Europa

Caiu o tabu! Depois de 114 anos de espera a Copa da Escócia é do Hibernian

Por Alex Rolim

Glory Glory to the Hibees, ou simplesmente GGTTH, por muito tempo se limitou a ser apenas um grito da torcida do Hibernian. Não que depois deste sábado esse canto tenha parado de ser usado. Pelo contrário: ele agora teve seu significado amplificado e materializado com a conquista da Copa da Escócia, com vitória por 3 a 2 sobre o Rangers, na decisão, um troféu que o clube não vencia há 114 anos.

LEIA MAIS: Brendan Rodgers e Celtic têm tudo para serem um casamento perfeito

Cada um com sua história e seu peso, Hibernian e Rangers se enfrentaram com uma rivalidade mais acirrada pelas duas últimas temporadas em que ambos disputaram a segunda divisão. Tudo começou muito bem pro time verde que aos quatro minutos já abria o placar com Anthony Stokes. Ainda assim, em um jogo franco, o empate veio aos 27. No segundo tempo, aos 20 veio a virada. Tudo parecia perdido, mas novamente Stokes empatou o jogo escorando de cabeça uma cobrança de escanteio.

Faltando 5 minutos para o final da partida, em uma jogada semelhante nos acréscimos, o capitão David Gray fez o gol que selou o título, e nada traduz melhor o que é torcer pelo alviverde de Edimburgo do que esse campeonato.

Trajetória

Na estreia, contra o Raith Rovers, fora de casa, vimos uma vitória relativamente fácil por 2 a 0, gols de Darren McGregor e Dominique Malonga. Passada essa primeira fase as coisas começaram a esquentar e viria um grande desafio, o rival Hearts em 7 de fevereiro, pelas oitavas de final.

Perdendo por 2 a 0 no primeiro tempo, fora de casa, a eliminação parecia certa, mas com o apoio da torcida que viu os dois gols rivais bem de perto, o Hibernian arrancou um empate no final da partida. Primeiro Jason Cummings cabeceou encobrindo o goleiro Neil Alexander nos acréscimos e depois de um escanteio, o zagueiro Paul Halon completou o bate e rebate para conquistar o direto de um replay.

Na volta, pouco mais de uma semana depois, no Easter Road, o que parecia uma vitória maiúscula com Jason Cummings marcando logo aos 4 minutos, logo tomou tons dramáticos. Em um derby nervoso com vários cartões, inclusive a expulsão do artilheiro do dia, a partida terminou apenas em 1 a 0 mesmo e abriu caminho para as quartas de final.

O jogo marcado para o Easter Road traria mais um confronto contra time da primeira divisão, o Inverness. Em uma partida acirrada, o Hibernian saiu na frente aos 10 minutos do segundo tempo, com James Keatings. A classificação direta escapou da mão com o empate sofrido aos 30. Haveria mais um replay, fora de casa.

Dois gols de Anthony Stokes no fim do primeiro tempo selaram o destino das quartas. Mesmo o gol sofrido aos 32 do segundo tempo não foi capaz de abalar a equipe de Edimburgo. No final do jogo, o goleiro Mark Oxley tomou o segundo amarelo na competição e isso traria novidades na próxima fase.

Hibernian e Dundee enfrentaram-se no dia 17 de abril. O técnico Alan Stubbs escolheu o veterano goleiro Conrad Logan para substituir o suspenso Mark Oxley. A escolha causou surpresa, pois quem sentava no banco normalmente era o jovem Otso Virtanen. O placar de 0 a 0 esconde as chances que os times tiveram: em uma delas, um pênalti cobrado de forma bizarra pelo craque Jason Cummings, com cavadinha saindo por cima da trave. O jogo foi para disputa de pênaltis e nela o goleiro Logan defendeu duas cobranças e o Cummings se redimiu acertando a última batida.

Foi uma longa espera de 114 anos por esse título, que terminou com a vitória sobre o Rangers, na final. Nesse período, passaram-se guerras, títulos, o mundo mudou umas três ou quatro vezes, gerações nasceram e morreram. E finalmente a taça da Escócia veio pro Hibernian, na terceira final em cinco anos. O time havia perdido a decisão para o rival Hearts e também para o Celtic.

Agora a torcida, que cresceu nas épocas difíceis, tem mais um motivo para cantar seu hino não oficial “Sunshine on Leith”. Todos podem sonhar com a volta para a primeira divisão e novas conquistas. Glory Glory to the Hibees!, afinal, e mais do que nunca.

*Alex Rolim, 38 anos, sobrevive em São Paulo, torce para o Hibernian e acompanha futebol desde as ruas de terra da ZN. É um ex-jogador em atividade que nunca fugiu de uma dividida. Seus pitacos estão disponíveis no Dibre do Vaca e no Twitter.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo