Espanha

Esse é único arrependimento de Xavi no Barcelona

Xavi e comissão técnica entendem que deveriam ter adequado as expectativas dos dirigentes do Barcelona para a realidade do clube na temporada atual

Surpreende a forma como, em menos de um ano, tudo desmoronou no Barcelona treinado por Xavi Hernández. O time supereficiente da temporada anterior, de defesa sólida e ataque eficaz, terminou com os títulos de La Liga (com três rodadas de antecedência) e da Supercopa da Espanha (com goleada de 4 a 1 sobre o rival Real Madrid). Da confirmação da taça do campeonato nacional, em maio de 2023, nada sobrou para janeiro de 2024, quando o técnico que marcou época como meio-campista anunciou que sairá ao término da temporada 2023/24.

Desse período de Xavi como treinador do Barça, que iniciou em novembro de 2021, só há um arrependimento da comissão técnica e do treinador: não ter adequado as expectativas do clube para temporada atual, segundo o jornal catalão Mundo Deportivo. Os profissionais acreditam que o próprio Barça (e, consequentemente, a torcida) esperaram muito de uma equipe que se mantém em severa crise financeira, com dificuldades para se adequar ao rigoroso fair play financeiro da organização do Campeonato Espanhol.

Os dirigentes já esperavam o título nacional na última temporada (há quatro anos sem vencê-lo), visto as manobras financeiras de vender direitos televisivos do futuro para investir nas contratações de Robert Lewandowski, Raphinha, Jules Koundé e outros. O otimismo tomou conta quando a taça veio mesmo e para 2023/24 o salto seria maior: lutar pela UEFA Champions League, mesmo que nas duas temporadas anteriores nem da fase de grupo passaram.

Ao contrário do que pensavam os dirigentes, a comissão técnica entende que a principal competição europeia está distante pela qualidade técnica de cinco adversários: Manchester City, Bayern de Munique, Arsenal, Paris Saint-Germain e Real – este, comprovadamente superior com uma goleada em cima dos catalães na final da Supercopa no início de janeiro. Soma-se o poderio individual dos adversários a uma janela de transferências discreta do Barcelona de Xavi para atual temporada. De graça, Ilkay Gundogan foi a principal chegada, depois vindo a dupla de bom nível técnico, mas de desempenho irregular, João Félix e João Cancelo, ambos por empréstimo, além de Oriol Romeu (o único investimento, custando 3,4 milhões de euros) e Iñigo Martínez. Em janeiro, Vitor Roque chegou, mas aos 18 anos não pode ser uma solução para um clube desse tamanho. Além das poucas contratações, também saíram Ousmane Dembélé, que foi importante no título nacional, e os ídolos Jordi Alba e Sergio Busquets.

Claro, as expectativas não foram o único problema do Barça na temporada. Taticamente, a equipe regrediu drasticamente, passando a ser frágil defensivamente e, no ataque, sofrer com uma má fase geral, de todos os jogadores, de Lewandowski a Ferran Torres. Tudo isso, somado as eliminações e a remota chance de levantar um título na temporada, levaram a saída do ídolo ao final da temporada atual, mesmo com contrato até 2026 (a Trivela analisou, ponto a ponto, os motivos por trás da queda de Xavi).

Seja quem for o substituto, Roberto De Zerbi, Rafa Márquez, Mikel Arteta ou qualquer outro, adequar as expectativas para a realidade do clube é essencial, principalmente para jogar claro com a torcida e não pressionar os jogadores de forma desnecessária. O Barça parecia ter reencontrado seu caminho com o título nacional da última temporada, mas o futuro se mostrou incerto na Catalunha e ainda não sabemos se aquele gigante do futebol europeu realmente acordou.

Os números de Xavi como técnico do Barcelona

  • 122 jogos, 76 vitórias, 20 empates e 26 derrotas (média de 2,03 pontos por jogo), 236 gols marcados (1,93 por partida) e 135 sofridos (1,10);
  • 2 títulos conquistados: La Liga e Supercopa da Espanha (ambos em 2022/23).
Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de esports no The Clutch. Como assessor de imprensa, atuou no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo