jogando fora de casa, a exibição dos Gunners não gostou nada do que seu time apresentou em Portugal

A derrota diante do Porto encerrou uma sequência de cinco vitórias consecutivas do Arsenal na temporada e de quebra, complicou a situação do clube londrino na Champions League. Na volta, no Emirates Stadium, os comandados de Arteta precisam vencer por ao menos dois gols de diferença para garantir a classificação para a próxima fase de forma direta.

O técnico do Arsenal analisou o desempenho abaixo da média de sua equipe, afirmando que apesar do domínio do time inglês no confronto, faltou agressividade e propósito ao time para transformar as chances criadas em gols. Quando se disputa um campeonato de alto nível como a Champions League, todo o erro, por mais simples que seja, pode custar a sobrevivência de uma equipe na competição e os Gunners pagaram pela falta de eficiência durante o jogo.

“Estou muito decepcionado com a forma como entregamos o jogo no final. Não administrar essa situação bem o suficiente. Você é punido na Champions League. Dominamos o jogo, mas faltou propósito, principalmente no primeiro tempo. Você precisa ter muito mais agressividade, precisa quebrar as linhas, jogar para frente e gerar muito mais ameaça para a defesa adversária”, avaliou Arteta.

Arteta fala em aprendizado e que o Arsenal estará melhor no jogo da volta

O confronto entre Porto e Arsenal não foi um primor em chances criadas, longe disso. Ao todo, o time português chutou oito vezes, contra apenas sete da equipe inglesa, números longe do aplicado por ambos os clubes em suas ligas nacionais. Para Arteta, os Gunners tiveram mais chances de sair com a vitória no segundo tempo, mesmo sem criar muitas chances, já que o time conseguia ter volume de jogo no campo do adversário, mas tinha alguma dificuldade de infiltração e errava alguns passes cruciais próximos à área adversária.

Para o treinador, o time londrino vai chegar mais preparado para o confronto da volta no Emirates Stadium e afirmou que meio tempo desta decisão foi embora e que será necessário jogar muito mais na volta para conseguir a classificação para a próxima fase da competição.

“No segundo tempo houve coisas muito melhores e geramos muitas situações, sem realmente criarmos muita coisa. Aprenderemos com isso. Agora está claro, o primeiro tempo da decisão já foi. Se quisermos estar nas quartas de final, teremos que vencer o adversário”, afirmou o treinador do Arsenal.

“Porto se defendeu bem”, afirmou o técnico dos Gunners

O Arsenal voltou a disputar as oitavas de final da Champions League após sete anos. Sendo assim, muitos jogadores do elenco atual do time não tinham tido essa experiência competitiva. Perguntado se isso havia influenciado o resultado do jogo, Arteta afirmou que seus comandados conseguiram neutralizar bem as ações do Porto durante 93 minutos de futebol e que em um vacilo acabou tomando o gol que sacramentou a derrota do time londrino.

“Então, se em 94 minutos eles não tiveram nenhuma ingenuidade além dessa, acho um pouco cruel julgar isso. Mas é verdade que teve um grande impacto no resultado. Muitas outras coisas que fizeram pela primeira vez aqui foram muito boas” analisou Arteta.

O treinador espanhol aproveitou para elogiar a postura do Porto, treinado por Sérgio Conceição, mas reiterou que no último terço do campo, o Arsenal não teve o capricho, nem a eficiência necessária para conseguir marcar os seus gols e isso pode ter um preço alto se não for corrigido para o jogo da volta em Londres.

“Crédito ao Porto . Eles defenderam bem. Mas quando entramos em determinados setores do campo, não finalizamos a jogada ou fizemos o cruzamento certo. Mesmo em lances de bola parada, cada vez que tocávamos em alguém, parecia ser falta antes mesmo de chutarmos a bola. Vamos aprender e fazer melhor”, concluiu.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Esse é Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia e da Trivela. Jornalista especializado em Marketing digital é também narrador do Portal Futebol Interior e da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo