Espanha

Sentença de Daniel Alves tem data para sair

Ex-lateral da seleção brasileira e do Barcelona responde acusação de agressão sexual contra mulher

Daniel Alves e todas as partes envolvidas no processo de acusação contra o ex-jogador foram convocados a comparecer ao Tribunal de Barcelona nesta quinta-feira (22). Segundo informações da imprensa espanhola, o ex-lateral-direito do Barça deve conhecer a sua sentença, pouco mais de duas semanas após o julgamento do atleta, que durou três dias. O ex-lateral da seleção brasileira é acusado de agressão sexual contra uma mulher dentro da boate Sutton, na Catalunha, em dezembro de 2022.

A juíza responsável pelo caso, Isabel Delgado Pérez, também convocou Inés Guardiola, advogada de Daniel Alves, Ester García, que defende a denunciante e a promotora Elisabeth Jiménez. Ainda segundo informações da imprensa da Espanha, a defesa do ex-jogador espera pela resposta a um novo pedido de liberdade condicional solicitada pela defesa do brasileiro. Sob a justificativa de risco de fuga, a promotoria e a acusação negaram o pedido em quatro oportunidades.

No último dia do julgamento, Daniel Alves demonstrou imenso descontrole emocional, chorou muito e mais uma vez negou que tenha cometido agressão sexual contra a mulher, versão negada pela vítima, que em seu relato mais uma vez afirmou que a relação que teve com o ex-atleta não foi consensual. Como forma de justificar o que aconteceu na boate Sutton, o ex-lateral-direito afirmou que havia bebido muito no momento do contato com a denunciante.

Daniel Alves pode pegar até 12 anos de prisão

O pedido da advogada de defesa da denunciante é que Daniel Alves seja condenado a 12 anos de prisão, pena máxima para este tipo de crime na Espanha. Antes do julgamento acontecer, a promotoria pediu que o ex-lateral-direito da seleção brasileira cumprisse a pena de nove anos de prisão, declarando ao final do terceiro dia de julgamento que “os atos cometidos não eram merecedores da pena mínima”, que são quatro anos de detenção.

Em contrapartida, a defesa do acusado pediu a absolvição de Dani Alves e em caso de condenação, que fossem considerados os seguintes fatores antes da aplicação da pena: intoxicação alcoólica, reparação de parte do dano via pagamento de multa de 150 mil euros (aproximadamente R$ 802 mil reais) e violação do direito fundamental do acusado. Segundo a advogada Inés Guardiola, houve uma investigação ilegal inicial sem o consentimento do atleta.

Dani Alves está preso preventivamente desde 20 de janeiro de 2023 e cumpre a ordem no Centro Penitenciário Brians 2, em região próxima de Barcelona.

Risco de suicídio faz prisão na Espanha adotar protocolos

Visivelmente abalado após o julgamento da última semana, a postura de Daniel Alves preocupou a administração do presídio Brians 2, que temendo pelo pior, adotou algumas medidas anti-suicídio. Segundo informações de um ex-companheiro de cela do brasileiro, chamado Coutinho, o ex-jogador demonstrou forte depressão depois da audiência e desejo de fugir da prisão, o que teria feito com que os funcionários responsáveis por cuidar do ex-jogador alertassem a direção do centro penitenciário sobre o seu estado mental.

– Após o julgamento, ele sofreu de depressão. Fizeram isso por medo de que ele se cortasse, tentasse fazer uma loucura ou algo do gênero. Ele esteve sob esse protocolo no dia seguinte ao julgamento – explicou Coutinho ao programa espanhol Fiesta.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Esse é Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia e da Trivela. Jornalista especializado em Marketing digital é também narrador do Portal Futebol Interior e da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo